i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Roberto Indech

Foto de perfil de Roberto Indech
Ver perfil
Vozes

Vamos para a taxa de juros mais baixa da história

  • Por Roberto Indech
  • [03/08/2020] [20:15]
Mercado espera novo corte da Selic
Mercado espera novo corte da Selic| Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Na próxima quarta-feira (5), o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central deve cortar novamente a taxa de juros no país, para 2,0% ao ano. É isso, pelo menos, o que indica a maioria dos economistas de mercado segundo o Boletim Focus, divulgado às segundas-feiras pela manhã, em um relatório compilado de perspectivas para os indicadores do Brasil. Além disso, há expectativa de que este seja o último corte na Selic da série que começou meses atrás. O número representa algo inimaginável na cabeça dos brasileiros se lembrarmos onde estávamos há menos de três anos, com taxa de juros de dois dígitos.

Um aspecto importante de todo o processo é que a Selic baixa poderá ser prolongada por muitos meses, a depender, em especial, do cenário fiscal do Brasil ou de uma eventual retomada da inflação. Para este ano, espera-se que o IPCA encerre dezembro em 1,6%. Já no cenário fiscal, há grandes preocupações diante dos gastos necessários do governo em meio à pandemia do novo coronavírus e negociações que estão em curso no Congresso Nacional para flexibilizar o teto de gastos.

Como já sabe grande parte da população, a regra da poupança estabelece a ela rendimento de 70% da Selic, iria então para 1,4% ao ano. Mais um ponto bastante discutido é que muitas outras taxas do setor bancário parecem ainda não acompanhar o ritmo de redução da Selic na medida que a população e o governo desejam para impulsionar a retomada da economia. Um exemplo claro está nas taxas de financiamento imobiliário.

Nos bancos públicos, por exemplo, ela está atrelada aos juros, algo próximo de 6,5% ao ano. Nas instituições privadas, a taxa alcança o mínimo de 7% ao ano em algumas modalidades. Menciono isso até por questões de comparação com fundos imobiliários, pensando em custo de oportunidade sobre investimentos no modelo físico tradicional ou nos ativos negociados em bolsa. Por essa razão, sugiro levar em conta vários aspectos antes de investir dadas as perspectivas futuras: imobilização dos recursos, expectativa de valorização, recebimento de dividendos e/ou aluguel, burocracia, entre outros. Não estou aqui para dizer invista em “x” ou “y”, mas para orientar que seja ainda mais racional neste momento.

Levanto aqui mais um ponto interessante nesse momento de juros baixos e que vai para a turma do “a renda fixa morreu”. No mês de julho, em meio ao cenário de perspectivas futuras, alguns dos títulos do Tesouro Direto, como o atrelado à inflação, medido pelo IPCA, apresentou rentabilidade de dois dígitos em seus vencimentos mais longos. Isso ocorre por serem mais “sensíveis” a mudanças bruscas nas expectativas. No entanto, não recomendo e nem estimulo realizar operações de curto prazo nestes títulos, mas é importante observar que eles trazem oportunidades para quem está atento ao dia a dia dos investimentos. Mesmo ainda na renda fixa, muitos gestores de crédito privado seguem informando que alguns ativos tem sido encontrados com taxas bem acima da normalidade nos últimos meses em meio à crise econômica.

Mais um item importante atrelado aos juros se refere à continuidade de crescimento de novos investidores em bolsa, o que já tenho discutido aqui nas últimas semanas. É cada vez mais evidente que o brasileiro terá que correr mais riscos se quiser buscar rentabilidade maior para sua carteira no curto e médio prazos. Com Selic em 2%, nos próximos meses deveremos ter uma enxurrada de pequenos investidores trazendo parte de suas aplicações ou de sua renda para a bolsa. Com uma melhor acessibilidade, mesmo para aqueles de baixa renda, e com discursos mais simples encontrados nas redes sociais, vislumbro milhares de novos entrantes ainda num curto espaço de tempo. Só recomendo a todos que tenham suas referências, como analistas e especialistas, e que estes tenham responsabilidade para “abraçar” os calouros no mercado.

Por fim, acredito que será muito importante para o país ter essa “bandeira” de juros baixos, apesar de alguns citarem que não somos um país desenvolvido para manter a Selic tão baixa quanto em 2% ao ano. Ficar neste patamar poderá desencadear uma série de situações positivas, como o incentivo ao empreendedorismo e portanto, à economia. O que o brasileiro menos deseja neste momento é voltar ao patamar ao qual estávamos acostumados. Que este novo, mais baixo, tenha vindo para ficar e com as saúdes fiscal e inflacionária sendo acompanhadas de perto, para não perdermos mais uma década.

4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]
Tudo sobre:

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 4 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • S

    STF

    ± 3 dias

    Como seria no se esse juros baixo realmente chegasse nas empresas e nos consumidores.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • N

    Nitrato

    ± 3 dias

    O cidadão precisa se livrar dos bancos. Pagar à vista: tem, compra; não tem, não se endivida! Regra básica para acabar com a farra dos bancos: viver para pagar a comida e viver com o padrão mais baixo possível. Os bancos querem o cidadão endividado, pedindo clemência para o gerente, que libera o empréstimo como se fosse um favor. Quem já caiu nesta e aprendeu, nunca mais. Nada de financiar imóvel, aluga. Nada de financiar carro, uber. Simples a coisa.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Anderson

    ± 3 dias

    E o povo pagando 7% em empréstimo imobiliário e mais de 5 no dólar, que tristeza vendo muitos defendendo essa política cruel do governo Bolsonaro, povão só se ferra

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    FABIO

    ± 4 dias

    só a Selic é baixa... nos bancos não mudou nada. Alias, mudou sim, estão ganhando muito mais! deveria haver um limite de spread bancário.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.