i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Pedro Menezes

Foto de perfil de Pedro Menezes
Ver perfil
Inflação

Imprensa profissional revela amadorismo na cobertura do IPCA

  • Pedro MenezesPor Pedro Menezes
  • 13/01/2021 14:32
IPCA fechou 2020 em 4,52%
IPCA fechou 2020 em 4,52%| Foto: Pixabay

Meu último texto de 2020 defende um retorno aos assuntos chatos, aqueles que realmente podem mudar o Brasil. Vejam vocês a coincidência: na terça-feira, dia 12, o IBGE divulgou os dados finais da inflação oficial (IPCA) em 2020 – informação tão entediante quanto importante. Não consigo resistir à tentação.

A imprensa cobriu mal o tema, como é de costume. Ninguém liga muito pra essas chatices – só os economistas, que são chatos. Mas vamos lá.

Vejamos, por exemplo, a manchete recém-publicada pelo G1: “Inflação oficial fecha 2020 em 4,52%, maior alta desde 2016”. O subtítulo ressalta que a inflação “ficou acima do centro da meta pelo segundo ano seguido”. O que de fato aconteceu pelo segundo ano seguido foi o mesmo erro conceitual e a mesma análise nonsense que o G1 já tinha publicado na notícia sobre o IPCA de 2019.

O erro conceitual, no caso, consiste em tratar a meta de inflação como um intervalo que tem teto, centro e piso. Na verdade, a meta é aquilo que G1 e muitos veículos chamam de “centro da meta”. A meta é um valor único e pontual – igual a 4% em 2020. Não existe teto, nem piso. A fonte não sou eu, mas o próprio Banco Central. Clicando nesta frase, o leitor pode acessar a página do site do BC que explica as metas de inflação. Clicando nesta outra frase, o leitor acessará a página que resume o histórico do regime de metas. Não há qualquer menção à meta como um intervalo, nem a pisos e tetos.

A partir do conceito correto, não faz sentido ressaltar que a inflação “ficou acima do centro da meta (sic) pelo segundo ano seguido”. Quando a meta é pontual, ao invés de intervalar, nota-se que o objetivo do Banco Central não é acertar exatamente a meta, mas se aproximar dela. Nesta perspectiva, o que deveria ser destacado em 2019 e 2020 não é a pequena e natural diferença entre inflação e meta, e sim a proximidade entre os dois números.

O caso de 2019 é ilustrativo. A inflação fechou em 4,31% num ano com meta de 4,25%. A distância em relação à meta foi mínima, apenas 0,06 pontos percentuais – a segunda menor distância desde 1999, quando o Banco Central passou o operar sob este regime. Em 2020, a distância foi de 0,52 pontos percentuais, quinta menor desde 1999. Por sinal, 2018 teve uma inflação 0,75 pontos percentuais abaixo da meta, a sexta menor da história. É muito provável que 2018-20 tenha sido o triênio com maior previsibilidade de preços na história do Brasil. O G1, com seu estranho critério, prefere destacar que 4,31% é diferente de 4,25%.

Se o teto e o piso não fazem parte da meta, o que esses números significam? É simples: caso a inflação fique acima do teto ou abaixo do piso, o presidente do Banco Central precisa enviar uma carta ao Congresso explicando o que ocorreu. Esse intervalo é conhecido como “bandas de tolerância”. Analisar este ponto é interessante porque revela a origem histórica do erro do G1 e um curioso duplo padrão na comparação com as manchetes dos tempos de PT. Porém, ter uma inflação dentro das bandas não significa que o regime de metas está sendo cumprido.

Nos cinco anos entre 2010 e 2014, a inflação variou entre 5,81% e 6,5%. Bem acima da meta de 4,5%, que se manteve inalterada durante o período. Era evidente a qualquer analista: governo e Banco Central mudaram a meta de inflação ao redor de 6%, mas não quis contar pra ninguém.

