Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

CPI, STF e TSE viraram a trinca de siglas mais temida pela população. Ouso dizer que nem IR causa tantos arrepios atualmente, ao menos na parcela da população que preza de verdade pelo futuro do Brasil, pela liberdade de expressão e pela democracia. E que está vendo uma escalada tirânica partindo do Judiciário e da cúpula do Legislativo.

>> NOVIDADE: faça parte do canal de Vida e Cidadania no Telegram

Não foi de uma hora para a outra que alguns integrantes da Comissão Parlamentar de Inquérito instalada no Senado ou de tribunais superiores atingiram esse status de algozes da população mais conservadora, maioria no Brasil, conforme comprovado por pesquisas.

A escalada autoritária, à revelia da lei, que amedronta os brasileiros não adeptos da ideologia de esquerda (estes, por ora, poupados da perseguição do Judiciário e da CPI) começou em 2019 com a insauração do inquérito das Fake News no STF.

Como o Senado, único com prerrogativa legal para frear ministros do STF que se excedem em suas funções, nada fez, aparentemente as ordens autoritárias e inconstitucionais viraram fonte de inspiração para alguns dos senadores da CPI da Covid e até para ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Em todas essas esferas de poder a mensagem passada à população com acusações sem provas, pedidos aleatórios de quebras de sigilo e agora de desmonetização de canais do YouTube é a de arbítrio e desrespeito a pilares básicos da democracia, como o direito à liberdade de expressão ou mesmo o direito à defesa, já que pessoas vêm sendo perseguidas e punidas sem sequer saber por que.

CPI, STF e TSE ameaçam democracia

Médicos, empresários, jornalistas, donos de empresas de comunicação e produtores de conteúdo independentes, todos considerados de direita, têm sido perseguidos tanto por senadores da CPI da Covid quanto por ministros do STF e do TSE.

Este é o tema central do episódio de Hora do Strike desta segunda (23) que conta com a participalação dos influenciadores digitais Kim Paim, Gustavo Gayer e Leandro Ruschel. Por que conservadores incomodam tanto essas esferas de poder? O que se fala, afinal, em canais conservadores para provocar tamanha ira?

Gustavo Gayer e Leandro Ruschel estão entre os 180 produtores de conteúdo incluídos na útlima lista da CPI de pedidos de quebra de sigilo fiscal, bancário, telefônico e telemático e trazem as poucas informações que receberam e suas impressões sobre a tirania de senadores e de juízes supremos.

Pedidos de impeachment de ministros e manifestações do dia 7

Na pauta do programa também estão a questão da politização do Judiciário, que motiva parte dos 19 pedidos de impeachment de ministros do STF já apresentados ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, incluindo o pedido que leva a assinatura do presidente Bolsonaro contra Alexandre de Moraes, datado da última sexta-feira (20).

Outro tema é a insistência da esquerda de fingir que não há ataques à democracia partindo do Judiciário. Depois que o próprio presidente Bolsonaro enviou ao Senado o pedido de impeachment de Alexandre de Moraes (o sexto apenas contra este ministro), PSDB, MDB e DEM se uniram à esquerda radical para defender este e os demais ministros do STF.

Notas emitidas pelos três partidos ditos de centro e pelos de esquerda, tradicionalmente opositores do governo, ignoram por completo a vontade popular apenas para tentar enfraquecer o presidente.

As notas, obviamente, geraram efeito contrário junto à população, que se mobiliza para voltar às ruas em grandes manifestações em São Paulo e Brasília no dia 7 de setembro, agora clamando por liberdade de expressão e pelo impeachment de ministros do STF.

Hora do Strike: espisódios garantidos até setembro

Este é um programa patrocinado exclusivamente pelos assinantes da Gazeta do Povo. São os assinantes que possibilitam ao jornal manter uma grande equipe de jornalistas, colunistas, designers gráficos e vários outros profissionais de diversas áreas e permitem a realização de projetos como este.

Por enquanto conseguimos garantir esta primeira temporada com 13 episódios exibidos às segundas-feiras, às 19h, ao longo de três meses. Se chegarmos aos 75 mil assinantes antes do fim da temporada (até setembro), vamos conseguir viabilizar a segunda.

Se você ainda não é assinante, junte-se a nós e tenha acesso a toda a cobertura jornalística, vídeos, podcasts e artigos exclusivos de mais de 40 colunistas. Caso já seja parte da nossa comunidade, ajude a divulgar a Gazeta do Povo. Para mais informações acesse a página exclusiva do programa Hora do Strike.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]