i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
segurança nas escolas

Após onda de assaltos a escolas, prefeitura cogita romper contrato com empresa de segurança

Ainda sem plano de contenção, responsabilidade de assaltos em escolas municipais é jogado de mão em mão

  • PorDa Redação
  • 20/09/2017 18:17
Segundo secretário, uma das alternativas seria focar na ação da Guarda Municipal | Aniele Nascimento/Gazeta do Povo
Segundo secretário, uma das alternativas seria focar na ação da Guarda Municipal| Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo

Depois das escolas da rede municipal de Curitiba terem registrado mais de 500 assaltos neste ano, o secretário de Defesa Social da cidade, Guilherme Rangel, cogita romper o contrato com a G5, empresa de segurança que atua em 516 instituições da capital. Segundo o secretário, a companhia “não está prestando o serviço de maneira adequada”. Para a G5, todas as partes do contrato estão sendo cumpridos.

Saiba quais são as escolas mais assaltadas de Curitiba

A discussão gira em torno das competências previstas no contrato. Segundo Rangel, a G5 é contratada para monitoramento e alarme, “ou seja, para evitar o delito”. Já para a empresa, o serviço tem apenas caráter preventivo, visto que não há agentes de segurança nos locais e o prazo para chegada da equipe após o disparo do alarme é de 10 minutos — ou seja, não é o suficiente para realizar uma prisão em flagrante e evitar o crime. Além disso, ela também presta serviço de seguro, reembolsando objetos roubados dentro das unidades. “O que não pode acontecer é a empresa virar uma seguradora apenas”, explica o secretário.

O ponto é que, no contrato assinado em 2013 e renovado anualmente desde então, está definido que a prestação de serviços de segurança é feita “através de sistemas de alarme monitorado, com instalação, manutenção e monitoramento”. Além disso, o documento fica os 10 minutos para chegada ao local do delito.

Relembre os casos

Entre os meses de janeiro e agosto deste ano, a Secretaria Municipal de Educação registrou 505 furtos nas escolas municipais de Curitiba. Esse número representa um aumento de 39,5% em comparação com as ocorrências de 2016, quando foram computados 362 casos no mesmo período. A incidência de vandalismo também cresceu, de 100 para 137. E, desse total, a Guarda Municipal fez apenas 26 apreensões.

Entre os bairros que registraram ocorrências de assaltos encontram-se Barreirinha, Cajuru e Santa Cândida.

No dia 29 de agosto, a Polícia Civil prendeu quatro pessoas suspeitas de furtarem três escolas e dois Centros Municipais de Educação Infantil (CMEI) no bairro Cajuru, em Curitiba. No entanto, mesmo após 30 dias de investigação que levaram a polícia até os suspeitos, três deles foram liberados depois de ficarem menos de 12 horas na delegacia.

Ainda assim, Rangel não só aponta a possibilidade de romper o contrato com a G5 como ainda centralizar o montante gasto com a empresa na Guarda Municipal, investindo em câmeras e alarmes específicos para a corporação. Atualmente, segundo a Secretaria de Defesa Social, a Guarda é comunicada depois do atendimento da empresa. A contratação de outra companhia também está entre as opções cogitadas pelo secretário.

Valores

A G5 diz receber, em média, R$ 707 por escola assegurada para a prestação dos serviços — ou seja, cerca de R$ 365 mil para atender 516 unidades de Curitiba. Só que, para incorporar vigilantes em regime de 12 horas noturnas de 24 horas aos sábados, domingos, feriados e recessos escolares, a empresa estima que o custo para a prefeitura saltaria para algo entre R$ 17 e R$ 25 mil por unidade escolar.

Soluções

Segundo a Secretaria de Defesa Social, uma reunião com a G5 e com o gestor do contrato na Secretaria de Educação será convocada nos próximos dias. Na ocasião, a promessa é que sejam debatidas as atribuições, atendimento e tempo-resposta nas ocorrências. A secretaria afirma que há diversas reclamações de diretores de escola sobre os serviços, mas não entrou em detalhes sobre os aspectos que estariam deixando a desejar.

Escolas mais atingidas por furto/vandalismo em 2017

Escola Municipal Júlia Amaral Di Lenna - 15 (ocorrências)

CMEI Pré Escola Vila Verde - 13

Escola Municipal Irati - 11

Escola Municipal Otto Bracarense Costa - 10

Escola Municipal CAIC Cândido Portinari - 10

CMEI Arnaldo Agenor Bertone - 9

UEI Tanira Regina Schmidt - 9

Escola Municipal Leonel de Moura Brizola - 8

CMEI Arnaldo Carnasciali - 7

EM Santa Águeda - 7

CMEI Jardim Aliança - 7

EM Lapa - 7

CMEI Trindade - 7

EM Dario P. Castro Vellozzo - 7

Evolução da violência

2016 - 462 casos - 362 furtos - 100 atos de vandalismo

2017 - 642 casos - 505 furtos - 137 atos de vandalismo

Colaborou: Cecília Tümler

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.