i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

João Frey

Foto de perfil de João Frey
Ver perfil

Reajuste dos servidores: ação eleitoreira de Ratinho pode se voltar contra ele

  • PorJoão Frey
  • 10/10/2018 17:32
Cida Borghetti (PP) e Ratinho Junior (PSD) (Foto: Albari Rosa/Gazeta do Povo)
Cida Borghetti (PP) e Ratinho Junior (PSD) (Foto: Albari Rosa/Gazeta do Povo)| Foto:

Em julho, a governadora Cida Borghetti (PP) encaminhou para a Assembleia Legislativa um projeto de lei que reajustava em 1% os salários dos servidores do governo do Paraná. No parlamento, a bancada ligada a Ratinho Junior (PSD) se mobilizou para emendar o texto e propor que os funcionários do Executivo recebessem o mesmo aumento que os do Legislativo e Judiciário. Com a perspectiva de majoração do percentual para 2,7%, o governo retirou a proposta com a promessa de reenvia-la após as eleições.

Pois bem, as eleições já passaram e o assunto está novamente sobre a mesa, mas em um contexto completamente diferente.

LEIA MAIS: Prefeito ameaça servidores e deixa claro o papel dos comissionados na eleição

Se há três meses foi Cida quem assumiu o discurso da responsabilidade fiscal e Ratinho Junior levou sua bancada a uma posição menos austera e mais alinhada com os servidores, o papel agora pode ser invertido. Qualquer aumento acima da capacidade de pagamento do estado será sentido especialmente durante a gestão de Ratinho Junior.

Ao reenviar a proposta, Cida tem duas opções. A primeira é insistir no reajuste de 1% enviado em julho. Neste caso, é improvável que a bancada alinhada a Ratinho volte a propor percentual maior. Com as chaves do cofre a partir de 1º de janeiro de 2019, o futuro governador não vai querer comprometer seu caixa com uma medida cujo principal benefício político seria colhido por Cida Borghetti.

A outra opção da governadora – bem menos responsável do ponto de vista fiscal – é mandar agora o reajuste de 2,7%. Nesse caso ela agradaria aos servidores e colocaria Ratinho na delicada situação de ter que orientar sua bancada a rejeitar a proposta ou então assumir o impacto financeiro que essa decisão teria já no começo de seu governo.

Fato é que a nova conjuntura deixa claro que ações eleitoreiras cobram seu preço. Poucos meses após defenderem um reajuste maior aos servidores, os parlamentares aliados a Ratinho podem ser obrigados a reduzir o percentual estabelecido pelo governo. Difícil será encontrar argumentos razoáveis para justificar a mudança de posição.

Colaborou: Euclides Lucas Garcia

Acompanhe o blog no Twitter. 

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.