Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Chile protestos
No Chile, manifestantes entram em conflito com a polícia durante um protesto contra o governo| Foto: CLAUDIO REYES/AFP

Os protestos no Chile, marcados pelo vandalismo e violência, são tratados com parcimônia por muitos que veem a turba como a eclosão de uma rebelião popular. Uma reação à desigualdade naquele que, de longe, tem o melhor Índice de Desenvolvimento Humano da América Latina. O até então estável Chile passou a ser visto com desconfiança. Algo do tipo: por trás do melhor país da região estava adormecido uma Somália? As imagens dos protestos no país vizinho muitas vezes lembram a conturbada e sangrenta Mogadíscio.

A baderna generalizada, que ameaça um país estável e coloca o seu presidente contra as cordas, nada mais é que um golpe. Parece esquisita a definição, mas o que acontece é que quando a esquerda trabalha para derrubar um governo, o nome da manobra é revolução. Eles definiram e ensinam que golpe é um monopólio da direita – principalmente se tiver alguém fardado para ornamentar – e, de forma geral, a maioria aceita o jogo de significados.

O golpe em curso no Chile nada mais é que uma reação da esquerda latino-americana ao que mais os assombra: desenvolvimento. Mesmo passando por governos esquerdistas, os chilenos jamais abandonaram a rota do liberalismo econômico que está na base do sucesso que descolou o país do modelo regional, que vigora nas quebradas Argentina e Venezuela.

Tampouco, seria ridículo dizer que os protestos do Chile são apenas uma armação golpista. Os agitadores souberam cravar, com precisão, uma cunha na fratura da sociedade chilena. O Chile transformou-se no Chile, mas não deixou de ser América Latina. Assim como no Brasil, Argentina, Venezuela ou Peru, a esquerda chilena luta por um Estado maior. Paternalista. Um Estado do tudo grátis. E pelo que tudo indica, os chilenos também querem um estado mais protetor, ignorando como se paga a conta.

Na Bolívia, até recentemente governada pelo socialista Evo Morales, o povo ficou três semanas na ruas reclamando de fraude. Sob o comando de líderes que emergiram de organizações da sociedade civil, os bolivianos se reuniram em grupos de milhares para exigir eleições limpas e transparência nos resultados que, dias depois, a Organização dos Estados Americanos (OEA) viria comprovar que foram fraudados.

Evo Morales, então no poder e candidato a um quarto mandato, chamou os rivais de golpistas. Esperneou até o fim e nos 45 minutos do segundo tempo, quando estava sem ter para onde correr – emparedado pela OEA e pela lei boliviana que prevê cadeia para quem frauda a eleição – Morales se recolheu em seu reduto cocaleiro. Ensaiou uma rendição à vontade do povo de novas eleições, mas já era tarde. O outsider Luis Fernando Camacho que havia despontado como o principal líder das marchas populares já rezava de joelhos dentro do Palácio Quemado, a sede do governo boliviano.

Quando tudo indicava que Evo Morales seria finalmente catapultado do poder pelas mãos do próprio povo, abracadabra! Um general que sempre o bajulou e chegou ao posto de comandante das Forças Armadas fazendo juras de amor ao presidente-cocaleiro e aos seus aliados cubanos e venezuelanos aparentemente muda de lado e, em rede nacional, “recomenda” a sua renúncia do chefe.

Em uma jogada combinada ou não, o comandante das Formas Armadas deu a Evo Morales o pretexto para roubar do povo o protagonismo da revolução que o derrubaria e a transferiu para os militares que, até aquele momento não enviaram sequer um cabo e um soldado para rua, a razão de sua queda.

Não demorou muito, Morales também transmitiria pela TV a sua renúncia. Dizia ser vítima de um golpe de Estado perpetrado por seis homens com sobrepeso e desarmados que posaram para imprensa atrás de uma mesa. E não faltou quem acreditasse.

