i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
mulher refém em SP

PM atirou porque homem "ia matar a ex-mulher', diz capitão

Negociador que já atuou no caso Eloá falou que agressor estava irredutível. Refém foi libertada após 19 horas no interior de SP; homem foi internado

  • PorG1/Globo.com
  • 02/12/2010 13:25

"O Gate atirou no sequestrador porque ele iria matar a ex-mulher dele", afirmou na manhã desta quinta-feira (2) o capitão Adriano Giovaninni, negociador do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate), considerada a tropa de elite da Polícia Militar do estado de São Paulo.

Essa foi uma das respostas que o oficial deu por telefone ao G1 para justificar a autorização dada ao "sniper", atirador de precisão, para disparar contra o desempregado de 45 anos, que estava armado e mantinha a ex-esposa de 41 anos refém por mais de 19 horas dentro de uma clínica odontológica em Araçatuba, a 527 km da capital paulista. O tiro acertou a cabeça do agressor quando ele se afastou da vítima. Até as 11h30, o sequestrador continuava internado em um hospital da cidade do interior de São Paulo.

"Tentei negociar a rendição da refém com o agressor, mas ele estava irredutível e disposto a matá-la. Além de estar armado e ameaçado matar a ex e se matar em seguida, ele derramou gasolina dentro do imóvel e falou que iria atear fogo", afirmou o capitão Giovaninni.

Segundo o oficial do Gate, atirar no agressor foi necessário. "O sniper teve autorização para atirar. Ele atirou onde achou que foi possível imobilizar o agressor. É o sniper que decide onde atirar. Ele estava a uma distância de cerca de quatro metros do sequestrador. Foi o último recurso que tínhamos."

O Major Gilson Paulo Saltoratto, coordenador operacional do Gate e gerente da crise em Araçatuba, defendeu a ação do sniper. "No caso não tinha outra região do corpo para o atirador acertar porque quando o sequestrador chegou até a janela, só a cabeça dele estava aparecendo. O tiro foi para parar a ação do agressor porque ele iria matar a outra pessoa, no caso a ex-mulher dele. A intenção não era matar, mas neutralizar, para o agressor cessar a ação", afirmou o major.

Caso Eloá

Com 39 anos de idade e 16 dentro do Gate, Giovaninni acumula experiência na função de negociador em situações de alto risco. Foi ele quem conversou com o sequestrador de Eloá Pimentel, em Santo André, no ABC, em 2008. Naquela ocasião, a adolescente foi morta a tiros pelo seu sequestrador, o ex-namorado Lindemberg Alves. O agressor queria reatar o romance no que ficou conhecido como caso Eloá.

"São situações distintas. Agora tínhamos o campo de visão do agressor para imobilizá-lo com um tiro de precisão. Com o Lindemberg não tínhamos esse campo. Temos sempre de pensar no refém também", explicou o capitão do Gate.

Segundo Giovaninni, o agressor de Araçatuba queria que a ex-mulher confessasse uma suposta traição. "Ele será indiciado por tentativa de homicídio, cárcere privado e porte ilegal de arma pela Polícia Civil", disse o capitão, que se deslocou com sua equipe de avião de São Paulo até Araçatuba. "Só vamos em situações extremas".

Invasão à clínica

A vítima foi foi rendida pelo ex-marido por volta das 11h de quarta-feira (1º). O sequestro terminou às 8h15 desta quinta.

De acordo com testemunhas, o homem chegou com uma mochila, entrou na clínica odontológica municipal onde ela trabalha e foi ao consultório número 1, onde a mulher estava sozinha, limpando o local. Assustadas, três colegas de trabalho da vítima se trancaram em outra sala e chamaram um dos dentistas que trabalha no local e que havia acabado de sair para o almoço.

Durante a noite, a PM informou que foi possível perceber, por meio de contato visual, que a mulher passava bem, assim como o homem que invadiu o prédio e a mantinha sob a mira de um revólver.

Familiares do ex-casal foram chamados. Centenas de curiosos também acompanharam durante a madrugada o trabalho da polícia. O homem estava armado com um revólver e mantinha em poder dele duas garrafas pet com gasolina. Ele ameaçava atear fogo na clínica. O ex-guarda municipal espalhou o combustível pelo consultório por pelo menos duas vezes.

Na hora em que o homem invadiu o local, um dentista ainda falou com o acusado, que já havia trancado a porta e colocado um armário para impedir a passagem. Os funcionários acionaram a Polícia Militar, que isolou o local. De acordo com policiais, por muitas vezes, o acusado chegou a encostar a arma na cabeça na ex-mulher. Ele também teria ameaçado atirar nela e depois se matar.

Policiais do Gate chegaram de avião em Araçatuba por volta das 17h. Eles foram direto para a clínica e fizeram um levantamento detalhado da área, com a medição de portas, janelas e paredes.

De acordo com policiais, o homem não fez nenhuma reivindicação. Ele apenas teria pedido para que a ex-mulher confessasse uma suposta traição. Os dois moraram juntos durante 16 anos. O casal se separou há quatro meses, de acordo com a mãe da refém. Desde a separação, começaram as brigas, conforme familiares. Márcia chegou a registrar boletins de ocorrência de ameaça contra o ex-marido. A Justiça expediu recentemente uma medida protetiva, por meio da qual ele ficou proibido de chegar a menos de 200 metros da ex-mulher.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    Fim dos comentários.