Assinaturas Classificados
Seções
Anteriores
Publicidade

Blog Vida e Cidadania

Quem faz o blog
Seções
Posts
Enviado por admin, 08/01/13 3:49:00 PM
Marcos Borges/Gazeta do Povo

Essa é para quem quer comer com qualidade, mas não abre mão de fazer economia e pagar pouco pelos produtos.

Na próxima sexta-feira (11), a página Vida Prática, no caderno Vida e Cidadania, vai trazer um guia com os melhores meses para comprar alguns tipos de frutas, verduras, legumes e pescados.

A ideia é levar em conta a sazonalidade na produção desses alimentos para descobrir a época em que a oferta é maior e, consequentemente, os preços estão mais baixos.

Por isso, o blog Vida e Cidadania quer saber: você se preocupa em comprar frutas, verduras e legumes da “época”? É possível mesmo fazer economia ao optar por produtos que estão com a produção em alta?

Conte para nós! Quem sabe sua história não é publicada na versão impressa da Gazeta do Povo.

Enviado por admin, 30/09/10 5:41:00 PM

Nessa quinta-feira, o Papo Universitário da Gazeta do Povo, trouxe o tema “Crack, você pode ser a próxima vítima” para o debate.

Marcela Campos
Teatro Paiol lotado no papo sobre crack

O tema foi escolhido a partir de uma série de cinco reportagens que a Gazeta do Povo publicou entre os dias 18 e 22 de julho deste ano. O conteúdo mostrou a evolução do tráfico da droga no país e seus efeitos na população. O crack é a droga que extrapolou todos os limites de classe social e idade.

Quatro profissionais foram convidados para debater o assunto: Dr. Dagoberto Requião, médico psiquiatra; Wagner Mesquita de Oliveira, delegado da Polícia Federal; Tenente Dalton Perovano, chefe do Setor de Planejamento de Operações e Instrução, Estatística e Desenvolvimento de Projetos da Polícia Militar do Paraná; e Guilherme do Valle, psicólogo e presidente do Conselho Municipal de Políticas sobre Drogas de Curitiba.

Os internautas puderam participar aqui pelo blog e também pelo twitter do caderno Vestibular. Confira alguns momentos do encontro:

19h15
O público começa a chegar aqui no Teatro Paiol. A edição de hoje promete ser lotada. Os quatro especialistas
convidados já chegaram.

19h40
Teatro Paiol praticamente lotado. Daqui a alguns instantes a discussão começa. Participe! Deixe sua pergunta ou comentário aqui no Blog de Vida e Cidadania.

19h45
Convidados a postos, começa o Papo Universitário Gazeta do Povo. O tema de hoje Crack, você pode ser a próxima vítima. Participe! Comente!

19h57
O Papo Universitário tem início com o vídeo de um depoimento de João (nome fictício), menino de 13 anos que conheceu o crack com 11 anos de idade, apresentado pelo irmão mais velho. Ele é apenas uma das muitas crianças que estão conhecendo cedo a droga. Segundo Guilherme do Valle, psicólogo e presidente do Conselho Municipal de Políticas sobre Drogas, 60% das crianças já teve contato com o alcool que é a porta de entrada para as drogas.

20h09
Plateia pergunta ao delegado da Polícia Federal Wagner Mesquita o que pode ser feito para combater o crack e impedir o tráfico.

20h10
Mesquita responde que existem uma série de ações para combater a droga, mas falta coordenação entre essas ações. Ele acredita que o caminho é a unificação das ações, nas áreas da saúde, da segurança e da educação. Esse é o desafio dos próximos governantes que serão eleitos no domingo

20hh15
Achar que o usuário vai procurar tratamento sozinho é uma ideia simplista, segundo o delegado Mesquita. para ele, policiamento por si só não resolve, tem de ter um trabalho de inteligência.

20h17
Para o psiquiatra Dagoberto Requião a sociedade precisa ser menos tolerante com as drogas. Cita a lei que proíbe venda de bebidas perto de escolas e questiona o porque de ela não ser respeitada e nem exigida pela sociedade. A sociedade tem de ser pró-ativa.

20h18
Dagoberto Requião diz ainda que não existem ações articuladas e que a mobilização popular é a única saída. Sem isso a chance de recuperação é de menos de 20%

20h30

Segundo o psiquiatra Dagoberto Requião, a sensação prazerosa do crack que dura de 10 a 15 minutos se contrapõe ao confronto brutal de seus efeitos. O delegado Mesquita completa: é uma droga mais barata, feita com o resíduo da cocaína, mas que dá um efeito mais forte e mais rápido ao ser aspirado pelo pulmão. Por isso a necessidade mais latente de consumir de novo do que outras drogas.