O livro Como as democracias morrem foi lido e resenhado pelas principais publicações da imprensa mundial, inclusive as brasileiras. O conceito que mais apareceu nos jornais é que diz que os golpes não mais se dão com o emprego de tanques ou militares. Governantes eleitos em situação de mais perfeita normalidade democrática, podem promover uma a destruição institucional silenciosa e paulatina capaz de corroer silenciosamente o sistema das liberdades.

Olhando o umbigo nacional, os americanos, por exemplo, não perderam a chance de escrachar o presidente Donald Trump, enquanto os brasileiros não resistiram à tentação da miragem do “golpe”. O mantra da seita lulopetista que vem desde os primeiros passos que levaram ao impeachment de Dilma Rousseff e ganhou força com a eleição de Jair Bolsonaro.

Mas, aqueles que acreditam estar na UTI da democracia brasileira parecem não terem sido capazes de enxergar um pouco além de Corumbá. Não viram o cadáver exposto e ainda esfolado e vilipendiado que estava ali bem do lado.

Em 2003, Evo Morales foi um líderes dos protestos violentos que mergulharam a Bolívia no caos institucional e levaram à renúncia do então presidente Gonzalo Sánchez de Lozada. Dois anos depois, ele viria a se eleger presidente. Assumiu no ano seguinte e iniciou uma jornada nada silenciosa para atravessar os treze anos que ficou à frente do país até a sua renúncia na tarde de domingo, dia 10 de novembro de 2019.

Desde o momento zero, Morales passou a usar suas bases sindicais e cocaleiras para enfrentar de forma violenta os opositores. Convocou uma Assembleia Constituinte que “refundava o país”, trocando nome, instituindo nova bandeira e conferindo poderes inéditos aos grupos étnicos e sindicais que compõem a sua base. Em 2007, o texto constitucional foi aprovado em uma sessão sem a presença da oposição e nas dependências de um quartel. Repito: sem oposição e em um quartel! Ninguém viu golpe.

Aliás, quem lá na Bolívia o acusou de golpista foi passar uma temporada na cadeia ou foi forçadamente morar no exterior. Estima-se em 1.200 os exilados bolivianos. A maioria deles vem dos departamentos fronteiriços com o Brasil, locais onde sempre ocorreram as maiores manifestações de resistência à marcha autocrática de Morales.

Em 2014, o cocaleiro deu mais um golpe. Anunciou-se candidato a um terceiro mandato, apesar de a Constituição prever apenas dois. O truque foi o seguinte: como seu primeiro governo se deu sob uma carta magna já extinta, ele zerou o processo. Portanto, estaria legalmente amparado para seguir no poder. Foi reeleito com apoio massivo dos movimentos indígenas e dos produtores de coca.

A empolgação foi tamanha que em 2015 convocou um referendo para consultar a população sobre o seu direito à reeleição perpétua. Mas foi surpreendido com um fulgurante não. Não satisfeito recorreu aos tribunais do país, totalmente controlados por ele para garantir o seu “direito humano” de sempre poder se reeleger.

No final de outubro, Morales se viu diante de sua própria armadilha. Foi à mais uma eleição. Quando iniciada, a apuração dos votos mostrava que ele teria que enfrentar um segundo turno. Algo inédito para um presidente viciado em vitórias de um só round.

Então, Evo Morales partiu para a mais descarada fraude. Meteu a mão nos resultados. Flagrado, seguiu o script que sempre lhe garantiu sossego. O de pobre índio vítima da elite branca racista. Mas nem os seus antigos parceiros toleram a malandragem. Muitas regiões, com população majoritariamente indígenas, que outrora sustentavam as trapaças de Morales, juntaram aos movimentos pela renúncia. Evo Morales governou por quase quatorze anos dando golpes atrás de golpes. E até quando caiu, deu mais um. Pintou de golpe a primavera boliviana.

Conteúdo editado por:Isabella Mayer de Moura
13 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]