Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

Doutrinação marxista é algo que praticamente todo mundo que passou por uma universidade brasileira nos últimos vinte ou trinta anos conhece a fundo e não apenas pelos temas abordados pelos professores, em sua maioria militantes de esquerda.

A literatura proposta aos estudantes também é direcionada a apresentar uma visão de mundo socialista como a única aceitável. Quem passou pelos cursos da área de Humanas, então, dificilmente se formou sem ter enfrentado infindáveis leituras obrigatórias apenas de autores de esquerda.

Ao contrário da maioria dos jovens, Daniel Lopes já se identificava como conservador antes de frequentar o ambiente universitário. E frequentou por muito tempo, já que fez três cursos de graduação (Jornalismo, Teologia e Letras), além de pós-graduações, mestrado e doutorado.

Não é exagero, portanto, dizer que se saiu dessas experiências como um combatente das ideologias marxistas e profundo conhecedor (e defensor) das ideias conservadoras é porque estudou por conta própria. Esse é o primeiro tema da entrevista que você pode acompanhar clicando no play do vídeo no topo da página.

Manual contra doutrinação marxista

O caminho para não se deixar doutrinar começou com observação, logo após entrar para o curso de Comunicação Social (Habilitação em Jornalismo) na Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro, em 2003.

"Ali eu constatei que o ambiente universitário já estava completamente aparelhado pelo esquerdismo, e aprenderia não apenas como a mídia é extremamente tendenciosa, mas também como o jornalismo estava completamente dominado pelo marxismo", diz Daniel na apresentação de seu curso online Manual de Sobrevivência do Conservador no Séc. XXI.

O curso foi apenas uma das muitas frentes que abriu para combater falsas narrativas de esquerda. Ele tem livro publicado com o mesmo nome, e atua também nas redes sociais e YouTube.

"Foram anos de muitos debates e de aprendizado sobre como resistir ao rolo compressor esquerdista."

Daniel Lopez, jornalista, teólogo e estudioso de linguagem

Que lições tirou nessa trajetória? Como sobreviveu em ambientes tão hostis a alunos conservadores e ainda virou pesquisador e professor universitário? Por que decidiu fazer mestrado em Linguística e doutorado em Estudos da Linguagem? O que a análise dos discursos tem a nos dizer?

E mais: que ferramentas usar para combater as narrativas de que só pessoas de esquerda têm bom coração e de que os conservadores são retrógrados e individualistas? Por que esses discursos falsos ainda convencem tantos incautos?

Estas são algumas das perguntas que faço para o estudioso de linguística e professor, que hoje dá aulas também online e virou uma referência conservadora no YouTube, onde faz análises de política nacional e geopolítica internacional no canal que leva seu nome e se aproxima do primeiro milhão de inscritos.

Novo colunista

A partir desta terça (20), Daniel Lopez se une ao time de colunistas da Gazeta do Povo, onde vai publicar semanalmente coluna abordando temas de geopolítica internacional, artes e cultura, já que além de jornalista, teólogo e estudioso de linguística tem especialização em Teoria da Arte, Crítica de Arte, Filosofia, Sociologia e Antropologia.

Semanas atrás, em conversa que tive com Daniel Lopez ao vivo no Instagram (depois publicada aqui neste espaço) ele analisou as relações exteriores do Brasil, no dia em que o agora ex-ministro Ernesto Araújo deixou o governo.

A demissão ainda não estava confirmada, mas dezenas de leitores elogiaram sua análise racional dos fatos, depois confirmados.

Para ler sua coluna de estreia, em que aborda a escalada de tensão entre Ucrânia e Rússia, que pode colocar em rota de colisão os governos de Washington e Moscou, clique aqui. Mas só depois de assistir à entrevista em vídeo sobre doutrinação marxista, combinado?

66 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]