i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
cARTA EDITORIAL

A alternativa da arbitragem

  • PorJoana Neitsch
  • 15/05/2015 03:00

A busca por celeridade, especialização e discrição faz da arbitragem uma alternativa cada vez mais adotada no Brasil. Há quem aposte que o método de resolução de conflitos possa ser adotado em praticamente todas as áreas do direito. Por isso, a recente aprovação da Lei da Arbitragem traz novas expectativas para quem atua na área.

Para profissionais que atuam nas câmaras, é consolidação de muitos procedimentos que já vinham sendo feitos na prática. Além disso, a nova lei esclarece a aplicação da arbitragem no setor público e traz algumas possibilidades de sua utilização em relações de consumo.

De um modo geral, a experiência com a arbitragem tem sido muito bem sucedida no Brasil e no Paraná, já temos profissionais com larga experiência e com um ótimo trânsito internacional. Contudo, sabe-se que esse método de resolução de conflitos tem um custo elevado, de modo que até já foi feita a comparação em que o Judiciário corresponderia ao SUS e a arbitragem seria como o atendimento particular. Um dos desafios é tornar esse método mais acessível. Ou, caso se mantenha comua alternativa exclusiva dos grandes litígios ou daqueles que têm condições de arcar com altos custo, não se pode perder o foco de que, independente de quem sejam os jurisdicionados, o Judiciário precisa manter o objetivo da excelência e da celeridade. Nossa reportagem de capa fala sobre as inovações da nova Lei da Arbitragem. Confira a novidades.

Na entrevista da semana, temos o corregedor-geral do trabalho, ministro João Batista Brito Pereira. Ele esteve em Curitiba para fazer a correição do Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região e recebeu com exclusividade a reportagem do Justiça & Direito. Além do desempenho da Justiça do Trabalho estadual, ele falou sobre sua experiência profissional e deu opinião sobre alguns temas atuais.

Boa leitura!

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.