i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Litoral

Queda de silo traz temor de novos acidentes

Desmoronamento atrapalha as operações do Terminal de Contêineres de Paranaguá

  • PorCarlos Ohara
  • 06/11/2007 20:00
Guilhermina Guinle no papel da socialite Alice, em "Paraíso Tropical" | Reprodução www.globo.com/paraisotropical
Guilhermina Guinle no papel da socialite Alice, em "Paraíso Tropical"| Foto: Reprodução www.globo.com/paraisotropical

Depoimento - Comerciante relata os momentos de desespero

O comerciante Claudinei Lasini, 29 anos, que mantém uma lanchonete em frente do silo desmoronado em Paranaguá, disse que passou por momentos de desespero ontem, ao lado da esposa e de duas funcionárias. "Nós estávamos dentro da lanchonete e, de repente, veio aquele estrondo. Depois subiu uma nuvem de poeira de uns cinco metros de altura e cobriu tudo. Foi um sufoco, parecia até cena do 11 de setembro nos Estados Unidos", disse ele.

Lasini contou que um topógrafo que estava na área monitorando o silo com um teodolito (instrumento usado para medir ângulos verticais e horizontais) saiu correndo quando viu os grãos de milho saindo pelas rachaduras. "Quando ele correu, saímos atrás. Foi tudo muito rápido e o silo foi ao chão", disse ele. (CO)

Paranaguá – A queda de um silo de 42 metros de altura e capacidade para depósito de 15 mil toneladas, ocorrida na manhã de ontem, provocou correria na zona portuária de Paranaguá, no litoral do estado. O risco de desabamento iminente foi confirmado no início da manhã, quando a área da Companhia Brasileira de Logística (CBL) foi desocupada. Às 8h48, a construção ruiu. Agora, há dúvidas sobre a integridade da estrutura de um outro silo da CBL, com 45 metros de altura e capacidade para 20 mil toneladas de grãos, construído a cerca de cinco metros de distância da construção que desabou.

O acidente está atrasando as operações logísticas de embarque e desembarque no Terminal de Contêineres de Paranaguá (TCP). De acordo com a assessoria de imprensa da empresa, em função da interdição da Avenida Portuária, a TCP não está realizando a pesagem dos contêineres que estão sendo descarregados na empresa, porque o portão onde está localizada a balança está na área de interdição. A TCP faz o embarque e desembarque de contêineres em 500 caminhões, em média, por dia.

Segundo a empresa, a exportação dos contêineres também foi afetada. Fiscais da Receita Federal que ocupavam uma área no prédio deixaram o local na manhã de ontem, temerosos de que o segundo silo possa cair. Sem a vistoria da Receita Federal, os contêineres não podem ser embarcados.

O advogado da TCP, Eduardo Marques Ferreira, disse ontem que funcionários da empresa estão apreensivos com a situação. O desmoronamento de ontem provocou o deslocamento de pastilhas na entrada do prédio da empresa e "todos temem que o segundo silo possa cair, pois parece que ele já tem uma inclinação para o lado do nosso prédio", afirmou Ferreira.

Ele informou que o engenheiro da empresa deverá realizar hoje uma inspeção no prédio para avaliar se houve alguma alteração na estrutura do prédio. De acordo com o advogado, um relatório foi encaminhado para a diretoria da empresa, que poderá ajuizar uma ação solicitando o embargo do segundo silo. Ferreira revelou que há duas semanas, uma peça de uma roldana teria se soltado no silo em fase final de construção e atingido a janela da gerência de informática da TCP.

Perigo

O segundo silo que ameaça desabar deveria entrar em operação nos próximos dias. Ele foi construído com o mesmo material utilizado na construção desmoronada e teve o projeto executado pela Construtora Vasconcelos, de Canoas (RS). Na sexta-feira, após ser alertado sobre as rachaduras que apareceram no primeiro silo, o engenheiro Alexandre Vasconcelos, proprietário da empresa, teria afirmado que "não havia riscos de desabamento".

No sábado, o engenheiro voltou a descartar a possibilidade de desmoronamento da construção e assinou uma Anotação de Responsabilidade Técnica (ART), dando garantias para a entrada de funcionários da construtora e membros da Defesa Civil em túneis sob o silo em risco, para desprendimento das roldanas da esteira que haviam ficado presas com a pressão das 14,6 mil toneladas de milho. Vasconcelos é aguardado hoje em Paranaguá.

O chefe da Defesa Civil no litoral, major Edemílson de Barros, quer que a CBL entregue um laudo garantindo a integridade do segundo silo, já que ele mesmo não está seguro sobre a construção. "Temos que analisar os dados técnicos, mas visualmente parece que este segundo silo também já apresenta uma inclinação", disse Barros.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.