Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Na lista das cinquenta cidades com maior taxa de homicídio, dezesseis são brasileiras
Na lista das cinquenta cidades com maior taxa de homicídio, dezesseis são brasileiras| Foto: Leonardo Coutinho

Os números de mortes provocadas pela pandemia de Covid-19 se assemelham aos de guerras. No Brasil, ele já resvala aos 4.000 registros diários. Uma cifra confusa, pois este número não representa o dia exato do óbito, mas que não vem ao caso ser discutido. Quase sempre tem potencial para alimentar o equívoco de quem tenta tapar o sol com a peneira negando as cifras oficiais. Até o momento em que esta coluna era escrita, os cartórios brasileiros já haviam emitido 321.240 certidões de óbitos constando a Covid como causa mortis. “Ah! A pessoa estava com Covid, mas não necessariamente morreu de Covid”, alguém pode chamar a atenção. O que importa é que pessoas estão morrendo e seguirão morrendo em escala dantesca por um bom tempo. E por isso, faz todo sentido que em uma pandemia tão horrível muita gente deixe de prestar atenção em outros problemas. Faz todo sentido que seja assim.

A pior das pandemias está ocultando algumas doenças crônicas. E não se trata de diabetes, hipertensão ou outras enfermidades que estão meio negligenciadas pelo baque que a Covid-19 causou nos sistemas de saúde e na rotina de todas as pessoas. Corrupção, narcotráfico e terrorismo são doenças que nos acompanhavam antes e seguirão nos acompanhando depois. E sem tratamento adequado estão se alastrando em uma metástase silenciosa – ou nem tanto.

O gráfico abaixo lista as 50 cidades mais perigosas de 2020. O indicador usado foi a taxa de homicídios por 100.000 habitantes, o mais adequado, pois para entender a extensão e profundidade da carnificina é preciso adequá-la ao tamanho da população. Método que, diga-se de passagem, é o recomendado quando se compara países no caso da Covid-19.

Enfim, voltando ao gráfico. A lista das 50 cidades mais violentas do mundo conta com 43 latino-americanas. Fixando-se apenas nas dez líderes de assassinatos por habitantes, cinco são mexicanas, três brasileiras – Natal, Fortaleza e Belém – e duas são venezuelanas.

Statistic: Ranking of the most dangerous cities in the world in 2020, by murder rate per 100,000 inhabitants | Statista
Find more statistics at Statista

Los Cabos, no México, lidera com uma margem tão ridícula que se pode dizer que Caracas, a capital da Venezuela, divide a primeira posição do pódio das mortes violentas. Controlada pelo Cartel de Sinaloa e com presença crescente dos concorrentes do Cartel de Jalisco Nueva Generación, a violência em Los Cabos é reflexo de que a violência dos cartéis mexicanos não se restringe mais às áreas de rota de cocaína rumo aos Estados Unidos.

Aliás, de acordo com o mesmo ranking, Tijuana – um dos epicentros da violência dos traficantes mexicanos – ficou atrás da brasileira Natal e quase foi alcançada por Fortaleza, no Ceará, as duas cidades mais violentas do Brasil.

O tráfico de drogas, principalmente o de cocaína, é o vírus latino-americano. Quando Hugo Chávez estabeleceu a Venezuela como hub de exportação de cocaína para os cartéis mexicanos e organizações terroristas no Norte da África, ele originalmente transformou as Forças Armadas em uma organização criminosa para depois criminalizar o Estado inteiro. A violência que transformou Caracas no lugar mais perigoso do mundo, ao lado de Los Cabos, é uma das faces da anomia que tomou conta daquele país.

O Brasil sofre de outra maldição. Vizinho dos três produtores de cocaína, o país é o segundo mercado mundial da droga e uma das principais rotas em direção à África e Europa. Na lista das cinquenta cidades com maior taxa de homicídio, dezesseis são brasileiras. Praticamente uma em cada três. Uma tragédia que não tem as dimensões e o caráter difuso da pandemia de coronavírus, mas que vem nos acompanhando há mais de uma década e não há vacinas que indicam que irá melhorar.

A cocaína produzida pelos cocaleiros de Evo Morales, na Bolívia, e pelas FARC, na Colômbia, é a “arma” que Chávez e os cubanos usaram para robustecer as gangues centro-americanas que são uma espécie de estágio intermediário, entre os provedores na América do Sul, os operadores narcopolíticos, e os cartéis no México. A destruição da segurança pública na América Central, a violência é o elemento que agrava os efeitos da pobreza aprofundada durante a pandemia e que dá origem aos fluxos migratórios massivos em direção aos Estados Unidos.

Donald Trump se foi e o seu sucessor Joe Biden segue enfrentando o mesmo problema. Problema que antes de Trump foi do Barack Obama. A fronteira sul dos Estados Unidos é um foco de narcotráfico, tráfico humano e instabilidade. Mesmo sendo uma das mais bem guardadas, ela não é impenetrável e, justamente por isso, os esforços para rompê-la, tudo indica, não estão perto de terminar.

A lista das cidades mais violentas do mundo traz quatro americanas. Saint Louis, Baltimore, New Orleans e Detroit. Todas bem longe da fronteira sul, mas todas bem enroladas com gangues e traficantes. E como não poderia ser diferente, o tráfico de drogas é um dos ingredientes do incremento da violência nos Estados Unidos também.

No ano passado, durante a pandemia, o número de homicídios decolou nos Estados Unidos. Em uma pesquisa entre as 34 cidades mais letais da América, foi identificado um aumento médio de 30% no número de assassinatos. Em Milwaukee, no Wisconsin, o aumento foi de 95%.

As únicas cidades da lista das mais violentas que não estão nas Américas e Caribe são as sul-africanas Cidade do Cabo, Durban e Nelson Mandela Bay. Um sinal de que pelos lados de cá, as coisas andam bem feias. Feias mesmo.

19 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]