i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Guilherme de Carvalho

Foto de perfil de Guilherme de Carvalho
Ver perfil
Análise

Educação e sabedoria em uma cultura polarizada

  • PorGuilherme de Carvalho
  • 17/07/2020 17:04
Educação e sabedoria em uma cultura polarizada
| Foto: Ilustração Felipe Lima

Em agosto de 2012 a revista Psychological Science publicou um paper que se tornou referência nos estudos científicos sobre sabedoria baseada em evidências: Aging and Wisdom: culture matters (“envelhecimento e sabedoria: a cultura importa”).

Adotando uma concepção formalizada de sabedoria, envolvendo esquemas “metacognitivos” como a incorporação de opiniões de outras pessoas, sensibilidade para mudanças, flexibilidade na resposta a conflitos, humildade intelectual, interesse pela resolução de conflitos e por acordos, e capacidade de prever resolução de conflitos, os estudiosos buscaram comparar os padrões de resposta de americanos e japoneses jovens e velhos. A ideia era checar se a diferença cultural produziria algum resultado diferente.

Os resultados foram interessantíssimos, embora não surpreendentes, dependendo do ponto de vista. Igor Grossmann e a equipe de pesquisadores descobriram que a sabedoria pessoal, manifesta especialmente na capacidade de gerenciar e superar conflitos, cresce bastante com a idade, entre americanos, mas que isso não acontece entre os japoneses. E a razão seria que jovens japoneses mostram desde cedo níveis de sabedoria similares aos de japoneses idosos.

Por outro lado, ao comparar idosos das duas culturas, a equipe descobriu que eles se equivalem na gestão de conflitos interpessoais, mas os americanos seriam um pouco melhores na gestão de conflitos intergrupais; uma hipótese para explicar isso seria a longa experiência na gestão de conflitos, que tendem a ser exacerbados na cultura americana.

As medições do grau de capacidade cognitiva, ou inteligência baseada em conhecimento, não apresentaram qualquer modificação no comparativo entre as culturas japonesa e americana; a variância detectada claramente dizia respeito aos fatores metacognitivos que sinalizam a sabedoria prática.

O resultado mais importante do estudo foi o reconhecimento de que a cultura interfere diretamente na constituição da virtude da sabedoria, e que uma cultura mais individualista e conflitiva aparentemente atrasa o processo de aquisição de sabedoria:

“Os resultados reportados aqui indicam que japoneses, cuja cultura encoraja a harmonia interpessoal, ganham sabedoria sobre conflitos sociais e como evita-los antes que os americanos. Quando pensam sobre conflitos interpessoais ou intergrupais, japoneses jovens e de meia-idade, na média, dão respostas mais sábias que os americanos.” (Grossmann et alii, 2012).

A sabedoria será enfim obtida também pelos americanos, embora mais tarde, mas isso pode envolver algum tipo de custo pessoal e social. Mas o que dizer sobre essa diferença cultural?

Educação na cultura Weird

Em ocasiões diferentes nós levantamos aqui o tema da cultura W.E.I.R.D., como a descreve Jonathan Haidt: Western, Educated, Industrialized, Rich & Democratic (“Ocidental, Educada, Industrializada, Rica e Democrática”): ao interpretar o especial do “Porta dos Fundos”, na explanação da polarização política e da “guerra civil dos sentimentos morais”, e na crítica da “ideologia dos direitos humanos”. A cultura WEIRD parece estar diretamente associada aos resultados de Grossmann.

Segundo a psicologia moral de Haidt, culturas sociocêntricas tendem a apresentar um discurso moral mais variado, com escrúpulos morais que incluem respeito a normas coletivas, como honra a autoridades, lealdade e sentido do sagrado, além das normas que enfatizam a dignidade do indivíduo. Os grandes centros urbanos ocidentais, e pessoas mais alinhadas com seus valores individualistas, teriam um discurso moral mais centrado no indivíduo, e menos comunitário.

É assim, por exemplo, que na maior parte do mundo zombar de coisas sagradas seria inadmissível, mas isso seria aceitável a pessoas de páthos WEIRD. Por outro lado, questionar a moralidade sexual de um indivíduo é admissível em culturas sociocêntricas, mas inadmissível para pessoas WEIRD.

