i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Aplicação da arbitragem no setor público ainda é desafio

  • PorKelli Kadanus
  • 15/05/2015 03:00

A Lei da Arbitragem aprovada no Senado prevê que os contratos da administração pública direta e indireta poderão ser intermediados pela arbitragem. Em seu art. 1º, inciso 3º, a lei prevê que “as arbitragens que envolvam a Administração Pública serão sempre de direito e respeitarão o princípio da publicidade”. Isso, para alguns especialistas, pode ser um desafio, pois um dos pressupostos da arbitragem é o sigilo.

“Ela [administração pública] vai ter que dar publicidade pela Lei da Transparência, por óbvio. A questão é que durante o processo existe um sigilo que precisa ser mantido. Isso vai ser uma questão controversa que a gente vai ter que discutir”, analisa o advogado, especialista em direito empresarial e professor da Unibrasil Alberto Goldenstein. “A questão é: será que essa publicidade vai ou não interferir no desenvolvimento regular do processo?”, questiona o advogado.

Para o presidente da Câmara de Arbitragem da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Camfiep), Cesar Pereira, a nova lei apenas regulamenta o que já era praticado nesses casos. “No caso de arbitragem envolvendo a administração pública essa ideia de transparência já estava presente, de modo que os atos da arbitragem na prática já não estavam sujeitos ao mesmo grau de confidencialidade”, explica.

Pontos positivos

Para o psicólogo e presidente do Instituto de Mediação e Arbitragem (Ima) do Paraná, Edson das Neves, a nova lei traz mais segurança para a administração pública. “Não tinha segurança jurídica [antes da aprovação da lei], uma vez que a lei da arbitragem tratava de direito patrimonial disponível e aí vinha a pergunta: o que é público é disponível? É, e é possível porque a lei agora traz essa possibilidade”, explica.

Para a vice-presidente do Comitê Brasileiro de Arbitragem (CBAr), Flávia Bittar, a nova regra traz mais segurança aos administradores. “Antes alguns entes da administração pública não se sentiam confortáveis em usar a arbitragem em virtude da ausência de previsão legal”, explica.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.