i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
TRânsito

Redução da velocidade de automóveis diminui o número de acidentes graves

Prática também adequa o fluxo do trânsito à grande quantidade de veículos nas ruas

  • PorKatia Brembatti
  • 15/08/2015 15:00
Placas indicam 40 km/h na rua Cândido Hartmann, desde 2014. | Aniele Nascimento/Gazeta do Povo
Placas indicam 40 km/h na rua Cândido Hartmann, desde 2014.| Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo

Diminuir a velocidade nas ruas para reduzir a gravidade de acidentes de trânsito é uma prática adotada em muitos países e que está começando a ganhar espaço nas cidades brasileiras. O assunto entrou em debate, com força, desde que a prefeitura de São Paulo baixou, no mês passado, a velocidade máxima nas marginais Tietê e Pinheiros. Nas pistas que permitiam 90 km/h, agora as placas indicam 70 km/h. E onde era 70 km/h só pode até 50 km/h.

INFOGRÁFICO: entenda a relação entre a velocidade e risco de acidentes

A discussão ficou centrada na possibilidade de a medida causar ainda mais congestionamentos e lentidão na cidade que tem o trânsito mais caótico do país. Mas não é bem assim, defende Ailton Brasiliense, assessor do Departamento Nacional de Trânsito e presidente da Associação Nacional de Transportes Públicos.

Ele argumenta que um tráfego que flui melhor, mesmo mais devagar, permite que os motoristas completem o trajeto em tempo semelhante, com menos riscos de contratempos. É a paráfrase da torneira e do ralo, quando o volume precisa respeitar a capacidade de vazão. “Ou seja, fazer sair mais água, em menos tempo, não vai fazer tudo fluir. Vai empoçar, encher a pia. O mesmo acontece com o trânsito”, compara. Com a diferença que as moléculas da água, ao contrário dos carros, se adaptam em qualquer espaço. Sendo assim, mais velocidade em uma via incompatível terminaria, entre outros problemas, apenas por potencializar os danos em caso de acidente.

Além disso, Brasiliense lembra que as pequenas colisões – aquelas que não causam feridos, apenas estragos materiais – também complicam o trânsito. Nas marginais paulistanas, por exemplo, um carro sinistrado na pista por alguns minutos já é suficiente para provocar longos congestionamentos. Apesar das vantagens apontadas para a redução em larga escala das velocidades nas vias, o assessor conta que não há planos do Departamento Nacional de Trânsito ou mesmo do Conselho Nacional de Trânsito, órgãos que regulam o setor, de tomar a dianteira nessas decisões. É que a regulamentação das velocidades nas ruas cabe às cidades.

Um dos motivos que levaram São Paulo a comprar a briga com os velocímetros foi o número de mortes no trânsito. Depois de dois anos em queda, em 2014 a quantidade voltou a subir.

Entre os tipos mais fatais de acidentes estão os atropelamentos e os vários levantamentos indicam que a gravidade dos casos varia drasticamente de acordo com a velocidade. Se um pedestre for atingido por um veículo a 60 km/h, a probabilidade de morte é de 70% e a 80 km/h – ou seja, apenas 20 km/h a mais – sobe para quase 100%.

Brasiliense reforça que há uma relação direta entre a velocidade e o número de acidentes e também a gravidade. “Essas reduções mundo afora estão sendo feitas há muitos anos, não é modismo”, diz. Os primeiros testes de redução de velocidade em algumas zonas da capital paulistana resultaram em diminuição no número de acidentes (veja infográfico nesta página). Também é importante destacar que quanto maior a velocidade, maior o espaço percorrido em caso de frenagem. A 100 km/h, um veículo pode andar duas quadras (200 metros) até conseguir parar totalmente – e isso é muito no momento de evitar um acidente.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.