Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Defesa pede fim pedido de prisão preventiva e suspensão do bloqueio financeiro imposto por Alexandre de Moraes (foto) a Allan dos Santos.
Defesa pede fim pedido de prisão preventiva e suspensão do bloqueio financeiro imposto por Alexandre de Moraes (foto) a Allan dos Santos.| Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF

O Supremo Tribunal Federal (STF) começa a julgar na próxima sexta-feira (29), em plenário virtual, o pedido de habeas corpus em favor do jornalista Allan dos Santos, rejeitado duas vezes, por decisões monocráticas, pelo ministro Edson Fachin, relator do processo. Serão julgados ainda os bloqueios bancários e a proibição de abrir contas em redes sociais. O prazo final para a apresentação dos votos dos ministros é 6 de maio.

>> Faça parte do canal de Vida e Cidadania no Telegram

Allan dos Santos, que está desde agosto de 2020 nos Estados Unidos, teve ordem de prisão determinada pelo ministro do STF Alexandre de Moraes em outubro do ano passado. A medida foi tomada no inquérito aberto por Moraes, em julho de 2021, para apurar a suposta existência de uma “organização criminosa, de forte atuação digital e com núcleos de produção, publicação, financiamento e político”.

Na mesma decisão, Moraes também requisitou a remoção de todas as contas de Allan dos Santos nas redes sociais, o bloqueio de suas contas bancárias e da empresa de mídia Terça Livre, o que levou ao encerramento da plataforma e demissões de toda a equipe. Em fevereiro deste ano, o Telegram, ainda resistente à suspensão das contas de Santos, acabou por fazer o bloqueio das mesmas, após Alexandre de Moraes ameaçar suspender a plataforma no Brasil. Mais tarde, em 18 de março, o ministro efetivamente determinou o bloqueio da rede social, o que só foi revertido após o cumprimento de uma série de exigências por parte do Telegram.

Na petição de habeas corpus, os advogados negaram a existência dos crimes apontados por Alexandre de Moraes e apontam ilegalidades na conduta do ministro. Segundo eles, não há indícios concretos da existência de uma suposta “organização criminosa constituída para atacar instituições da República, o Estado Democrático de Direito e a tripartição dos poderes”, da qual Santos faria parte. Além disso, os advogados de Santos ainda não tiveram acesso aos autos do processo contra o jornalista, o que fere o devido processo legal e o amplo direito de defesa, violando as leis do país.

Já sobre a denúncia por crime de ameaça contra os ministros do STF, feita pela Procuradoria de República do Distrito Federal em agosto do ano passado e também usada por Alexandre de Moraes no pedido de prisão, os advogados ressaltam que a denúncia já havia sido rejeitada pela Justiça Federal de Brasília.

“Além da prisão ilegal, o bloqueio financeiro total, vigente há mais de 180 dias, tem como consequência o inevitável e silencioso empastelamento, por estrangulamento, da atividade profissional de jornalismo, sendo inconcebível que o regime democrático não ofereça ao paciente [Allan dos Santos] mecanismos de proteção contra as ilegalidades e abusos”, ressalta a defesa, no memorial enviado ao STF.

OAB avalia denúncia contra Alexandre de Moraes

As medidas controversas do ministro Alexandre de Moraes, especialmente o impedimento ao acesso dos advogados de defesa aos autos do processo, estão sendo acompanhadas pela Ordem dos Advogados do Brasil de São Paulo (OAB-SP).

Em 17 de janeiro, a OAB-SP - por meio da comissão de Direito e Prerrogativas - contatou o gabinete do ministro Alexandre de Moraes e pediu esclarecimentos sobre o caso. Diante da ausência de respostas, no dia 2 de março, o presidente da comissão enviou novo ofício reforçando o pedido de esclarecimento e destacando o tempo transcorrido sem retorno. Dessa vez, também foi feito pedido de audiência por vídeo entre o ministro e a presidência da comissão. Em 7 de abril, o gabinete de Moraes retornou informando que, por ordem do ministro, o pedido não seria atendido. Diante das negativas, a OAB-SP acionou a Comissão Nacional de Defesa das Prerrogativas e Valorização da Advocacia da OAB, que ainda não se posicionou sobre o caso.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]