20h36

O psicólogo Guilherme do Valle lembra do trabalho de prevenção, que deveria ser feito com mais ênfase. Exemplo: proibição de propagandas de bebidas, em geral, e reversão do dinheiro de imposto de bebidas para o tratamento.

20h44
Legalização em discussão. Psiquiatra Dagoberto Requião acha que é uma solução simplista demais. O organismo não tem “especificação técnica” para lidar com a droga. Em um país que tem adulteração até de merenda escolar como será feito o “controle de qualidade” dessa droga…

20h46
Não é o fato da substância ser legalizada ou não que impede o crime. O delegado Mesquita lembra do tráfico de bebidas, por exemplo. O tenente Dalton Perovano, da PM-PR, lembra ainda que na Holanda, onde é legalizado, houve um aumento no consumo de drogas mais pesadas, como cocaína e heroína.

20h52
O segundo depoimento em vídeo está no ar. É a história de Silvana (nome fictício), 41 anos, que está grávida de 4 meses do quarto filho. Foi prostituta e serviu de mula entre Bolívia e Brasil. É usuária de crack há mais de 10 anos e agora está em tratamento

20h58
O psiquiatra Dagoberto Requião fala dos riscos de má formação congênita, alteração cardio-respiratória e outros problemas para a criança de uma gestante e usuária de crack.

21h00
Um dos jovens participantes é de Pinhais, de uma associação de moradores e conta de um projeto de contraturno que a associação montou e está dando certo, tirando os jovens das drogas. Ele pergunta o que as pessoas comuns podem fazer para tirar as pessoas do crack?

21h04
O tenente Perovano da PM-PR fala do conceito de polícia social ou comunitária, que é a polícia em contato direto com a comunidade. Ele diz que o diálogo entre polícia e comunidade levam a soluções locais para problemas locais.

21h08
O psicólogo Guilherme do Valle fala da dificuldade de ação dentro do poder público, que tende a responder mais lentamente aos problemas que o privado. Diz que cada cidadão fazendo um pouquinho pode resolver sim o problema.

21h13
O delegado Mesquita lembra que a participação da população é fundamental nas operações. Lembra do telefone de denúncias 181 e de como esse banco de dados é usado pelas polícias, em geral.

21h20
Logo mais, no fim do Papo Universitário, confira os depoimentos em vídeo de ex-usuários em tratamento que serviram de base para a discussão no Teatro Paiol: um menino de 13 anos de idade, uma gestante de 41 anos e um rapaz, de 31, que está há 2 anos e meio longe da droga. Aqui no Blog de Vida e Cidadania.

21h23
O psicólogo Guilherme do Valle fala de onde a família do usuário pode procurar ajuda. A porta de entrada para o atendimento em Curitiba é a unidade básica de saúde. Se for uma emergência, um dos Centros Médicos de Urgência da capital.

21h25
No caso de cidades da RMC, a procura emergencial deve ser no Centro Psiquiátrico Metropolitano (CPM).

21h28
O psiquiatra Dagoberto Requião crítica a estrutura de atendimento existente. Diz que o corpo médico não está preparado para atender usuários em hospitais gerais. Crítica a posição do Ministério da Saúde que é anti-psiquiátrica, de não só não ampliar os leitos, como reduzi-los ainda mais. Diz que as comunidades terapêuticas não são preparadas, na maioria das vezes, para tratar dos usuários em momentos de crise de abstinência.

21h41
O Papo Universitário está chegando ao fim. Participante quer saber por que as pessoas entram nas drogas. O psicólogo Guilherme do Valle diz que é um problema global, de saúde, segurança, de família etc. As razões são inúmeras.

21h45
O psiquiatra Dagoberto Requião diz que cada paciente é um paciente e tratá-lo é um grande desafio.

21h48
Papo Universitário chegou ao fim, mas você ainda pode participar, deixando sua pergunta nos comentários do blog. Em breve, também aqui no blog de Vida e Cidadania, três depoimentos em vídeo de ex-usuários que serviram de base para o debate de ontem à noite.

Acompanhe tudo que rola no Twitter (#papouniversitario) abaixo:

Enviado por admin, 29/09/10 4:47:00 PM

Nesta quinta-feira, a partir das 19h30, no Teatro Paiol, em Curitiba, o Papo Universitário da Gazeta do Povo deste mês reúne quatro especialistas na discussão do que vem sendo chamado de uma epidemia nacional: o consumo de crack no país.

O tema foi escolhido a partir de uma série de cinco reportagens que o jornal publicou entre os dias 18 e 22 de julho deste ano, na editoria de Vida e Cidadania.

O conteúdo traçou a evolução do tráfico da droga no país, apontando também para o início de uma fabricação maior da pedra por aqui, com um aumento na apreensão de pasta base de coca, matéria-prima do crack, de mais de três vezes em relação a 2008.

