Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
A volta dos deploráveis
| Foto: Pixabay

Pedindo desculpas por estar gripada, a filósofa Marilena Chauí, mais importante referência intelectual do petismo, ergue-se de uma poltrona vermelha ao lado de todo alto comissariado do partido e dispara: “A classe média é uma abominação política, porque é fascista, é uma abominação ética porque é violenta, e é uma abominação cognitiva porque é ignorante. Fim.” É ovacionada pela plateia.

Aquele longínquo maio de 2013 marcou o último capítulo de dez anos de um Brasil que parecia ideologicamente sequestrado pelo petismo, um edifício que começa a ruir no mês seguinte com as manifestações de junho pelos “vinte centavos”. Iniciadas por grupos de extrema-esquerda, a baderna que macaqueava o Occupy Wall Street americano de 2011 e a Primavera Árabe saiu do controle dos mascarados e acabou envolvendo toda sociedade civil brasileira, até então calada e intimidada pela hegemonia filopetista no debate público. A rachadura criada no casco do navio ideológico nunca mais foi consertada e o resto é história.

Havia algo naquele momento que unia os jovens radicais de várias partes do mundo, um sentimento insuflado pela crise econômica mundial de 2008 que passou a mensagem de que havia algo de errado no sistema que emergiu após o fim da Guerra Fria em que alguns lobos de Wall Street ganhavam bilhões enquanto a maioria assistia estupefata o achatamento das classes médias e a desindustrialização estonteante de algumas das mais ricas nações ocidentais. Com a Grande Recessão, os pacotes trilionários de dinheiro público para “salvar” banqueiros e investidores, a população mundial começou a perceber que não havia sido convidada para a festa, mas iria pagar a conta. E não gostou do que viu.

As reações negativas da população mundial desafiavam as convenções tradicionais políticas de direita e esquerda, um tema que voltarei mais vezes. Havia uma percepção de que o sistema festejado nos salões luxuosos de Bruxelas e Davos não levava em conta as reais necessidades do homem comum que via indústrias sendo transferidas para países distantes com mão-de-obra barata enquanto uma quantidade desenfreada de imigrantes era importada pelas mesmas elites que exportavam empregos para achatar ainda mais a massa salarial e disputar vagas cada vez mais escassas em casa.

Os níveis de violência urbana aumentavam, a renda e o emprego sumiam, os índices de suicídios e consumo de drogas entre trabalhadores médios disparavam, mas as elites ocidentais continuavam estourando seus champanhes como se estivéssemos todos rumando ao paraíso. Assim como os reis franceses que criaram Versalhes para não ter que lidar com o povo visto como fétido, ignóbil e desprezível há três séculos, o novo baronato progressista via as agruras de seus concidadãos com o mesmo desdém e esnobismo. A panela de pressão social estava prestes a estourar.

Durante a campanha presidencial americana de 2016, a candidata Hillary Clinton, uma figura que simboliza como poucas a elite progressista globalizada, dispara que nada menos que metade dos eleitores de Donald Trump era “racistas, sexistas, homofóbicos e xenófobos”, rotulados em conjunto como “um saco de deploráveis”. A frase pode ter selado o destino daquela eleição. No mesmo ano, os eleitores britânicos votaram majoritariamente por recuperar sua soberania sequestrada pela União Europeia. Foi o fim de uma era.

Nos últimos quatro anos, diversos autores ligados a essas elites tentaram explicar o fenômeno que encerrou a ordem mundial progressista e “pós-política” iniciada nos anos 90 com o mesmo entojo de seus contratantes. O populismo seria uma reação de uma classe média que representava um entrave ao desenvolvimento da nova ordem chique, moderna e globalizada, uma gente com pautas anacrônicas, um povo ignorante e odioso, homens das cavernas que mereciam a lata de lixo da história.

A distância econômica, cultural, política e social entre os habitantes do “Planeta Davos” e a população mundial só aumentou desde 2016 e poucas lições parecem ter sido aprendidas pelos que continuam considerando o povo “um saco de deploráveis” que merece, no máximo, inclusão em programas assistencialistas para continuarem dirigindo os carros, servindo as mesas e cortando a grama das mansões desta elite enquanto não são substituídos por robôs.

O abismo que separa estes dois mundos é insustentável e não existe elite sem povo, algo que, cedo ou tarde, Davos e Bruxelas vão descobrir. É torcer para que esse reencontro seja pacífico e cordial de ambos os lados.

Conteúdo editado por:Rodrigo Fernandes
6 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]