Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Crumble de peras e maçãs recheado de reflexões
| Foto: Bigstock

Quer só a receita? Role o cursor até o fim do texto. Porque eu pensei em um balanço para o primeiro post do ano. O pior é que eu já havia escrito e meu computador disse adeus. Foi triste. Nada em comparação ao que passamos. E não dá para não falar.

Que ano. Fomos ameaçados. Sentimos medo. Trabalhamos sem sair de casa e isso foi bom. Idosos em isolamento envelheceram mais rápido. Fomos ao supermercado de máscaras e evitamos esbarrar ou chegar muito perto de qualquer pessoa.

Verdades

Cozinhamos mais. Finalmente, começamos a valorizar de fato quem planta e o que colhemos perto de casa. E fizemos ou assistimos a muitas “lives”.

Reaprendemos a lavar as mãos de verdade e não sair sem máscaras, enfim, nos adaptamos. A pandemia mostrou nossas fragilidades. Ficou tudo evidente.

Voltamos a sorrir um pouco com Biden no governo norte-americano e o enfraquecimento da extrema-direita nas eleições. A ciência e a cultura são essenciais, mesmo que o nosso governo ignore isso. O problema ambiental é sério, mesmo que quem acha que a terra é plana duvide disso.

Fome

Vimos nascer um novo voluntariado para ajudar quem ficou sem comida. Chefs se mobilizaram. O setor da alimentação fora do lar sofreu. Muitos fecharam. Muitos se reinventaram. Entendemos bem o que significa “delivery” e “dark kitchen” na prática.

Tendências

Em pauta, com certeza, está o artesanal e as relações humanas verdadeiras. Ser autêntico ganhará cada vez mais força e nem vai precisar de marketing ou influenciadores para contar.

Expressar o local é regra. Histórias bem contatas vão impressionar. Ser sustentável – conservar, cuidar, não destruir a natureza – é a filosofia e imperativo. Consumo consciente é mais do que necessário.

Futuro

Emicida cantou ao lado de Pablo Vittar e Majur a música “Sujeito de sorte” do Belchior: “tenho sangrado demais, tenho chorado pra cachorro. Ano passado eu morri, mas esse ano eu não morro”. É o documentário AmarElo. Corra ver. Está no Netflix. Cantei junto em meio a desesperança com as mortes pelo covid-19, desigualdade social, preconceitos e injustiças. Será que conseguiremos mudar?

A receita

O blog mora no Bom Gourmet, então mais reflexões para outros colunistas, vamos para a receita. Caseira e bem simples: farofa de pera e maçã – a famosa chamada crumble. Para começar o ano com leveza doce.

Crumble de peras e maçãs

Autor desconhecido, retirado de caderno de receitas da famíllia
Tempo de preparo30 minutos
Rendimento6 pessoas
Preparofácil

Ingredientes

  • Para a farofa:
  • 1 xícara de farinha de trigo (ou um pouco mais se necessário para ficar no ponto de farofa)
  • 100g de manteiga
  • 1 xícara de açúcar mascavo
  • Para o recheio:
  • 2 peras grandes
  • 2 maçãs grandes
  • 1/2 xícara de açúcar
  • 1/4 de colher de chá de canela

Modo de preparo

  1. Descasque as peras e as maçãs, retire o miolo e corte em fatias (tem um cortador em forma de flor que é ótimo para isso)
  2. Cozinhe as frutas juntas numa panela grande tampada, em fogo moderado durante 10 minutos (se estiver muito seco pode colocar um pouquinho de água)
  3. Junte o açúcar demerara e a canela, mexa bem e tire do fogo.
  4. Unte uma fôrma refratária com manteiga e coloque as frutas.
  5. Misture a manteiga com o açúcar mascavo, junte a farinha de uma vez só, amasse com as pontas dos dedos até ficar como uma farofa (pedaçuda)
  6. Espalhe sobre as frutas.
  7. Asse durante 20 a 25 minutos em forno quente (210.C)
  8. Sirva com nata fresca batida se gostar.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]