Discutindo os resultados de Grossmann, o jornalista americano David Robson juntou os pontos, citando outros estudos que indicariam uma visão de mundo muito mais holística e interdependente entre os japoneses, com menor foco no “Self”. E testes comparando a percepção de Self de americanos e de outras culturas confirmariam o ponto:

“Em um dos mais simples testes ‘implícitos’, pesquisadores pediram a participantes para desenhar um diagrama de sua rede social, representando suas famílias e amigos e seus relacionamentos uns com os outros…
Em países WEIRD como os EUA, as pessoas tendem a representar a si mesmas maiores que seus amigos (em torno de 6mm na média), enquanto pessoas da China ou do Japão tendem a desenhar a si mesmas levemente menores que as pessoas a seu redor. Isso também se reflete nas palavras que elas usam para descrever a si mesmas: Ocidentais são mais propensos a escrever seus próprios traços de personalidade e realizações, ao passo que povos da Ásia Oriental descrevem suas posições na comunidade. Essa forma menos individualista e mais ‘holista’ de ver o mundo a seu redor pode ser vista na Índia, no Oriente Médio e na América do Sul, e há alguma evidência emergente de que pessoas em culturas mais interdependentes acham mais fácil adotar diferentes perspectivas e absorver outros pontos de vista – elementos cruciais que poderiam melhorar a qualidade do pensamento.” (David Robson, The Intelligence Trap, 2019).

Se Robson estiver correto, a cultura moral WEIRD, marca registrada do liberalismo terapêutico estadunidense, epitomizado nas políticas identitárias dos EUA mas enraizado em sua educação liberal, disseminado na cultura pop e replicado na própria religiosidade americana – em todo o “capitalismo emocional” (Eva Illouz) contemporâneo – traria, com todos os benefícios da autonomia individual, uma espécie particular de atraso cognitivo entre os jovens. Ou, para empregar a linguagem técnica do campo, um atraso metacognitivo.

Esse atraso seria um traço inevitável da socialização segundo o paradigma moral do Homo Sentimentalis, segundo venho argumentando já há algum tempo. Penso que cabe muito bem aqui o lamento de Mark Lilla, em “O Progressista de Ontem e o de Amanhã” a respeito desse sistema de produção e reprodução da retração narcisista que acomete a vida política ocidental:

“De todos os desdobramentos que discuti neste livro, o mais autodestrutivo do ponto de vista liberal é a educação baseada na identidade… A pedagogia liberal da nossa época, com seu foco em identidade, é na verdade uma força de despolitização… ao enfraquecer o “nós” democrático universal, sobre o qual a solidariedade pode ser desenvolvida, o dever, instilado, e a ação, inspirada, desfaz em vez de fazer cidadãos. No fim, essa atitude apenas intensifica todas as forças de atomização que dominam nossa época…” (Mark Lilla, The Once and Future Liberal, 2018)

Se os jovens na cultura WEIRD – que não se restringe aos EUA, segundo Jonathan Haidt, mas a todos os grandes centros urbanos e à elite cultural ocidental de hoje – vêm realmente sendo formados com menor capacidade de troca intergeracional, menos disposição comunitária e com um déficit em demonstração de sabedoria prática, há pouca esperança de despolarização política e elevação do sentido de bem comum sem uma reforma pedagógica bastante intencional.

Educar para a sabedoria

A admissão de que sabedoria é mais do que inteligência é um passo que muitos educadores ou gestores educacionais já deram. O problema é o passo seguinte: alterar nossas práticas pedagógicas e tirar a inteligência lógico-analítica do pedestal. Mesmo onde se reconhece, por exemplo, a tese das “inteligências múltiplas”, o conceito de sabedoria não recebe a devida atenção por sua dimensão de virtude moral, que faz defensores de pedagogias liberais ou libertárias torcerem o nariz.

Não seria justo colocar toda a carga sobre educadores, no entanto. O desinteresse pela resolução de conflitos e pela mediação criativa de tensões se espraia por todo o espectro político, pelo campo do mercado, pela universidade e pelo jornalismo. Trata-se de uma enfermidade crônica.

Mas o que se pode fazer além de análises pessimistas? Eu sugeriria uma série de ações possíveis para o médio e o longo prazo:

Em primeiro lugar, projetos educacionais voltados para a educação básica e a educação superior com foco na criação de capitais sociais e no bem comum. Em termos práticos, tais projetos visariam engajar a comunidade estudantil e ações cujo foco seria o melhoramento físico, psicológico e social do espaço comum. Trabalhando juntos no cuidado de suas coisas, os estudantes poderiam se aproximar afetivamente e assumir protagonismo cívico; essas condições seriam facilitadoras da sabedoria prática. A experiência revolucionária do Projeto Estudantes de Atitude, iniciada no DF pelo trabalho pioneiro de Henrique Ziller (atual Controlador Geral de Goiás), Everton Kischlat e Diego Ramalho, entre outros, é um bom exemplo do tipo de política educacional que deveria ser nacionalizada.

