Outro destino para Paulo Bernardo seria uma pasta ligada à infraestrutura | Renato Araújo/ABr
Outro destino para Paulo Bernardo seria uma pasta ligada à infraestrutura| Foto: Renato Araújo/ABr

Dilma Rousseff tem fama de durona em reuniões, mas reserva algumas delicadezas aos colegas mais próximos. Nos encontros de trabalho, o ministro do Plane­­jamento, Paulo Bernardo, só é chamado por ela de "Paulinho". A intimidade deve crescer a partir de janeiro.

Com a indicação de Miriam Belchior para a pasta hoje ocupada pelo paranaense, ele deve ser deslocado para um cargo mais próximo à presidente. Paulo Bernardo é cotado para assumir a Casa Civil ou a Secretaria-Geral da Presidência da República. Ambas as estruturas têm status de ministério e serão repaginadas no governo Dilma.

A transferência de Miriam é o primeiro reflexo dessas mudanças. A coordenadora do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) levará a gestão técnica dos empreendimentos da Casa Civil para o Planejamento. Já a Casa Civil ficará com um perfil mais político.

Atualmente, a Secretaria-Geral tem a função de dialogar com os movimentos sociais e articular políticas públicas para a juventude. Também cumpre papeis burocráticos, como a elaboração da agenda do presidente, dos seus discursos e de estudos político-institucionais para o Palácio do Planalto. No governo Dilma, passará a ter mais importância. O atual ministro, Luiz Dulci – que era cotado para ficar no cargo –, antecipou ontem que não permanecerá no posto.

A ideia é que a pasta complemente a Casa Civil no trabalho de coordenação política dos ministérios. Paulo Bernardo se encaixaria no novo modelo porque tem bom trânsito com a futura presidente e a experiência de cinco anos e oito meses à frente do Planejamento. A gestão do ministério é complexa, porque exige jogo de cintura para negociar a liberação de recursos – e, na maioria das vezes, negá-los. "Este não é um ministério que desperta muita cobiça. As pessoas não querem ficar aqui falando que não e não para todos os pedidos", brincou o ministro, em entrevista recente à Gazeta do Povo.

Outro trunfo dele é a relação com o presidente Lula. No começo do ano, ele chegou a anunciar que deixaria o governo para concorrer a deputado federal e também para ter mais tempo de fazer campanha para a mulher, Gleisi Hoffmann, eleita para o Senado. Ficou no cargo graças a um pedido pessoal do presidente.

Outro destino para o paranaense, menos provável, seria uma pasta ligada à infraestrutura, como o Ministério das Cidades ou da Integração Nacional. O problema é que esses cargos vêm sendo utilizados na partilha entre os partidos aliados. E não há sinal de que o sistema irá mudar.

Como concorrentes nos ministérios de dentro do Planalto, Paulo Bernardo terá Antonio Palocci e o também paranaense Gilberto Carvalho. Palocci é um dos "três porquinhos" da coordenação da equipe de transição, como apelidou Dilma [os outros dois são o presidente do PT, José Eduardo Dutra, e o deputado federal José Eduardo Cardozo]. Desde o começo das negociações é o mais cotado para a Casa Civil.

Já Carvalho, que atualmente é chefe de gabinete de Lula, é citado para a Secretaria-Geral. Outra opção seria a Secretaria Nacional de Direitos Humanos. Procurado para comentar a montagem do governo Dilma, Paulo Bernardo não quis dar entrevista.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]