i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Celso Nascimento

Engenharia financeira

  • Porcelso@gazetadopovo.com.br
  • 09/09/2013 21:16

Olho vivo

Em mãos 1

Chegou ontem às mãos do Tribunal de Contas e do Ministério Público o relatório completo que a comissão de sindicância instaurada na Urbs produziu e que, supostamente, comprovam manipulação no edital de concorrência que, em 2010, escolheu as empresas de ônibus que operam o transporte coletivo de Curitiba. Os documentos foram entregues pessoalmente pelo presidente da Urbs, Roberto Gregório. O único mistério que fica é quanto ao prazo que as duas instituições precisarão para comprovar (ou não) as possíveis fraudes.

Em mãos 2

Enquanto isso, os vereadores que compõem a CPI do Transporte Coletivo fazem hoje reunião de trabalho interno. Pretendem replanejar os trabalhos para evitar a continuidade da perda de foco – perdido em meio a debates que pouco contribuem para o objetivo principal, que é encontrar meios práticos para reduzir a tarifa.

Gastos 1

Já foram pelo menos três as tentativas anunciadas pelo governo estadual, desde o ano passado, para controlar suas despesas e reequilibrar o caixa. No fim do ano passado, foram determinadas economias de 15% no custeio da máquina. Em junho deste ano, o governo exigiu das secretarias e autarquias cortes de 25%. Também já cancelou obras e serviços da ordem de R$ 1 bilhão.

Gastos 2

Nada bastou: a última medida, conforme informação revelada neste espaço domingo, atinge diretamente o funcionalismo. Foram suspensos todos os aumentos, promoções, progressões na carreira etc. até "ulterior deliberação", conforme diz a resolução 02/2013 assinada pelo secretário do Governo, Cesar Silvestre.

Deu entrada ontem na Assembleia Legislativa o anteprojeto de lei pelo qual o governo estadual pede autorização para vender as ações preferenciais (sem direito a voto) que detém na formação do capital social da Sanepar. Por trás deste procedimento parece estar acontecendo uma complexa engenharia financeira gestada pelo Acordo de Acionistas assinado há dias com o grupo privado Dominó.

Seriam pelo menos dois os objetivos imediatos a serem alcançados: 1) fazer caixa para o governo enfrentar as agruras que o ameaçam antes da chegada do fim do ano; e 2) abrir as portas para tornar possível um empréstimo superior a R$ 1 bilhão junto a um banco internacional, o Credit Suisse. Os dois objetivos não se excluem.

O anteprojeto começa com um artigo pelo qual o estado, acionista majoritário da Sanepar, propõe aumento do capital da companhia. O aumento – conforme já estabeleceu o Acordo de Acionistas – se fará pela transformação em ações preferenciais da dívida de pouco mais de R$ 1 bilhão que a Sanepar tem com o governo. Parte desta dívida, no valor de R$ 283 milhões, será paga em dinheiro pela Sanepar. A outra parte, de R$ 780 milhões, entra na forma de ações preferenciais, cotadas a R$ 12,75 a unidade. Observação: por que R$ 12,75 se, na bolsa, a ação vale menos de R$ 7,00? Um mistério.

Pois bem: na sequência, segundo anteprojeto, o estado fica autorizado "a vender, dar em caução e/ou oferecer como garantia de operações de crédito, financiamento e operações de qualquer natureza", todas as ações preferenciais que possuir na Sanepar, isto é, não só as resultantes do aumento do capital.

A engenharia prossegue: para pagar uma dívida com a Copel, o governo arca com juros altíssimos. Seria bom negócio se pudesse substituir esta dívida por outra mais barata – isto é, contraindo um empréstimo a juros mais baixos. É aí que entra o Credit Suisse, banco com o qual o governo já negociou juro mais baixo.

Então, a ideia é: quando receber as novas ações a que terá direito na Sanepar, o estado paga com elas sua dívida com a Copel. E o empréstimo do Credit Suisse fica livre para entrar direto no combalido caixa do governo.

A engenharia parece fazer água neste ponto: se o estado concordou que as ações "valem" R$ 12,75, passará à Copel estas mesmas ações pelo mesmo valor, embora a cotação de mercado (leia-se Bovespa) seja inferior a R$ 7,00? Em caso positivo, a Copel assumirá o prejuízo – a menos que, repentinamente, os papeis se valorizem a tal ponto.

Além de pagar a Copel com parte das ações, o anteprojeto prevê que o governo poderá vender quantas outras ações quiser – não necessariamente apenas aquelas que compuseram o aumento de capital previsto no Acordo de Acionistas da Sanepar. E, assim, vendendo parte da Sanepar a investidores privados, é até capaz de arrecadar algum dinheiro para socorrer seu fim do ano. Só um detalhe: antes precisará limpar a ficha na STN.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.