i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Educação e Mídia

Foto de perfil de Educação e Mídia
Ver perfil
SOCIOEMOCIONAIS

Por uma educação de acolhimento à vida

  • Por Educação e Mídia
  • 09/04/2020 08:03
Por uma educação de acolhimento à vida
| Foto:

O relacionamento humano cada vez mais está mediado por tecnologias. São diversos Apps e gadgets que preenchem nosso cotidiano com soluções, distrações ou informações. É possível somar a isso o aumento gradativo da ocupação do tempo: horas de trabalho, projetos pessoais ou sociais, formação para carreira, trânsito e outras tantas funções. Aos adultos é um desafio manter um convívio, digamos, de qualidade com filhos, enteados ou outras crianças e jovens sob sua responsabilidade.

Neste cenário, alguém pode criar um mundo paralelo com redes de amizade, clã de seguidores ou um infinito de solidão nas mídias sociais ou nos jogos eletrônicos conectados. O detalhe é que essa construção acontece em um ambiente virtual, com possibilidades de convivência de proporções infinitas, por vezes desprovida de afeto e empatia. Com a tecnologia mediando a comunicação, os sujeitos nem sempre se sentem comprometidos ou responsáveis pelo que fazem e dizem nesse mundo digitalizado.

Como consequência, é cada vez mais comum encontrarmos adolescentes e jovens com quadro depressivo, transtornos ansiosos ou outras fragilidades socioemocionais. O SUS registrou aumento de 52% nos atendimentos ambulatoriais de depressão, de 2015 a 2018, na população entre 15 e 29 anos. E de acordo com a Associação Brasileira de Psiquiatria, 20% a 25% da geração atual desenvolverão depressão ou ansiedade ao longo da vida. O cuidado com essa juventude é responsabilidade social, devendo ser compartilhada entre escola, família e redes de atendimento.

Mas como criar um ambiente escolar que disponibilize aos estudantes oportunidade de escuta qualificada, acolhedora e segura? De que maneira se pode preparar profissionais da educação para acolher alunos em situação de fragilidade socioemocional?

As Instituições de ensino podem responder a esses desafios em duas frentes: prevenção e acolhimento. Capacitar um time profissionais, entre os já contratados, para desenvolver um plano com ações preventivas, inserida na rotina acadêmica, envolvendo alunos e famílias, com foco em temas que sejam necessidades locais.

Na frente do acolhimento, durante o ano letivo, esse grupo já capacitado se dispõe a acolher, ouvir e orientar estudantes, famílias e até mesmo outros profissionais que são procurados com pedidos de ajuda, mas não sabem como agir. A partir da acolhida, de acordo com a necessidade de quem demandou auxílio, orientarão aluno ou família a procurar profissionais que possam realizar atendimento adequado em clínicas especializadas.

Pensar o cuidado dessa forma gera oportunidade para estudantes que sofrem em silêncio e solitariamente serem notados, acolhidos e auxiliados. Já os profissionais de educação, que muitas vezes ficam em posição de passividade, passam a atuar ativamente, reduzindo a possibilidade de um estudante em fragilidade socioemocional passar despercebido no ambiente escolar.

Um exemplo desse tipo de trabalho é o Programa de Acolhimento e Valorização da Vida, o PraVida, do Sistema Fiep. Uma organização estratégica com suporte técnico para apoiar as unidades educacionais do Sesi, Senai e IEL do Paraná. Equipes de profissionais de educação são capacitadas em cada escola e unidade de educação profissional ou superior, com preparação para identificar situações de acolhimento, ouvir de forma acolhedora e orientar para encaminhamento qualificado, com profissionais especializados externos à escola.

Ter um ambiente educacional acolhedor, orientado para a prevenção e com profissionais atentos é fundamental para o desenvolvimento dos estudantes. Contribui para uma educação de qualidade, que considera aspectos relacionais da formação humana e ampara a comunidade escolar.

*Texto escrito por Ederson Halair Hammes, formado em Filosofia com Especialização em Ética em Perspectiva (PUC-PR), é analista de Educação do Sistema Fiep. O Sistema Fiep colabora voluntariamente com o Instituto GRPCOM no Blog Educação e Mídia.

**Quer saber mais sobre cidadania, responsabilidade social, sustentabilidade e terceiro setor? Acesse nosso site! Acompanhe o Instituto GRPCOM também no Facebook: InstitutoGrpcom  e Instagram: instagram.com/institutogrpcom.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.