Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | Jonathan Campos/Gazeta do Povo/Arquivo
| Foto: Jonathan Campos/Gazeta do Povo/Arquivo

Criado no século 19, o sistema de escrita e leitura em Braille funciona com uma série de seis pontos, que se alternam para criar 64 símbolos, que equivalem às letras, números e pontuação do alfabeto ocidental. Furar os pontos determinados para cada letra cria um relevo, e a pessoa cega pode ler por meio do tato.

Tecnologia fomenta acessibilidade para cegos

Leia a matéria completa

O método perde em rapidez e praticidade para os livros digitais. Para as escolas, é mais fácil disponibilizar livros digitais do que traduzir letra por letra para o Braille. Mas o método cumpre o papel pedagógico fundamental de alfabetização das crianças cegas.

Além disso, ler e escrever em Braille ajuda a pessoa com deficiência visual a manter a grafia das palavras em dia. “Você começa a só mexer no computador e esquece das palavras, porque não enxerga a palavra, só ouve ela inteira”, conta o ativista cego Luiz Vanderlei Rodrigues.

Hoje, pelo menos 16,5 mil alunos do país inteiro estão na fila para conseguir uma máquina de Braille, que é como uma máquina de escrever tátil. A estimativa é da Laramara, Organização Não Governamental que produz uma versão nacional da máquina ao custo de R$ 2,5 mil – menos metade do preço da versão importada. Mais de 10 mil já foram fabricadas, e 70% delas foram doadas. Mas a ONG depende de parcerias para atender as demais crianças que aguardam o maquinário.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]