Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
O que esperar do plano Pró-Brasil?
O que esperar do plano Pró-Brasil?| Foto: Cristino Martins / Agência Pará

É difícil avaliar os méritos do Plano Pró-Brasil, dado que boa parte das informações oficiais sobre o projeto se resumem a 7 slides que parecem feitos pessoalmente pelo ministro Braga Netto e uma entrevista coletiva com poucos dados concretos, mas muita simbologia política, dada a ausência de Paulo Guedes. Até agora, sabemos apenas que o governo federal pretende gastar mais em infraestrutura.

Uma pergunta vem à mente: o que acontece com o teto de gastos? Paulo Guedes não parece disposto a revogar a emenda constitucional aprovada por Temer. Uma alternativa, cujo método é levemente dilmista, seria incluir as obras como parte das despesas extraordinárias para conter a pandemia, pois o estado de calamidade dispensa o cumprimento das regras fiscais. Mas a caneta do Tesouro Nacional, sob controle de Guedes, terá que aprovar cada despesa. O ministro da economia se vende como inabalável defensor do rigor fiscal e não abre mão disso.

Rogério Marinho, promovido a ministro após o sucesso na reforma da previdência, voltou-se contra o ex-chefe e tem questionado o fiscalismo de Paulo Guedes. Segundo informações da CNN, Marinho pede que o Pró-Brasil receba um reforço maior, que poderia superar R$ 180 bilhões. Caso ele tenha sucesso em sua iniciativa, será muito difícil manter o teto de gastos em vigor e Paulo Guedes no governo.

Esse já é um ponto suficientemente importante para o próprio governo. Com os primeiros pedidos de impeachment já aparecendo, Bolsonaro aguenta perder seu ministro mais importante? A instabilidade política decorrente da queda de Guedes faz parte do impacto econômico do Pró-Brasil.

Outro obstáculo ainda maior está na própria eficiência dos gastos. Diversos planos de expansão dos investimentos em infraestrutura deram errado no Brasil por conta de desafios macro e microeconômicos que ainda não foram resolvidos. Do que adianta gastar se esses problemas seguem em aberto?

Desafios da situação brasileira

O desafio macroeconômico consiste em manter a taxa de juros e a dívida pública sob controle. Uma elevação da taxa de juros esperada no longo prazo prejudicaria o esforço de retomada econômica e a atração de investimentos privados. Gastar bilhões sem se preocupar com a percepção do risco fiscal pelo mercado seria repetir erros do passado.

O desafio microeconômico é ainda mais difícil. O economista Claudio Ferraz aponta, por exemplo, os incentivos políticos para que governadores e prefeitos desviem para outros fins as verbas destinadas à infraestrutura.

A dificuldade de fazer projetos executivos críveis para obras de infraestrutura é um problema recorrente no Brasil. De acordo com um levantamento do TCU, 70% das obras paradas estão nesta situação por erros técnicos ou desistência da empresa responsável. Como as obras do Pró-Brasil pretendem lidar com essa questão? Eis uma resposta que ainda não conhecemos.

Não faltam oportunidades para estimular a economia através de obras públicas. O saneamento público brasileiro é uma lástima e investimentos nesta área certamente trariam ótimo retorno social. Idem para o transporte de cargas e pessoas – da mobilidade urbana às ferrovias, sobram projetos com bom potencial.

O Estado brasileiro é capaz de planejar investimentos em infraestrutura com bons projetos, alto retorno, capacidade de estimular a economia e concluir as obras no prazo previsto? Certamente esta é uma possibilidade, mas não se trata do cenário mais provável.

Dada a história recente do país, afirmar que o Pró-Brasil será exitoso é como afirmar que há Emmanuel Macron e Angela Merkel estão sambando na porta da sua casa enquanto você lê este texto: não é fisicamente impossível que isso esteja ocorrendo, mas você sabe que é improvável porque eles jamais sambaram na frente da sua casa anteriormente. Alegações extraordinárias exigem evidências extraordinárias.

Para convencer alguém de que o Pró-Brasil será diferente de outros projetos que já fracassaram com as mesmas intenções – como o PAC –, o governo precisa apresentar evidências extraordinárias. Os 7 slides apresentados por Braga Netto na semana passada representam, se muito, politicagens ordinárias, platitudes que sempre estiveram presentes nos discursos de Brasília.

13 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]