As cinco reportagens seguintes mostraram os efeitos devastadores do consumo da droga pela população e os perfis extremos de usuários: gestantes, crianças e homens de meia-idade. O crack provou ser a droga que extrapolou qualquer padrão de classe social e idade.

Aniele Nascimento/ Gazeta do Povo
Menino que usa crack desde os 9 anos foi tema de reportagem da Gazeta.

No evento desta quinta-feira, os quatro especialistas convidados são: Dagoberto Requião, médico psiquiatra; Wagner Mesquita de Oliveira, delegado da Polícia Federal; tenente Dalton Perovano, chefe do setor de Planejamento de Operações e Instrução, Estatística e Desenvolvimento de Projetos da Polícia Millitar do Paraná; e Guilherme do Valle, psicólogo e presidente do Conselho Municipal de Políticas sobre Drogas.

As inscrições já se encerraram e a expectativa é de um público de cerca de 250 pessoas, a maioria de jovens.

O evento poderá ser acompanhado pelos internautas em tempo real, tanto por este blog quanto pelo twitter do caderno Vestibular.

Mesmo quem não conseguiu se inscrever pode participar desde já, mandando perguntas nos comentários abaixo.

Enviado por admin, 29/09/10 9:00:00 AM

Um novo inimigo passou a integrar o planejamento da segurança pública brasileira até 2016: o terrorismo. O Brasil, país conhecido pelas relações amistosas no contexto internacional, será sede de dois megaeventos esportivos, a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016. Competições desse porte são notoriamente conhecidos por se tornarem alvos de atentados terroristas, ainda mais em um país com 18 mil quilômetros de fronteiras com dez países diferentes.

Em 1972, os Jogos Olímpicos de Munique ficaram marcados pela ação do grupo palestino Setembro Negro, responsável pelo assassinato de 11 membros da delegação de Israel.

A preocupação excessiva com questões surgidas no exterior não é normal em um país com tantos problemas internos com que se preocupar. Além da ameaça terrorista, homicídios, furtos e roubos são situações corriqueiras nas principais cidades do Brasil. O controle rigoroso das fronteiras, a princípio, parece uma iniciativa visando apenas evitar ações terroristas estrangeiras, mas, no entanto, deve repercutir em benefícios para o Brasil, pois a maior parte das drogas e armas passa tranquilamente pelo frágil sistema de controle das fronteiras.

Uma das apostas do governo brasileiro para fechar as extremidades do país é o Policiamento Especializado da Fronteira (Pefron). O Ministério da Justiça deve investir R$ 90 milhões neste ano no projeto, especialmente na infraestrutura de equipamentos e ferramentas de monitoramento. A grande dúvida é se, mesmo com o projeto, o Brasil estará preparado para oferecer segurança a seus cidadãos e todos aqueles que visitam o país antes, durante e depois dos megaeventos esportivos.

Você acredita na capacidade brasileira de oferecer segurança durante a Copa e Jogos Olímpicos?

Enviado por admin, 28/09/10 4:32:00 PM

Uma falha deixou fora do ar o sistema de passaportes da Polícia Federal em todo o país.

Gilberto Abelha/Jornal de Londrina
Emissão de passaporte pela internet: serviço está indisponível.

Quem precisa dar entrada em pedido de passaporte ou pegar o documento não consegue. É preciso reagendar.

O prazo dado pelo departamento de tecnologia da PF para solucionar o problema é 18 horas desta terça-feira.

Em Curitiba, cerca de 700 pessoas devem ter sido prejudicadas. A orientação é que, assim que for normalizado o serviço, as pessoas com viagens marcadas para datas mais próximas tenham preferência no atendimento.
Resta saber como a Polícia Federal fará esta seleção.

Você conhece alguém com viagem marcada que precisa tirar o passaporte?

Páginas12345... 17»
Este é um espaço público de debate de idéias. A Gazeta do Povo não se responsabiliza pelos artigos e comentários aqui colocados pelos autores e usuários do blog. O conteúdo das mensagens é de única e exclusiva responsabilidade de seus respectivos autores.
Publicidade
Publicidade
Publicidade
«

Onde e quando quiser

Tenha a Gazeta do Povo a sua disposição com o Plano Completo de assinatura.

Nele, você recebe o jornal em casa, tem acesso a todo conteúdo do site no computador, no smartphone e faz o download das edições da Gazeta no tablet. Tudo por apenas R$ 69,30 por mês no plano anual.

SAIBA MAIS

Passaporte para o digital

Só o assinante Gazeta do Povo Digital tem acesso exclusivo ao conteúdo do site, sem nenhum custo adicional ou limite.

Navegue com seu celular ou baixe todas as edições no tablet - um novo jeito de ler jornal onde você estiver.

CLIQUE E FAÇA PARTE DESSE NOVO MUNDO

»
publicidade