i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Marleth Silva

Foto de perfil de Marleth Silva
Ver perfil

<b> </b>Crônicas, ensaios e notas sobre a vida e o mundo

Pandemia

O medo testa o caráter

  • Marleth SilvaPor Marleth Silva
  • 15/05/2020 08:59
O medo testa o caráter
| Foto: Arte: Felipe Lima

Quando uma partícula intrometida e não identificada se alojou no céu da boca e me obrigou a tossir para expulsá-la, meu cérebro disparou o alarme e me pus a traçar uma estratégia. Se aquela tosse era sintoma de covid-19, eu precisava agir para proteger os meus. Usar máscara dentro de casa até ter o diagnóstico, me afastar deles... O que mais? O trabalho mental foi interrompido pelo meu filho. O som da minha tossezinha seca desencadeou nele a mesma reação que havia desencadeado em mim: medo e uma necessidade urgente de proteger.

“É só uma tosse, algo na faringe...” – expliquei.

Meu filho continuou parado na porta. Naquela tarde, ele tinha trabalhado atendendo o público. “Tenho medo de trazer o vírus pra você e pro meu irmão, mãe.”

O que ele deve fazer? Demitir-se? E ficar até quando dentro de casa, sem fazer nada? Aos 21 anos!

Tenho 53 anos, nenhum problema de saúde, o peso é maior do que eu gostaria, mas nada que exija cuidados. Nem um momento me passa pela cabeça que a epidemia seja uma ameaça para minha sobrevivência. Mas é uma ameaça para a minha felicidade, para minha sanidade, por causa dos meus filhos, ambos portadores de doença respiratória crônica.

Vejo muitas pessoas na mesma situação que eu. Não somos as presas preferenciais do vírus, mas as pessoas que amamos estão cercadas por uma linha imaginária vermelha que as destaca sem as proteger: grupo de risco.

***

O filósofo alemão Peter Sloterdijk fala em “coimunidade”, um compromisso individual com a proteção mútua. Eu me cuido por eles, eu me cuido por você. Esta é a nova maneira de estar no mundo. Ou pelo menos é assim que tem que ser.

***

Também é de Sloterdijk uma tentativa de resposta interessante à questão: o mundo pós-pandemia será diferente?

Quando penso nesta pergunta, desejo que a resposta seja sim. Que a força do consumismo e a velocidade da vida contemporânea diminuam, abrindo brechas no materialismo, gerando uma mentalidade mais generosa. Mas vejo a superficialidade e o consumismo tão arraigados no espírito dos nossos dias que é difícil acreditar que irão embora.

Sloterdijk é mais otimista. Ele diz que o mundo hoje é uma gigantesca esfera de consumo que se mantém graças a uma “atmosfera frívola” que todos nutrem sem grande resistência. Para desejar acima de tudo consumir, ainda que isso signifique sacrificar nosso tempo, nossos valores e nosso planeta, temos que ser frívolos. “O vínculo entre a atmosfera frívola e o consumismo foi rompido. Todo o mundo espera agora que esse vínculo volte a ser reconectado, mas vai ser difícil. Depois de uma disrupção tão grande, o retorno aos padrões de frivolidade não será fácil” ele disse em entrevista ao El País.

***

Como encarar uma ameaça global e não aprender nada? Como não interpretar uma pandemia e suas consequências como sinal de que algo está fora de ordem?

A expectativa de mudanças após a pandemia está em toda parte. Manifesta-se mais na Europa do que no Brasil, talvez porque lá a experiência do isolamento social tenha sido mais forte. Aqui, muitos que podem se isolar tentam viver como se nada estivesse acontecendo e outros tantos não têm a possibilidade de ficar em casa. Aqui, vivemos em mundos paralelos que se chocam, mas não se misturam.

A espera por alguma transformação se explica pelo gigantismo do que estamos vivendo. Como encarar uma ameaça global e não aprender nada? Como não interpretar uma pandemia e suas consequências como sinal de que algo está fora de ordem, de que algo na forma como vivemos precisa ser revisado e reparado? Ou, visto por outro ângulo, como não reagir a uma ordem social que sacrifica tantos?

**

Um dos meus autores favoritos, o turco Orhan Pamuk, trabalha há quatro anos em um romance sobre o surto de peste bubônica que atingiu a Ásia em 1901. O título do livro será “Noites de Peste”.

Pamuk conta que, em livros de história e de literatura, encontrou semelhanças nos relatos de epidemias, por mais distantes que estejam uns dos outros no tempo e na geografia. “A resposta inicial para o aparecimento de uma pandemia sempre foi a negação. Autoridades locais e nacionais sempre foram lentas para reagir, distorceram fatos e manipularam dados para negar a existência do problema”, ele escreveu em um artigo para o New York Times. Um exemplo citado por ele está no livro “Os Noivos”, de Alessandro Manzoni, publicado no Brasil por várias editoras ao longo dos anos: o governador de Milão ignora a peste bubônica e mantém a festa de aniversário que oferecerá ao príncipe, juntando convidados, empregados e pulgas contaminadas em uma orgia sanitária.

***

Quanto à população, Pamuk nota que os registros históricos e literários identificam duas reações recorrentes: a revolta contra o destino que submete uma geração ao terror que surge do nada (“por que agora?”, “por que comigo?”) e a disposição para acreditar em rumores e notícias falsas.

Com tanta facilidade que temos hoje para nos informar, rumores e notícias falsas poderiam não vingar. Mas vingam e prosperam. A força da mentira revela outra característica do nosso tempo: a disposição para apenas ler e ouvir aquilo que se encaixa na nossa visão de mundo, a levar a sério só a informação que poupa aqueles em quem confiamos e desmerece os que já eram nossos inimigos.

***

Muitos estão fazendo sacrifícios, estão empenhados em ser firmes, alguns trabalham mais do que nunca, alguns doam mais do que jamais haviam doado, alguns dão vazão à generosidade e se sentem mais fortes assim

Pamuk observa com lucidez: neste ano de 2020, nosso medo é alimentado menos pelos rumores e mais pela informação precisa a que temos acesso. Quando olhamos um mapa salpicado com bolinhas vermelhas que indicam a presença do vírus, quando vemos gráficos com linhas que apontam para o alto, como para um céu sem limite, não temos para onde correr.

O medo pode levar ao cuidado ou à negação.

O medo testa o caráter. Muitos estão fazendo sacrifícios, estão empenhados em ser firmes, alguns trabalham mais do que nunca, alguns doam mais do que jamais haviam doado, alguns dão vazão à generosidade e se sentem mais fortes assim. Em tempos estranhos, é melhor olhar na direção dessas pessoas porque é lá que está a luz.

5 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 5 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • F

    Felipe S

    ± 5 dias

    Texto lúcido. Muito bom.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • A

      ALVARO JOSE JUNQUEIRA NUNES

      ± 6 dias

      Da Marleth só se podem esperar crônicas sábias, positivas e num texto que remete ao otimismo. A superficialidade e o consumismo podem ser vírus até mais prejudiciais do que o Covid, estão arraigados na sociedade. Mas serão apenas os insanos que não irão tirar qualquer aprendizado desta epidemia. O que se pode esperar é que o planeta como um todo passe por uma iluminação, uma elevação, uma regeneração. É bom refletir que todos somos um.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • P

        Pedro tenvia

        ± 6 dias

        Neurose, pânico, isolamento, psicoses, matam mais que qualquer vírus.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • P

          Patrick

          ± 7 dias

          Bonito texto!

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • E

            EDUARDO SERGIO DA COSTA NEGRAO

            ± 7 dias

            Excelente artigo. Parabéns

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            Fim dos comentários.