Restou o caminho da distorção conceitual. Para defender o próprio viés inflacionário, Dilma e equipe transformaram o teto da banda de tolerância em teto da meta. A propaganda governista transformou ponto em intervalo. E o que fez a imprensa profissional, aquela que supostamente se diferencia por diferenciar informação e propaganda? Endossou a propaganda governista sem qualquer senso crítico.

É isto mesmo, caro leitor. Numa pesquisa pela cobertura do G1 sobre o IPCA, descobri que o erro conceitual acima destrinchado não aparece na notícia sobre o IPCA de 2010. O destaque para a inflação abaixo do teto da meta começa na manchete sobre o IPCA de 2011: “Inflação fecha 2011 em 6,50%, no teto da meta do BC”.

Ao noticiar o IPCA de 2013, o G1 destacou uma inflação de 5,91% como “dentro do teto da meta do Banco Central” – o significado obscuro de “dentro do teto da meta” evidencia certa falta de intimidade entre jornalista e pauta . A notícia do IPCA de 2014 repetiu a dose com a seguinte manchete: “Inflação fecha 2014 em 6,41%, abaixo do teto da meta”. Qual teria sido o destino do país se o suposto jornalismo profissional tivesse combatido a desinformação do governo Dilma sobre as metas de inflação, ao invés de endossar?

Cabem outras perguntas: por que as taxas de inflação de 2019 e 2020, excepcionalmente próximas da meta, são destaques por estarem acima do “centro da meta”, enquanto o persistente viés inflacionário sistemático era descrito como “dentro da meta” e “abaixo do teto”?

O duplo padrão é evidente. Há aí alguma má vontade com o governo Bolsonaro, mas destacaria outros elementos, como puro e simples despreparo. Desconfio também que Dilma desmoralizou o termo “teto da meta”, e por isso a referência mudou para o centro. A expressão mudou, mas as ideias erradas seguiram no pano de fundo.

Uma das consequências indesejáveis desse amadorismo são os debates que deixam de ocorrer. O regime de metas de inflação nunca funcionou tão bem no Brasil quanto nos últimos 2 ou 3 anos. A inflação próxima da meta se soma à taxa de nominal de juros em seu menor valor histórico. Tudo isso em anos marcados por pandemia, déficit primário recorde e outros choques.

Um debate mais profundo revelaria muitas das pouco comentadas virtudes do teto de gastos. Confio que esse aprofundamento do debate virá algum dia, no futuro. Até lá, me resta escrever colunas como esta, sempre em defesa de causas tão chatas quanto o caráter pontual das metas de inflação.

14 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 14 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • S

    SILVESTRE ANTONIO SCHMITT

    15/01/2021 14:26:46

    Boa análise. Este é o caminho, destruir notícias e opiniões equivocadas com bons argumentos e não com xingamentos.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • W

      William

      14/01/2021 18:53:16

      Análise sensacional!!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • J

        Jorge Carvalho

        14/01/2021 0:52:56

        Muito obrigado pela aula. Triste nossa mídia tupiniquim....

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • E

          EDUARDO SABEDOTTI BREDA

          13/01/2021 22:55:59

          Excelente análise. O que o G1 fez não é incompetência, é má-fé pura, ideologia.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • S

            SERGIO RODRIGUES MARTINS

            13/01/2021 22:36:43

            Excelente análise! Parabéns!

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            • S

              Simone Barbosa

              13/01/2021 22:01:26

              A crítica quanto ao duplo padrão do G1 é valida, porém, minimizar a alta da inflação num ano tão difícil, com o Brasil empacado nas reformas, desemprego alto, é no mínimo um desserviço ao Brasil. O governo deve ser cobrado! Pelo jeito, o colunista não gasta mais da metade do salário com alimentação pra sustentar a família, por isso não sentiu os efeitos da inflação acima do centro da meta.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              2 Respostas
              • B

                Beto Burke

                14/01/2021 0:29:53

                O foco do artigo é a informação do fato. Qual fato? O fato é a divulgação desse índice. Ninguém está dizendo se é baixo, alto, certo ou errado.

