i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
protesto

Travestis e transexuais fazem ato silencioso em cinema de Curitiba

Com doações, grupo se reuniu para uma sessão do filme “A garota dinamarquesa”

  • PorLaura Beal Bordin
  • 02/03/2016 17:51
 | Ivonaldo Alexandre/Gazeta do Povo
| Foto: Ivonaldo Alexandre/Gazeta do Povo

A ONG Transgrupo Marcela Prado reuniu na tarde desta quarta-feira (2) um grupo de 50 transexuais e travestis para uma sessão do filme A garota dinamarquesa, produção que conta a história da primeira mulher transgênero da história a realizar uma cirurgia de mudança de sexo, ainda nos anos 30. De acordo com a diretora da ONG, Rafaelly Wiest, muitas salas de cinema se recusaram a exibir o filme e algumas impediram as transexuais de comprar ingressos, alegando que estavam esgotados em diversas datas. A situação ocorreu em Florianópolis (SC) e chamou a atenção dos advogados que faziam parte da Comissão de Diversidade Sexual e Gênero da OAB-PR em 2015. Os membros se reuniram e, com doações, compraram os ingressos para o grupo.

Além de assistir ao filme, as transexuais buscaram realizar um ato silencioso, como forma de chamar a atenção para o número de assassinatos no país e em Curitiba. “Só nos dois primeiros meses, mais de 70 travestis e transexuais já foram mortas no Brasil. Essa é uma forma de fazer com que as pessoas percebam que nós existimos e também temos direito ao lazer como qualquer pessoa”, disse Rafaelly.

O grupo ficou parado em frente ao cinema e todas vestiam preto, como forma de protesto pela morte de Natasha, que foi atacada por um grupo de jovens em Curitiba que jogaram gasolina em seu corpo e atearam fogo. Natasha morreu na última quarta-feira (24) em decorrência das queimaduras graves que atingiram principalmente a cabeça e as costas da jovem. “É uma forma de lembrar a violência que ela sofreu, para que não aconteça com outras transsexuais”, contou.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.