i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Caixa Zero

Ver perfil

MP de Curitiba nega mudança de nome a transgênero e chama pedido de “absurdo”

  • PorRogerio Galindo
  • 20/09/2017 14:47
Foto: Hugo Harada/Gazeta do Povo.
Foto: Hugo Harada/Gazeta do Povo.| Foto:

O Ministério Público deu um parecer contrário à mudança de nome de uma pessoa transgênero classificando o pedido como “absurdo”. O parecer revoltou o advogado da causa principalmente pela linguagem usada no texto da promotoria.

A promotoria diz que é “impossível” mudar o gênero de uma pessoa de feminino para masculino, já que o sexo é determinado “pelo médico” no momento do nascimento. Diz ainda que a cirurgia para mudança de sexo é “cosmética”, incapaz de dar à pessoa um sexo que “não tem e nem poderá ter”.

Leia mais: MBL chama de “rato” professor que perguntou se caso do Santander lembrava nazismo

Segundo o texto, o pedido “é ainda mais absurdo” porque a pessoa não fez a cirurgia de mudança de sexo. Uma cirurgia que, segundo o parecer, pode causar crime de lesão gravíssima por impossibilitar de maneira irreversível que a pessoa venha a se reproduzir.

De acordo com Vítor Leme, advogado que defende o autor do pedido, o problema não é a promotoria não concordar com o pedido. “A lei brasileira permite interpretações diferentes nesses casos. Acreditamos que há o direito, mas respeitamos a divergência, evidentemente”.

Leia mais: “Meu nome, meu direito”

Os termos usados, porém, são considerados duros demais pela defesa. “A cirurgia de mudança de sexo não é crime. Se for por trazer danos à reprodução, o mesmo valeria para vasectomia?”, questiona.

Segundo Leme, num post em redes sociais sobre o caso, o que o promotor mostrou “não é ignorância ou falta de conhecimento. É uma escolha ativa e deliberada de exercer um controle social sobre formas diferentes de se viver. É uma tentativa de, através do poder concedido por um concurso público, aplicar a sua visão moral à vida de outra pessoa”.

O advogado diz ainda que não é cirurgia que define a mudança de gênero. “Isso é uma questão muito mais ampla, psicológica, que tem relação com a vida da pessoa como um todo, não apenas com os genitais”, diz.

O Supremo Tribunal Federal deve julgar em breve a possibilidade jurídica de mudança de nome para transgêneros.

Siga o blog no Twitter.

Curta a página do Caixa Zero no Facebook.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.