i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Barbosa Ferraz

MP protocola recurso para reverter soltura de acusado de matar prefeito

Prisão de Dioniclei Pelussi de Oliveira foi revogada na quarta-feira (10) por determinação da juíza Angela Karina Pedotti Audi

  • PorGazeta do Povo
  • 12/03/2010 16:20

O Ministério Público do Paraná (MP-PR) protocolou recurso nesta sexta-feira (12) para revogar a soltura de Dioniclei Pelussi de Oliveira. Ele é acusado de ter matado o prefeito de Barbosa Ferraz, na região Centro-Oeste do Paraná, Mário César Lopes de Carvalho. A prisão do acusado foi revogada na quarta-feira (10) por determinação da juíza Angela Karina Pedotti Audi.

O crime aconteceu em 22 de julho de 2009. Carvalho teria sido assassinado por causa de ciúmes. O prefeito levou seis tiros à queima-roupa. Oliveira acreditava que sua namorada – que era funcionária da prefeitura de Barbosa Ferraz - tinha um relacionamento com o prefeito. O acusado teria atraído Carvalho para rodovia PR-082 - que leva ao município vizinho de Corumbataí do Sul - fazendo-se passar por uma pessoa conhecida do prefeito em conversa pela internet.

Segundo o Ministério Público, Oliveira é réu confesso e os dois argumentos da juíza foram contestados no recurso. Angela Karina Pedotti Audi afirmou, de acordo com o MP, que Oliveira se entregou espontaneamente. Já o órgão argumentou que o acusado foi preso porque a família denunciou o local em que ele estava escondido e também porque não havia possibilidade de continuar com a fuga.

A segunda argumentação da juíza dava conta de que Oliveira poderia responder em liberdade porque não havia comoção na cidade sobre o caso. Já o MP salientou que a população da cidade não tinha conhecimento de como estava o andamento do processo, por isso não houve manifestações.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.