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

              • E

                EDUARDO SABEDOTTI BREDA

                13/01/2021 22:53:26

                Como se o IPCA representasse a real inflação. O IGP-M aproximou-se de 25%, sendo um índice que melhor reflete as variações de preços. De qualquer forma, importa a inflação de cada um, que varia conforme o consumo de cada família. Terminamos 2020 mais pobres, isso é fato. Mas querer que site da Globo analise os fatos de forma honesta é ilusão.

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

            • A

              Aristóteles de Aleluia Júnior

              13/01/2021 21:53:10

              Belo texto. Simples e bastante didático.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              • J

                João Martins Donizete

                13/01/2021 21:02:37

                O jornalista quanto ao G1 foi muito elegante em dizer que houve um erro conceitual da meta da inflação e etc. Todavia, ele mesmo depois disse que há um duplo padrão nas mesmas reportagens de hoje e de outrora. Em suma: não houve erro. Houve sim má vontade de publicar a notícia como ela deveria ser de fato. Mas, a ideologia falou mais alta. Simplesmente assim. Por isso a dita mídia mainstream perde credibilidade dia após dia. O jornalista tem que expor os fatos tal qual ele é e não fazer proselitismo político, e mais ainda desonesto disfarçado de alguém erro conceitual. Portanto, o Articulista está de parabéns de por o dedo na ferida, inobstante com excesso de cautela.

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

                • N

                  Niva Alice de Oliveira Barbosa Guedes

                  13/01/2021 19:56:46

                  Um texto interessante que informa sem apresentar um viés ideológico!

                  Denunciar abuso

                  A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                  Qual é o problema nesse comentário?

                  Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                  Confira os Termos de Uso

                  • L

                    LSB

                    13/01/2021 23:28:43

                    Considere o centro, ou considere a faixa, o fato que nossa meta é alta demais para um país sério! Perto do nosso histórico, temos “céu é de brigadeiro“, eu sei; MAS ainda assim nossa inflação é alta para padrões minimamente civilizados. Armínio Fraga, ainda no início dos anos 2.000, tinha como meta 3,5% ao ano que seria alcançada em 3 anos. Mas veio o apagão, e depois o efeito “Lula/contra tudo que está aí” e, enfim, o governo PT (pouco ligando para a inflação). Em suma, passou da hora do Brasil ter inflação “decente”. Aqui há SEMPRE PRESSÃO PARA ABAIXAR JUROS antes da hora e ERRAR PARA MAIS na inflação e nunca para menos (2020: de estimativas de 2%, vamos ter 4,5% e acima do centro da meta)

                    Denunciar abuso

                    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                    Qual é o problema nesse comentário?

                    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                    Confira os Termos de Uso

                    1 Respostas
                    • L

                      LSB

                      13/01/2021 19:55:48

                      Deveríamos ter aproveitado a “oportunidade” e abaixado o centro da meta e seus limites. Por ex.: podia baixar p/ 2,5% ou 3% - já que havia projeções abaixo disso - e margem de tolerância de 0,75% ou 1%.... Os juros de curto prazo não iriam a 2%? Não, mas os juros no Longo estariam muito mais baixos! No geral, seria melhor para a economia (considere as dificuldades que o Tesouro está enfrentando e vai enfrentar na rolagem da dívida). No mais, (1) quer estimular a economia? Reformas ao invés de usar “anabolizantes” (juros baixos e expansionistas) e; (2) não faz sentido alguém querendo emagrecer 60 kg em 1 ano, após 6 meses de regime, descobrir q perdeu 50kg e, portanto, resolver engordar 20kg.

                      Denunciar abuso

                      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                      Qual é o problema nesse comentário?

                      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                      Confira os Termos de Uso

                  • F

                    FERNANDO LUIZ POZZOBON

                    13/01/2021 18:40:09

                    O assunto não é chato não para aqueles que querem entender de economia. Parabéns pelo texto.

                    Denunciar abuso

                    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                    Qual é o problema nesse comentário?

                    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                    Confira os Termos de Uso

                    Fim dos comentários.