i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
ADI 5581

STF considera prejudicada ação sobre aborto em casos de zika

  • PorGazeta do Povo
  • Brasília
  • 04/05/2020 10:42
Fachada do STF, em Brasília: decisões cruciais para o governo federal. | Albari Rosa/Gazeta do Povo
Os ministros do STF não julgaram o mérito do pedido de não punição do aborto em casos de zika vírus.| Foto: STF

O Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou, por unanimidade, o julgamento de mérito de duas ações que tentavam, entre outros objetivos, a descriminalização do aborto em casos de mulheres contaminadas pelo zika vírus. A sessão virtual durou uma semana, entre a sexta-feira (24 de abril) e quinta-feira (30), da semana passada.

Na petição inicial da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5.581, a Associação Nacional dos Defensores Públicos (Anadep) questionava dispositivos da Lei 13.301/2016, que determinavam medidas de vigilância em saúde relativas aos vírus da dengue, da chikungunya e da zika. Com a revogação do principal ponto questionado pela Medida Provisória 894/2019, que instituía pensão vitalícia a crianças com microcefalia decorrente do zika vírus, a ministra Carmén Lúcia, relatora da ação, entendeu que houve perda do objeto da ação. O voto foi acompanhado pelos outros ministros da corte.

Além disso, como a ADI foi ajuizada juntamente com uma ação de descumprimento de preceito fundamental (ADPF), a ministra entendeu que Anadep não possuía legitimidade para ajuizar ação de controle abstrato (de questionamento de constitucionalidade, onde não há casos concretos). No caso da ADPF, a Anadep, para ela, não teria interesse jurídico nas normas e políticas públicas questionadas.

Na verdade, a requisição da Anadep é inconstitucional ao propor que o mero diagnóstico de zika vírus na mulher seria suficiente para não punir o aborto, pelo risco de microcefalia no feto. Além de facilitar a morte de crianças saudáveis - as piores estimativas apontam que apenas 10% dos filhos das gestantes contaminadas com zika nascem com microcefalia -, transformando um risco em um fato, uma decisão favorável a permitir esse tipo de aborto geraria “aquela pré-seletividade eugênica que é própria dos sistemas totalitários”, afirmou Antonio Jorge Pereira Júnior, doutor em Direito pela Universidade de São Paulo (USP), em entrevista para a Gazeta do Povo.

Histórico da ação sobre aborto em casos de zika

A decisão do STF dá fim a uma polêmica que se desenrola desde 2016, quando a Associação Nacional de Defensores Públicos (Anadep) protocolou a ação.

Em 2019, a ADI 5581 foi incluída na pauta do STF duas vezes, mas foi retirada por pressão de grupos de defesa da vida. O aborto não é punido no Brasil em três situações: em casos de risco de morte para a mulher gestante, de estupro ou de anencefalia do bebê.

3 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 3 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • R

    Ricardo

    ± 0 minutos

    Fácil resolver a questão: peguntem para qualquer mãe se, quando estava grávida soubesse que o filho nasceria com problemas devido à zika, se ela abortaria o filho que agora está em seus braços. Esperem a resposta e decidam.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • G

      Gabriel Brandão de Abreu

      ± 3 horas

      É uma boa notícia! Mas fico preocupado que tenham negado o pedido na Forma (Anadep não possuía legitimidade para propor uma ADPF), mas nem entraram no Mérito.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • C

        Carlos Eduardo

        ± 6 horas

        Terminou bem.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        Fim dos comentários.