i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Questão agrária

Sem-terra ampliam ocupação

Número de barracos na fazenda São Francisco II cresce enquanto não sai decisão da Justiça sobre possível desocupação

  • PorMaria Gizele da Silva, da sucursal
  • 09/02/2010 21:09
Barracos dos sem-terra em fazenda de Ponta Grossa: ruralistas devem soltar nota hoje criticando ocupação de área, que ocorreu no sábado | Henry Milleo/Gazeta do Povo
Barracos dos sem-terra em fazenda de Ponta Grossa: ruralistas devem soltar nota hoje criticando ocupação de área, que ocorreu no sábado| Foto: Henry Milleo/Gazeta do Povo

Conflitos no campo mais violentos

Diminuição no número de conflitos não significa redução na violência. É o que mostra um relatório elaborado pela Comissão da Pastoral da Terra (CPT). Na comparação parcial de 2009, até o dia 15 novembro, em relação ao mesmo período do ano anterior, observou-se uma diminuição na quantidade de conflitos no campo registrados em todo o país – 942 em 2008 contra 731 em 2009.

Leia a matéria completa

Ponta Grossa - Enquanto não sai a decisão da 4.ª Vara Cível do Fórum de Ponta Grossa sobre a desapropriação da fazenda São Francisco II, na localidade de Botuquara, os integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) ampliam o número de barracos no acampamento instalado na madrugada do último sábado.

Eram cinco tendas na segunda-feira. Ontem, já havia 11. A 150 metros do grupo, familiares e funcionários do ex-policial militar Waldir Copetti Neves, que alega ser o dono da área, se revezam sob a barraca armada para vigiar a ação dos sem-terra.

Segundo um militante, que prefere ser chamado apenas de Botinha, desde a manhã de domingo, quando Neves montou acampamento no local, as provocações têm sido constantes. Entre as ações, segundo o MST, estão o acendimento de faróis de carro e de um holofote em direção ao acampamento. Na madrugada da invasão, os sem-terra dizem ter sido alvo de disparos de arma de fogo dos seguranças do ex-policial, mas as balas não foram encontradas em meio à plantação de soja. "Nós não vamos responder às provocações", assegura o militante.

Para evitar conflito, o comando da Polícia Militar criou uma área de isolamento ao redor do acampamento do MST e colocou uma viatura 24 horas na área. "Os policiais deveriam ficar no meio dessa área de isolamento. Mas não, ficam lá junto com o Neves, tomando chazinho", disse o militante do MST.

Fazendeiros que apoiam Neves passaram a tarde reunidos ontem no Sindicato Rural de Ponta Grossa. Hoje de manhã deve haver um novo encontro. A direção do sindicato informou apenas que o departamento jurídico está preparando uma nota com a posição dos ruralistas para ser divulgada hoje. Segundo in­­formações da União Democrática Ruralista (UDR), há cerca de 80 desapropriações determinadas pela Justiça aguardando cumprimento no Paraná. Con­forme a Secretaria de Estado de Segurança Pública, só no ano passado foram feitas 61 desocupações.

A terra ocupada em Ponta Gros­sa pôs fim à trégua de um ano e dois meses dada pelo MST no estado. A área é pivô de uma briga judicial entre Neves e a Empresa Bra­sileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), que também alega ser a dona da fazenda.

* * * * *

Interatividade

A Justiça e o governo demoram para atuar nos casos de ocupações de terras?

Escreva para leitor@gazetadopovo.com.br

As cartas selecionadas serão publicadas na Coluna do Leitor.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.