Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Vida Pública
  3. Projeto popular prevê mudança em regras eleitorais

Reforma

Projeto popular prevê mudança em regras eleitorais

Meta do Eleições Limpas, novo projeto de iniciativa popular proposto pelo movimento responsável pelo projeto Ficha Limpa, é conseguir 1,6 milhão de assinaturas em 30 dias

  • Yuri Al’Hanati
 |
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Trinta dias para conseguir 1,6 milhão de assinaturas. Essa é a meta do Eleições Limpas, novo projeto de iniciativa popular proposto pelo Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE) – o mesmo responsável pelo projeto Ficha Limpa – e pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) que pretende fazer uma minirreforma eleitoral já para as eleições de 2014. O projeto, apresentado ontem em um ato público na sede nacional da OAB, em Brasília, prevê o fim do financiamento privado por parte de empresas e um sistema de eleição de dois turnos, no qual o eleitor vota primeiro no partido e depois nos candidatos de uma lista fechada.

Data

O número de assinaturas ambicionadas pelo grupo corresponde a 1% do eleitorado brasileiro, montante necessário para que um projeto de iniciativa popular seja apresentado ao Congresso.

“Nós não podemos ter o Congresso Nacional composto mais uma vez da forma como ele é composto hoje, com abuso de poder econômico e político”, disse o juiz Marlon Reis, representante do MCCE, referindo-se à urgência da implementação da proposta.

O objetivo é que a lei esteja publicada no Diário Oficial até o dia 4 de outubro deste ano, exatamente um ano antes das próximas eleições. A ideia, segundo ele, vem sendo desenvolvida desde fevereiro e ganha força com as recentes manifestações que marcaram as últimas semanas. “Houve uma sinergia. Todos nós estamos inconformados com uma série de questões da democracia, e essas manifestações serviram para inquietar ainda mais a sociedade brasileira”, afirmou.

Campanha antecipada

Outro ponto abordado pelo projeto é a isenção de responsabilidade por parte do eleitor no crime de campanha antecipada. “Nós achamos que o Brasil perde muito para outras nações democráticas em matéria política de liberdade de expressão. Tudo é vinculado ao horário eleitoral político, e tudo o que é dito antes é considerado campanha antecipada”, reclama Reis.

“A pretexto de proteger a honra dos candidatos, nós estamos impedindo blogueiros e jornalistas de emitir opiniões críticas sobre eles, e não é justo que o eleitor seja punido por manifestar seu desejo por certa candidatura. Essa limitação cerceia o debate político”, afirma.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE