i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
TRANSPORTE COLETIVO METROPOLITANO

Pesquisa do governo estadual sugere ampliação da integração de ônibus fora de Curitiba

Levantamento realizado em 2014 apontou que 87 mil pessoas viajam entre municípios da RMC sem passar por Curitiba; a íntegra do estudo foi publicada pela Comec nesta quarta-feira (17)

  • PorRaphael Marchiori
  • 17/02/2016 12:46
Nova ligação entre Campo Largo, Campo Magro e Almirante Tamandaré é uma das hipóteses estudadas | Antônio More / Gazeta do Povo
Nova ligação entre Campo Largo, Campo Magro e Almirante Tamandaré é uma das hipóteses estudadas| Foto: Antônio More / Gazeta do Povo

Instrumento utilizado para justificar a redução no subsídio do estado para o transporte coletivo metropolitano de Curitiba, a pesquisa origem-destino realizada pela Fundação Instituto de Pesquisa Econômica (Fipe) a pedido da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec) também apontou a necessidade de criação de novas linhas integradas que não passem por Curitiba. O governo do estado afirmou já ter em andamento estudos para atender essa demanda.

Confira o fluxo de deslocamento de passageiros entre municípios da RIT

A pesquisa ouviu 128.655 passageiros de todas as linhas – integradas e não integradas – dos 14 municípios da Rede Integrada de Transportes (RIT) – uma amostragem de aproximadamente 10% do total diário de passageiros do sistema. Realizado entre março e outubro de 2014, o levantamento teve seu resultado divulgado resumidamente um mês depois. Nesta quarta-feira (17), a Comec publicou a íntegra da pesquisa em seu site.

Licitação

Ao custo de R$ 1,5 milhão, a contratação da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas vai além da pesquisa origem-destino. O relatório do levantamento cita que a Fipe dará consultoria e apoio técnico para cálculo de indenizações às empresas do transporte metropolitano integradas à RIT e vai propor uma modelagem para licitação da concessão das linhas metropolitanas. Essas linhas compõem o chamado Lote 4 da RIT e hoje funcionam por meio de autorização precária. Assim como ocorreu em Curitiba, os operadores deverão ser indenizados quando da realização da licitação. A promessa é de que o edital seja lançado ainda neste ano.

Para reduzir o subsídio, o governo argumentou que o porcentual de passageiros metropolitanos estimado pela Urbs (21,7%) era menor do que o apontado pela pesquisa (31,2%). Quanto mais passageiros, menor o custo do transporte coletivo.

Segundo o levantamento, 7,59% das viagens metropolitanas não envolvem Curitiba. Descontados os passageiros não integrados, esse porcentual cai para 5,45%. São 87 mil passageiros por dia. E um público que tende a aumentar, uma vez que há passageiros que não estão nessa lista, por cruzar a região metropolitana por dentro da capital desnecessariamente – apenas para se valer da estrutura da Rede Integrada de Transportes.

“O nosso projeto é ter um grande anel metropolitano, como hoje já temos de Almirante Tamandaré para Roça Grande. De lá para Colombo e dali até o terminal de Pinhais. Mas, para isso ainda precisamos concluir obras estruturais”, disse Euclides Rovani, diretor técnico da Comec.

Como exemplo da estrutura que ainda precisa ser criada, Rovani cita a falta de pavimentação em um trecho da ligação de São José dos Pinhais com Fazenda Rio Grande e a necessidade de construir um viaduto na BR-116 ligando esses municípios a Araucária. “Estamos em busca de orçamento para isso”, resumiu. Mas antes mesmo de ter essa estrutura, já há outras linhas em estudo que já podem sair do papel. Uma delas, de acordo com o técnico da Comec, ligaria Campo Largo, Campo Magro e Almirante Tamandaré.

Corredor adiado

A ideia de criar um anel metropolitano diminuindo os deslocamentos dentro da capital não é nova, mas até então ela não contava com dados que a balizassem. O governo do estado havia chegado a incluir o projeto do corredor metropolitano nas intervenções viárias para a Copa do Mundo, mas acabou abandonando a ideia porque o orçamento da obra foi subestimado. Inicialmente, previa-se um custo de R$ 130 milhões para o corredor de 79 quilômetros, ligando sete municípios da RMC. Esse custo acabou saltando para R$ 700 milhões, mas o governo federal não autorizou a revisão no orçamento.

Levantamento da prefeitura também vai ouvir quem não usa o transporte

A prefeitura de Curitiba também tem uma pesquisa de mobilidade contratada. As entrevistas, inclusive, estavam previstas para começar no início deste ano. O executivo entende, porém, que um levantamento completo não pode envolver apenas os passageiros do transporte coletivo – a chamada pesquisa embarcada. No projeto do município, serão realizadas visitas domiciliares e levantamento das características de todos os deslocamentos da cidade. A pesquisa origem destino realizada a pedido da Comec ouviu passageiros em 666 pontos distintos, entre estações-tubo, linhas de ônibus e terminais.

O edital de Curitiba descreve, por exemplo, que haverá medição de velocidade média em 30 rotas diferentes e contagem do tráfego em 850 pontos em três picos distintos. Todos os dados coletados alimentarão softwares que irão embasar futuras tomadas de decisão.

Ao todo, 250 mil pessoas deverão ser ouvidas ao longo de 18 meses. O consórcio vencedor terá de entrevistar 56 mil famílias para conseguir, pelo menos, 26 mil domicílios válidos. O custo da pesquisa encomenda pelo município é de R$ 6,1 milhões – sendo R$ 1,5 milhão captado via Agência Francesa de Desenvolvimento e o restante do orçamento municipal.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.