i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
transporte público

Prejuízo por causa dos “fura-catracas”chega a R$ 59 mil por mês em Curitiba

Segundo a prefeitura, em média, 600 passageiros utilizam diariamente o transporte coletivo de maneira irregular

  • PorDa redação
  • 16/10/2015 13:53
 | Valterci Santos/ Gazeta do Povo/Arquivo
| Foto: Valterci Santos/ Gazeta do Povo/Arquivo

“Pular catraca” para andar de ônibus sem pagar passagem não é coisa rara em Curitiba. A prefeitura da capital estima que, em média, 600 passageiros utilizam diariamente o transporte coletivo de maneira irregular, sem pagar tarifa. Apoiando-se no preço atual da passagem, que é de R$ 3,30, o ato – muitas vezes feito coletivamente – gera um prejuízo de R$ 59,4 mil por mês aos cofres públicos municipais.

A situação não tem apenas influenciado negativamente os cálculos do sistema de transporte como afeta também a rotina de motoristas e cobradores de Curitiba. De acordo com o sindicato da categoria, o Sindimoc, muitos destes trabalhadores já acabaram feridos por tentar evitar o acesso irregular aos ônibus.

Projeto de lei prevê punição para quem pular catraca

Tramita na Câmara de Curitiba um projeto de lei que pretender estabelecer pena a quem for pego pulando as catracas de acesso a estações-tubos e terminais. A proposta é do vereador Rogério Campos (PSC), que, na justificativa do texto, ressalta o impacto do ato no valor da tarifa.

O valor da multa estabelecido é o equivalente a cinquenta passagens da tarifa de ônibus da capital (R$ 165), podendo dobrar em caso de reincidência.

“O número de invasores não para de crescer por causa da impunidade”, defende o vereador, que afirma ter presenciado diversas situações “fura-catracas” enquanto exercia a atividade de motorista. “Sei como é. A gente, trabalhador, tem que arriscar a nossa vida e a vida dos passageiros para impedir isso, porque exigem que a gente tome uma medida”.

Por outro lado, a prefeitura de Curitiba informou que a média de pessoas flagradas pulando as catracas em estações e terminais da capital caiu de 1,1 mil para 600 por dia, nos últimos dois anos.

Por isso, a entidade realiza desde esta quinta-feira (15) uma campanha de conscientização contra os “fura-catracas”. As atividades, que envolvem conversas e distribuição de panfletos, são feitas estrategicamente próximo às estações-tubo onde este tipo de ocorrência é mais comum: Detran (entre Capão da Imbuia e Tarumã), Joaquim Nabuco (entre Santa Cândida e Tingui), Holanda (Boa Vista), U.S. Campo Comprido e Morretes (Portão).

O levantamento é do próprio sindicato, que informa haver um descontrole nestas áreas principalmente por causa de estudantes de colégios próximos.

“A gente está tentando mostrar à população o transtorno que isso causa para motoristas e cobradores”, comenta Anderson Teixeira, presidente do Sindimoc. “Essas pessoas acham que o que fazem é invasão. Mas não existe invasão. Existe alguém que paga pelo transporte coletivo para ele rodar”, acrescenta.

Desde o fim do mês passado, o sindicato comanda também uma campanha virtual em que pede para que as pessoas denunciem casos de “pula-catraca” para a entidade – o que pode ser feito por meio de um vídeo capturando o momento das “invasões. Até a manhã desta sexta-feira (16), seis vídeos já haviam parado nas mãos do sindicato, que pretende dar um fim investigativo a estas imagens.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.