i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
brasília

Reunião com Dilma sobre Mais Médicos acaba em bate-boca

  • Poragência estado
  • 06/08/2013 18:20

A reunião com a presidente Dilma Rousseff, no Palácio do Planalto, convocada para ajustar o diálogo entre governo e base aliada, terminou com discussão entre líderes pela indicação do relator da Comissão Mista do Congresso que vai analisar a Medida Provisória Mais Médicos.

O imbróglio iniciou-se quando o líder do bloco União e Força, Gim Argello (PTB-DF), dirigindo-se ao líder do governo no Congresso, senador José Pimentel (PT-CE), disse que o sistema de rodízio de presidentes e relatores das comissões mistas prevê que o cargo seja agora do bloco comandado pelo PTB. E anunciou que indicaria o senador Eduardo Amorim (PSC-SE) para presidir a Comissão.

Logo após Gim Argello anunciar o nome de Amorim, o líder do PMDB senador Eunício Oliveira (CE), tomou a palavra e afirmou que a indicação para a presidência da comissão era do partido e que o nome do escolhido não era o de Eduardo Amorim, mas o do senador João Alberto (PMDB-MA). "Criou-se um constrangimento esse bate-boca no final", contou o líder do PSB, Rodrigo Rollemberg, que participou do encontro.

Em meio ao "mal-estar" criado diante da presidente Dilma, coube ao vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), intervir e observar que ali não era o momento e nem o local apropriado para a discussão, que deveria se restringir apenas ao Senado. "O Michel Temer disse que era matéria interna corporis. Então vamos discutir isso Senado", contou o senador Gim Argello. "É claro que coloquei essa questão na reunião, estavam todos os líderes presentes. Eu disse ao líder Pimentel que deve ter algum engano nessa indicação", reconheceu Gim, que provocou a discussão, inconformado com a posição do líder governista.

O senador Eunício Oliveira, por sua vez, negou que tenha pleiteado a vaga da presidência da comissão durante encontro no Planalto. Ele justificou que foi o senador Pimentel quem disse que a vaga era do PMDB, sugerindo que, diante disso, é que o nome do partido era João Alberto.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.