i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

João Pereira Coutinho

Foto de perfil de João Pereira Coutinho
Ver perfil

A pornografia dos brancos

  • João Pereira CoutinhoPor João Pereira Coutinho
  • 27/10/2020 00:01
Radha Blank em cena de The Forty Year Old Version, na Netflix.
Radha Blank em cena de The Forty Year Old Version, na Netflix.| Foto: Jeong Park/Netflix

Os problemas raciais nos Estados Unidos não são para principiantes. Não são para mim. Não são para você, leitor branco, de classe média, que nunca sofreu na pele a violência da discriminação ou o paternalismo benigno, e usualmente branco, que se abate sobre os negros. Como sei disso? Porque escuto e tento aprender, sobretudo com quem tem a pele no jogo: os próprios negros.

Sobre a violência da discriminação, há incontáveis filmes, livros ou tratados. O paternalismo benigno é mais raro, até porque a classe média branca, que fatura na bilheteria ou faz carreira universitária com o sofrimento dos negros, não gosta de se olhar no espelho. E dificilmente aceitará duas obras de três artistas e pensadores negros como Radha Blank, Shelby Steele e Eli Steele.

Primeiro, as senhoras. Assisti a The Forty-Year-Old Version, disponível na Netflix, totalmente abismado com o talento da senhora Blank. Ela escreveu, interpretou e dirigiu um dos filmes do ano. É a história de uma mulher negra a caminho dos 40, de nome Radha, que foi em tempos uma promessa da nova dramaturgia. Mas os anos passaram. Radha não teve outra produção de sucesso. E também não está disponível para ser o clichê do negro que os brancos adoram, produzindo “pornografia de pobre” (palavras dela) para contentar o bolso (e a má consciência) das elites “gentrificadoras”.

O racismo, seja do bem ou do mal, é não conseguir ultrapassar a cor da pele

Antes de ser negra, Radha é uma mulher a caminho da meia idade, com os dramas inerentes a esse delicado período. Mas quem está interessado em financiar uma peça sua que não seja “pornografia de pobre”? Quem está interessado em vê-la como uma mulher de corpo e alma inteiras? Não o produtor (branco), que tem “um prazer quase erótico” com os dramas da comunidade negra.

Perante esse impasse, Radha procura reinventar-se como rapper. Não para verter na música o conhecido coquetel de violência e ressentimento. Mas para, através da música, resgatar as suas múltiplas identidades como mulher, negra, escritora, celibatária, satirista e poeta.

Eis a sutil e demolidora mensagem do filme: o racismo, seja do bem ou do mal, é não conseguir ultrapassar a cor da pele. É tentar aprisionar os negros com as correntes, reais ou conceituais, que são mais vantajosas para os brancos. Ah, a exploração, sempre a exploração!

Se Radha Blank denuncia o paternalismo branco, que dizer de What Killed Michael Brown?, de Shelby Steele e Eli Steele? A Amazon tentou remover a obra da sua plataforma de streaming. Depois de críticas mil, recuou e o filme pode ser visto. Vitória para a liberdade de expressão.

Muito modestamente, não compro tudo. Os Steele, pai e filho, regressaram a Ferguson, no estado americano de Missouri, para revisitar a morte de um jovem negro (Michael Brown, 18 anos) às mãos de um policial branco (Darren Wilson). Fato: antes de ser alvejado, Brown assaltou uma loja de conveniência e tentou agredir o referido policial. Mas, estando desarmado, será que a única forma de o imobilizar era despejando o revólver sobre o seu corpo?

Repito: não compro. Mas compro várias perguntas que Shelby Steele, ele próprio descendente de escravos e vítima da segregação durante a sua infância e juventude, vai desfiando ao longo da obra. Como explicar que a morte de Michael Brown tenha incendiado a América em 2016, mas ninguém tenha saído às ruas para protestar contra os 762 negros que foram mortos só em Chicago no mesmo ano?

Os negros, depois de todas as provações, permitiram que os seus destinos voltassem a ser decididos pelos brancos. Como resultado, ficaram novamente prisioneiros da “bondade” dos novos senhores

A resposta, imperdoável para Steele, é que esses 762 negros, na maioria, foram assassinados por outros negros. E uma parte do ativismo que domina e fatura com o “racismo sistêmico” está completamente cega para o que se passa no interior das próprias comunidades negras mais pobres.

O ponto central da obra dos Steele é que foi também essa pobreza, e não apenas o policial branco, que matou Michael Brown. Uma pobreza que se explica com a herança viciosa do passado escravocrata e segregacionista da América, sem dúvida. Mas também com a cultura assistencialista que a elite liberal branca foi impondo a partir da década de 1960, removendo toda a responsabilidade – individual, familiar, educacional e cívica – dos ombros dos próprios negros. Como se eles fossem crianças, incapazes de autodeterminação.

