i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Turma do STF absolve réu por haver dúvida sobre crime de estupro de vulnerável

  • PorGazeta do Povo
  • [26/05/2020] [11:49]
| Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

A 1ª  Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) concedeu um pedido de habeas corpus (HC) para absolver um réu, por unanimidade, do crime de estupro de vulnerável. O colegiado entendeu existir dúvida razoável de que ele tenha praticado o delito.

Com a decisão, o acusado não pode ser considerado mais culpado, sendo cancelada sua condenação de 12 anos de reclusão em regime fechado determinada pelo juízo da 3ª Vara Criminal de Guarulhos.

O homem havia sido denunciado pelo Ministério Público do Estado de São Paulo pela suposta prática de atos libidinosos contra uma adolescente de 15 anos com deficiência mental, em 2010, na clínica psicológica de sua mulher. Após a sentença, o primeiro HC foi impetrado pela defesa contra decisão do STF que manteve a condenação.

Os advogados dele alegavam atipicidade da conduta e pediam a anulação do processo, por não haver provas da prática do crime. Além disso, eles questionavam a incapacidade ou a deficiência mental da vítima, conforme laudos oficiais emitidos pelo Instituto Médico Legal e pelo Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

De acordo com ministro Alexandre de Moraes, o Estado tem a obrigação de comprovar a culpa do indivíduo, sem que permaneça qualquer dúvida, para afastar a presunção de inocência prevista na Constituição Federal. O caso começou a ser analisado pela 1ª Turma em outubro e foi retomado com o voto do ministro Alexandre de Moraes pela concessão do HC.

Os ministros levaram em consideração ainda depoimentos de todas as testemunhas ouvidas no processo, que disseram que o acusado ia poucas vezes até o local, principalmente para buscar a esposa.

Segundo os relatos, a clínica era pequena, com apenas duas salas interligadas, e não havia possibilidade de os dois ficarem sozinhos sem que fossem vistos. Afirmaram também que, se algo tivesse ocorrido, elas teriam percebido.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]
Tudo sobre:

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.