Outra ação importantíssima seria um projeto extracurricular de formação para a sabedoria a ser disponibilizado para os pais de estudantes do ensino básico. Essa poderia ser uma política sistemática envolvendo cooperação da Secretaria Nacional da Família, Ministério da Educação e as secretarias de educação estaduais e municipais.

Seria também interessante que a ciência contemporânea da sabedoria, como vem sendo desenvolvida no Chicago Center for Practical Wisdom, ou segundo o Berlin Wisdom Paradigm desenvolvido no âmbito do Max Plank Institute for Human Development, se tornasse categoria de formação política, sendo incorporada em programas educacionais de partidos, coletivos políticos e projetos de formação política.

O desafio da educação nas mídias sociais

Penso que um destaque especial precisa ser dado para o ambiente virtual, que evidentemente fervilha de tensões, desrespeito e confrontos inúteis – ou melhor, bastante úteis para os que se aproveitam de mecanismos de contágio social para manipular opiniões e gerar dinheiro, votos e outros dividendos.

Ambientes virtuais que concentram a conflitividade, como o twitter, são excelentes fontes de informação para a investigação científica sobre o páthos contemporâneo. Mas eis a pergunta crucial: seria possível desenvolver programas de informação e estímulo ao aprendizado da sabedoria prática, desenhados para esses ambientes, capazes de contrabalançar essa conflitividade?

Poderia o twitter deixar de ser uma ferramenta WEIRD e se tornar uma estufa para o cultivo da sabedoria?

8 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 8 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • M

    MARCIO ROGERIO DAVID

    ± 24 horas

    Excelente texto e análise perfeita.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    ALVARO JOSE JUNQUEIRA NUNES

    ± 1 dias

    Opinião isenta e equilibrada. A sabedoria é um degrau que ainda não alcançamos e que nos permitiria ampliar horizontes, estabelecer uma convivência pacífica e trazer equilíbrio para a sociedade, desde que imune a qualquer manipulação ideológica.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • I

    Isaac Zabini dos Santos

    ± 2 dias

    Parabéns pela coluna! O uso de pensadores da psicologia social é bastante interessante, ferramenta analítica pouco utilizada no Brasil!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    Destemido

    ± 2 dias

    Gostaria de saber qual o senso comunitário chinés, já que lá é tudo na base do chicote. Não fez o que a grande mortadela mandou vc é enviado para recintos sócio educativos. Estranho tema para os dias atuais. Parece que de repente os valores ocidentais são ruins e o que presta mesmo é a grande comunidade de fantoches do regime sócio totalitário...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • I

      Isaac Zabini dos Santos

      ± 2 dias

      Esse senso comunitário chinês é comum a todo o extremo oriente e surgiu muito antes do PCC...

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Rodrigo Paulinelli

    ± 2 dias

    Seu ponto de vista na associação da sabedoria e coletividade é interessante. Não quer dizer que concordo. O individualista pensa na coletividade quando esta se alinha a seus interesses. Já o coletivista se submete ao alinhamento independente de suas vontade. Todo o desenvolvimento histórico foi realizado por pessoas que mudaram o todo porque não se adaptavam a antiga ordem. Estes são os diferentes.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    Luiz Americo Lisboa Junior

    ± 2 dias

    Boa matéria, mas eu tiraria o "polarizado" do titulo. Não existe polarização alguma, apenas divergências de ideias, pois, antes o que havia era a monopolização do pensamento proporcionado por uma parcela da dita intelectualidade brasileira, que se considerava dona da verdade e da virtude. Isso acabou. A pluralidade de ideias e pensamentos só favorece a democracia e amadurece o país, mesmo que alguns daqueles quer perderam o protagonismo não se conformem e partam para agressões em vez de argumentos."

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    ELIANA PIRES DOS SANTOS

    ± 2 dias

    Ministro da Educação ouça o Guilherme de Carvalho às sugestões são boas. Respondendo ao questionamento sobre redes sociais creio que a contribuição delas só existe pir serem o que são. Intervenção manipularia. Elas são um bom termômetro e traz indicadores.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.