i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Curitiba

Profissionais da saúde protestam contra projeto do Ato Médico

Manifestantes pediram para que projeto, aprovado no Senado na semana passada, seja vetado

  • PorAngieli Maros
  • 28/06/2013 15:45
Cerca de 300 pessoas participaram na noite desta sexta-feira (29), em Curitiba, do protesto contra o projeto de lei que trata do chamado Ato Médico | Hugo Harada/Agência de Notícias Gazeta do Povo
Cerca de 300 pessoas participaram na noite desta sexta-feira (29), em Curitiba, do protesto contra o projeto de lei que trata do chamado Ato Médico| Foto: Hugo Harada/Agência de Notícias Gazeta do Povo

Cerca de 300 pessoas participaram na noite desta sexta-feira (29), em Curitiba, do protesto contra o projeto de lei que trata do chamado Ato Médico, aprovado na semana passada pelo Senado e que aguarda sanção ou veto da presidente Dilma Rousseff (PT). Por volta das 18h30, os manifestantes, que saíram da Boca Maldita, chegaram a Praça Santos Andrade, em frente ao prédio histórico da Universidade Federal do Paraná (UFPR), e pediram para que a proposta seja vetada. A dispersão ocorreu cerca de 40 minutos depois.

O projeto define como atos privativos do médico, por exemplo, o diagnóstico da doença e a respectiva prescrição terapêutica, além da indicação de quando se fazer cirurgias e procedimentos invasivos.

Entre os organizadores do ato estão os Conselhos Regionais de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (Crefito), Enfermagem, Psicologia, Nutrição, Assistência Social, entre outros ligados à área da saúde. Os manifestantes acusam a insegurança jurídica que apresenta o texto do projeto.

"A questão é que a proposta regulamenta o exercício da medicina, mas não deixa claro que a competência do médico deve se limitar somente à sua área de atuação. A gente acredita que ele [médico] não pode fornecer prescrição terapêutica em áreas nas quais não possui habilitação, o que pode prejudicar o acesso da população à saúde", declarou o presidente do Crefito Abdo Augusto Zeghbi.

Veja fotos do protesto

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.