Em caso de renúncia ou afastamento do cargo, quem assume a principal cadeira do Executivo do estado é o vice-governador. Seis dos sete concorrentes ao cargo estiveram presentes na noite de quinta-feira (9) a um debate transmitido pela Band TV. Com poucos confrontos de ideias, os presentes mantiveram discursos semelhantes aos dos candidatos ao Governo que acompanham e enfatizaram os projetos partidários.

Com a ordem das perguntas entre os candidatos definida por sorteio, os representantes dos dois principais concorrentes não tiveram a oportunidade de fazer questionamentos entre si. Rodrigo Rocha Loures (PMDB), candidato ao governo ao lado de Osmar Dias (PDT), e Flavio Arns, que concorre com o correligionário do PSDB Beto Richa, responderam as questões propostas pelos demais adversários, sempre enfatizando projetos que podem ser realizados em parceria com o governo feitos e realizados pela prefeitura de Curitiba.

No entanto, os demais candidatos presentes aproveitaram a brecha para citar os dois principais nomes dos bastidores da disputa: os ex-governadores Jaime Lerner e Roberto Requião. Ivan Bernardo (PSTU), José Aiex Neto (Psol) e Gilberto Gomes (PCB) acentuaram as semelhanças entre os projetos de governo dos concorrentes mais bem colocados nas pesquisas eleitorais com os governadores anteriores. "Ambos defendem os mesmos grupos, que são os grandes empresários", argumentou Ivan Bernardo. Privatizações e ações dos governos Lerner e Requião foram relembradas.

Os assuntos predominantes não foram diferentes dos tratados pelos candidatos ao governo. Saúde, educação, segurança e questões relativas à administração, como privatizações de estatais e funcionalismo público, foram a tônica do debate. Rocha Loures, do mesmo partido que o ex-governador Roberto Requião, sofreu maiores ataques dos adversários. "O governo que há oito anos não faz nada não pode prometer que agora vai fazer alguma coisa", apontou José Aiex Neto enquanto questionava Loures sobre segurança.

Os cargos comissionados do governo estadual também foram debatidos. A candidata Flávia Romagnolli (PV), questionou o limite de gastos com a folha de pagamento, que, no Paraná, está próximo do limite imposto pela Lei de Responsabilidade Fiscal, segundo ela. "É preciso enxugar a máquina e governar com os servidores de carreira", defendeu. A candidata, que aproveitou o espaço para pedir renovação na política, repetiu diversas vezes o pedido para que os eleitores não reelejam políticos.

Mesmo com poucas discussões, foram solicitados três pedidos de direito de resposta, dois pelo candidato Flávio Arns e um por José Aiex Neto. Todos foram indeferidos pela produção do programa. O candidato a vice-governador pelo PRTB, Celso Carazzai, confirmou presença, mas não compareceu ao debate.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]