É uma atitude neocolonial, afirma Steele, para além de tragicamente irônica: os negros, depois de todas as provações, permitiram que os seus destinos voltassem a ser decididos pelos brancos. Como resultado, ficaram novamente prisioneiros da “bondade” dos novos senhores.

O filósofo Isaiah Berlin, recordando Kant, costumava dizer que o paternalismo é a pior forma de opressão. Depois de assistir às obras de Radha Blank e da família Steele, é difícil discordar.

Conteúdo editado por:Marcio Antonio Campos
14 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 14 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • U

    Ulisses

    ± 8 dias

    Análise honesta! É um alívio ler um texto tão equilibrado, qd, em geral, há tanta estupidez para tratar desse assunto.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    J. MOACIR

    ± 9 dias

    Concordo plenamente com o comentário - do Paulo - abaixo. Racismo se transformou em Culturalismo. Perfeita leitura do tema!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • P

    Paulão

    ± 9 dias

    Os ïnteligentinhos"especialistas, experts vem sempre com essa. Voce branco não pode falar de racismo! Se você se diz não racista, então é! e outras baboseiras do gênero. No fim citam algum outro ïnteligentinho". Que ****!!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Ana Luiza

    ± 9 dias

    Mais um filósofo que concluiu sobre o mundo após assistir uns filmes. Agora já pode apontar sua metralhadora.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    João Martins Donizete

    ± 9 dias

    Há uma contradição neste artigo: primeiro que os brancos de certa forma acorrentaram os negros com o poder e dinheiro dandos-lhes migalhas. Neste sentido os brancos seriam racistas. De outro norte os negros são os culpados por eles mesmos não andarem com as próprias pernas e se desligarem desta armadilha "branca". Depois tem uma crítica ácida contra o policial branco embora o negro tenho sido agressivo e etc. Ao revés morreram muitos negros mas não seria culpa dos brancos. Em suma, houve um distanciamento da narrativa e conclusão. Em outras palavras não houve coalescência dos fatos em si mesmos.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • W

    wilmar scoz

    ± 9 dias

    O artigo é de viés racistas com os brancos. Deixa evidente a inveja, o ódio aos branco, por serem bem sucedidos. Não gosto da cultura negra. E dai? querem me obrigar a gostar? Por que os negro sempre ficam se lamuriando, querendo o aval dos brancos? Ademais, por quê os negros estão sempre a depender dos brancos? Os brancos não devem nada aos negros. Cada um faz a sua historia. A Etiópia nunca fora colonizada pelos brancos, mas continua na miséria. O texto é fora da realidade, muito raso e expressa a inveja como motor das exigência. Pobre coitado!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • P

      Pedro Henrique Retto Pinheiro

      ± 9 dias

      Que texto você leu?

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Meg Litton

    ± 9 dias

    Perfeito!!!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    Luciano

    ± 9 dias

    Soberbo artigo. Me fez lembrar de um comentário que fiz certa vez entre amigos: "por que esses cineastas, atores e estúdios não repassam parte da bilheteria e de seus ganhos par aa causa negra?"

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    mup

    ± 9 dias

    Quanto mais luzes se acenderem sobre esse tema, mas saberemos distinguir o que é causa e o que é efeito. Do mesmo modo, saberemos separar o joio do trigo. Muita coisa será entendida como mera forma de explorar um nicho muito rico ( o famigerado conceito de racismo estrutural). Outras merecem estudo e atenção, em especial, sob o meu ponto de vista, do papel do negro e de suas responsabilidades perante sua propria comunidade e perante a sociedade. Porém, uma coisa é certa, tentar jogar brancos contra negros e vice-versa já se mostrou inútil porque divide e nunca funcionou....

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    LSB

    ± 9 dias

    Muito bom artigo. Entretanto, uma (possível) crítica: não sei de nenhum detalhe da história do Michael Brown (talvez vc saiba), mas fazer um juízo de valor com base no único fato de que o cidadão estava desarmado (e o policial, obviamente, não) também é reducionista, simplificador, empobrecedor. Um julgamento minimamente honesto tem q ter um “reconstituição” (esse tipo de evento é rápido, com todos assustados e adrenalizados, impressões falsas podem ocorrer e ocorrem, etc). Como disse, talvez vc saiba dos detalhes e, portanto, tenha formado um juízo (q o policial não teria agido da melhor maneira possível) de forma mais “fundamentada”, mas como isto não está no seu texto... abs

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    André

    ± 9 dias

    Muito bom!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • P

    Paulo

    ± 9 dias

    O problema do rascismo não passa somente pela cor da pele. E isso nem é o principal ponto de divergência. O principal problema é a aceitação (ou não) da cultura. Todos temos amigos de outra raça?? Sim, sem duvida. Todos temos amigos de outra cultura (modo de vida até) Dificilmente. Apartir do momento em que determinada raça mantem a cultura e modo de vida de seus ancestrais, o embate com a outra raça (ou cultura) está formado. E este é o principal choque que rotula-se de racismo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    Daniel

    ± 9 dias

    Muito boa a análise.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]