Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Membros do Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência de Curitiba. | Ivonaldo Alexandre/Gazeta do Povo
Membros do Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência de Curitiba.| Foto: Ivonaldo Alexandre/Gazeta do Povo

O polêmico outdoor instalado em Curitiba para atacar os direitos dos deficientes se trata mesmo de uma campanha publicitária, criada pela prefeitura da cidade para chamar a atenção para as pessoas com deficiência. A ação foi pensada e desenvolvida pelo Conselho da Pessoa com Deficiência de Curitiba. “A campanha durou só um dia. Na vida real, vivemos isso todos os dias”, disse nesta terça-feira (1.º) a presidente do Conselho Mirella Prosdócimo, durante a apresentação da campanha.

VÍDEO: Presidente do Conselho da Pessoa com Deficiência de Curitiba explica a ação

Prefeitura de Curitiba erra a mão ao "questionar" direitos dos deficientes

Leia a matéria completa

Outdoor contra direitos dos deficientes gera polêmica em Curitiba

Grupo desconhecido diz se mobilizar para que minorias não tirem os direitos das maiorias

Leia a matéria completa

A placa publicitária traz a mensagem “Pelo fim dos privilégios para deficientes” e identifica os autores como Movimento pela Reforma dos Direitos.

A campanha custou R$ 16.614,35 e foi paga com dinheiro do Conselho dos Direitos da Pessoa com Deficiência.

A campanha terá uma segunda etapa, cujo mote é : “Não é privilégio, é direito” e usará o símbolo #SomosMuitosTemosNossosDireitos. “Que cada um que se revoltou on-line seja uma voz real. Que denunciem não apenas nas redes sociais”, ressaltou Mirella. A segunda fase da campanha será justamente para explicar os motivos de cada um dos direitos que foram atacados na peça, criada pela Agência Competence. O objetivo, segundo a presidente do conselho, era atingir não só a população de Curitiba, mas ter repercussão nacional.

Vários representantes de associações de defesa dos direitos dos deficientes participaram da apresentação. Alguns aplaudiram ao final da explanação feita por Mirella e outros membros do conselho. Mas também houve que continuasse a criticar a iniciativa. “Não concordo com a campanha. Incitou o ódio que vivenciamos todos os dias”, disse Fernanda Sens, integrante da União de Pais Pelo Autismo. Ainda assim, ela disse que apoia a segunda fase da campanha.

Diversas pessoas manifestaram apoio ao movimento inicial - contra os direitos dos deficientes - por envio de mensagens privadas e diretas no Facebook (inbox). Essas pessoas serão convidadas a acompanhar as iniciativas do conselho de perto para entender os motivos desses direitos.

Desenvolvimento

A ação coincide com a semana do Dia Internacional das Pessoas com Deficiência (3 de dezembro) e do Dia Mundial da Acessibilidade (5 de dezembro) e foi planejada durante cerca de dois meses. Antes de lançar a campanha, o Conselho fez uma consulta jurídica e constatou que não haveria nenhuma implicação, pois o objetivo não era prejudicar ninguém.

Os recursos para a realização da campanha são do próprio Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência, que tem orçamento próprio e não da Prefeitura.

Pelo Facebook, a presidente do Conselho a Pessoa com Deficiência de Curitiba, Mirela Prosdócimo, falou sobre a campanha.

Nós sabemos que vocês ficaram chocados com as revindicações feitas pelo movimento. E esse choque, é o nosso alívio. O...

Posted by Movimento Pela Reforma de Direitos on Terça, 1 de dezembro de 2015
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]