Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
O horóscopo para 2021
| Foto:

Em fevereiro, tudo irá mudar para melhor. É o que promete o horóscopo chinês. No dia doze começará o ano do boi. Segundo um site que trata do assunto, e que foi bastante preciso sobre as agruras de 2020, este ano será de recuperação.

O mesmo site diz que em 2021 não ocorrerão eventos explosivos ou catastróficos. Portanto, o ano será também favorável para a recuperação e consolidação econômica. Algo que parece improvável, mas o fato de 2020 ter sido absolutamente horroroso, torna possível que as previsões chinesas voltem a se confirmar. Mas ser melhor, claro, não significa ser mais fácil.

A previsão vem com um alerta: “é um ano em que os problemas são resolvidos com disciplina”. Muita disciplina e esforço extra. Ou seja. Será um ano do boi. O ano dos bois de carga.

Não seria nem necessário o horóscopo chinês para nos alertar que as melhoras não virão de mão beijada. O ano do rato, que está por terminar, foi tão pestilento que suas sequelas nos acompanharão por muito tempo. Chegamos a 2021 com mais de 1,8 milhão de mortes. Um mundo redesenhado pelo medo, cujo efeito colateral mais perigoso é o affair com o totalitarismo.

As ambições do Partido Comunista Chinês foram a ponte que permitiu a peste atravessar a barreira interespécies. Saltando do morcego para nos infernizar para sempre. Mas, como se ainda fosse possível, os chineses espalharam pelo mundo algo tão contagiante quanto o vírus: a rendição diante do medo da morte. Algo extremamente humano. Profundamente humano.

Não se trata de negar o uso de máscaras, distanciamento social e as demais imposições sanitárias que se tornaram inevitáveis para minimizar a disseminação do coronavírus. Idiotices como estas atrapalharam a vida do presidente Donald Trump, por exemplo. O ponto chave é a rendição.

Este é o Ano do Boi, mas nem por isso, devemos ser tão bovinos. Juntamente com o vírus, a China exportou para o mundo uma amostra de como o povo chinês vive sob a mira do Estado.

Não é nada empírico, mas parece que há uma certa admiração para quem tem pesado a mão. E há um certo clima de tolerância às arbitrariedades. Quando o Supremo Tribunal Federal (STF) determina a aplicação de sanções para quem não tomar vacina contra covid-19 e é celebrado como o guardião as sanidades física, mental e democrática do país, há algo para se pensar.

Um ponto bastante curioso para um país que não tem vacina para todo mundo e deveria, seguindo um raciocínio básico priorizar quem mais precisa e quem quer ser vacinado. Aqueles que adiarem a escolha ou se recusarem a tomar a vacina que assumam os seus próprios riscos. Mas há quem diga que não se trata mais de uma escolha individual, pois coloca em risco a vida dos outros. Mas aí vem a questão. A vida de quem já que em tese quem aderiu à vacina já estaria imunizado.

Mas enfim. A questão não é tão simples. O Brasil venceu o sarampo e pólio sem medidas impositivas. Campanhas educativas fizeram a população aderir, praticamente de forma massiva, aos programas de vacinação.

Em 2018, uma epidemia de sarampo eclodiu na Venezuela de Nicolás Maduro. A onda de refugiados que, naquele ano, fugia do regime, levou consigo a doença para os países vizinhos, inclusive o Brasil. Em Pacaraima, cidade brasileira que é a porta de entrada dos venezuelanos, a Organização Panamericana de Saúde mantinha alguns funcionários para orientar o Brasil no manejo da crise, como se isso realmente fosse algo necessário. Empacotada por um coletinho azul com o símbolo da organização internacional, uma consultora me disse que obrigar a vacinar era uma violação aos direitos humanos. A resposta à minha pergunta veio acompanhada de uma explicação. “Ninguém pode ser obrigado a se vacinar. A melhor política é monitorar as pessoas enquanto estão aqui na fronteira para ver se há evolução dos sintomas”. Fevereiro de 2018. Parece algo tão distante. Outros tempos.

Em 2013, o venezuelano Moises Naim publicou o fundamental O fim do poder. Entre vários elementos que nos ajudam a entender como chegamos até aqui, seu livro nos fala de como o poder, tal como conhecíamos, se tornou volátil. As instituições se tornaram vulneráveis e com elas política e políticos e a própria democracia. Não necessariamente o poder havia desaparecido, mas mudado de forma e de mãos.

A China exibe números impressionantes para justificar como domou o monstro criado por ela mesma. Nas redes sociais e na imprensa não faltam pessoas encantadas com o sucesso de Xi Jinping. Entre a ficção e a realidade, os números chines só podem ser construídos por meio da força. Algo que só as ditaduras podem oferecer.

A pandemia de coronavírus mostrou que onde o governo não usou o peso de sua mão sobre as pessoas, os cidadãos reclamaram por não ter sentido o peso deste poder. Parece esquisito. Mas paulistanos se sentiram protegidos ao saber que seus dados de localização de celular poderiam servir para monitorá-los. O Google já faz, por que o governo não pode fazer para o bem geral?

No Catar, a população foi obrigada a fazer o download de um aplicativo estatal no celular. O simples fato de sair de casa para colocar lixo na rua era motivo para o sistema de rastreamento enviar um puxão de orelha para o usuário pedindo-lhe explicações das razões de ter ido até a calçada.

É evidente que a pandemia exige um esforço extraordinário das pessoas. Máscara, antisséptico, distanciamento social e a menor circulação em ambientes públicos possível. Volto a citar o erro fatal de Trump, que se tivesse tido a serenidade para recomendar o óbvio, não teria fortalecido o discurso injusto de que ele conduziu mal a resposta do Estados Unidos à pandemia.

Este será o ano da vacinação. O amplo cardápio de imunizantes traz consigo lições importantes sobre o avanço da ciência, como o mundo ainda funciona e como ele poderá vir a funcionar. Quando comparadas com as concorrentes ocidentais, as opções chinesas revelam perfeitamente como o regime que avança sobre o mundo opera. Não há transparência. Há históricos de corrupção e uma descarada cooptação das estruturas políticas, acadêmicas e de imprensa.

Não se trata de ser contra a nacionalidade de um imunizante. Mas é inadmissível a tolerância à falta de dados que comprovem que ele possa funcionar. Um comportamento bovino que deveria acender uma luz de alerta. Uma luz bem vermelha. Feliz Ano Novo.

10 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]