Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | Brunno Covello/Gazeta do Povo/Arquivo
| Foto: Brunno Covello/Gazeta do Povo/Arquivo

Em pouco mais de um ano, o fantasma do racionamento deu lugar ao excesso de oferta de energia elétrica. Nos dois casos, contudo, o Brasil desperdiçou muito do que foi gerado. Nos últimos quatro anos, o país “jogou fora” eletricidade suficiente para suprir sua demanda durante um ano inteiro, considerando a média de consumo nacional.

De 2011 a 2015, 462,2 mil gigawatts/hora (GWh) foram perdidos no caminho entre as unidades produtoras e os usuários, ou nos próprios pontos de consumo, segundo dados da Empresa de Pesquisa Energética (EPE). A soma equivale à média consumida a cada ano no país.

Programas nacionais contribuem com economia, mas esforço deve ser constante

Alguns programas governamentais incentivam a eficiência energética. Os principais são o Programa de Eficiência Energética (PEE), o Programa Brasileiro de Etiquetagem e o Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Procel). Só o último, em 2015, segundo dados federais, contribuiu para uma economia de 11,7 bilhões de quilowatts-hora (kWh). Em maio deste ano, o Procel passou a ter direito a 20% dos recursos usados pelas distribuidoras do país para investir em estratégias de economia. A porção garantida equivale ao valor de R$ 100 milhões anuais.

Há quinze anos, o país também conta com a Lei da Eficiência Energética (10.295/2011), que estimula a introdução de produtos mais eficientes no mercado nacional e a redução da emissão de gases nocivos à atmosfera, gerados em maior qualidade por sistemas desregulados ou mais antigos.

Para Jamil Haddad, coordenador do Centro de Excelência e Eficiência energética, os programas garantem bons resultados, mas é preciso pensar em cada vez mais incentivos para estimular a economia de energia. “Em alguns países, há incentivos federais às indústrias que melhoram a eficiência energética. Na medida em que economizam, recebem incentivos fiscais e aproveitam reduções significativas nos impostos”, conclui.

Um levantamento recente do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS) indica que, somente a redução do desperdício no Brasil garantiria economia de até 27% na fatura energética de residências e indústrias até 2030.

“Somos um país que não valoriza a racionalização dos insumos. Jogamos fora alimentos, água e também dinheiro, com os altos tributos que pagamos. O gasto com a energia, infelizmente, é mais um dos desperdícios”, defende Alexandre Moana, presidente da Associação Brasileira das Empresas de Serviços de Conservação e Energia (Abesco).

Cálculos da entidade sugerem que a perda de energia no país produza prejuízos econômicos na ordem de R$ 12,6 bilhões ao ano. Segundo a Abesco, ainda, o maior potencial de economia está nas casas dos brasileiros. “Uma redução de 15% no uso da eletricidade poderia acontecer com a adoção de medidas simples, como desligar as luzes ou reduzir o uso do chuveiro elétrico e do ar-condicionado, por exemplo”, diz Moana. O porcentual é maior que nos setores industrial e comercial, com possibilidades de redução de, respectivamente, 6,2% e 10% e 11%.

Para especialistas do setor, são diversos os fatores responsáveis pelo índice, mas, entre os principais, estão a distância entre as usinas produtoras e o usuário, falhas técnicas nas redes de transmissão, equipamentos obsoletos e os furtos de energia. “Os problemas na etapa de distribuição são chamados técnicos. As perdas comerciais, por outro lado, são motivadas por furtos e fraudes, erros nos processos de faturamento da tarifa elétrica ou falta de hábitos para economizar”, resume Jamil Haddad, coordenador do Centro de Excelência em Eficiência Energética. O desperdício nas unidades consumidoras – sejam indústrias, comércios, setores públicos, área rural ou residências – também engrossam o desperdício.

Segundo Pietro Erber, diretor do Instituto Nacional de Eficiência Energética, investimentos nas redes de distribuição podem mitigar as perdas comerciais ao controlar roubos de eletricidade e garantir mais inteligência ao uso do insumo. “Com as smart grids, as concessionárias e os usuários têm mais informações sobre o consumo, em cada momento e, com isso, passam a gerir com mais eficiência a carga elétrica”, diz.

A geração distribuída, defende ele, é outro caminho para a redução de perdas no trânsito energético. “O que é produzido em uma unidade consumidora é utilizado por ela mesma. Apenas o excedente é compartilhado com a rede, que devolve a porção como crédito na próxima fatura”, reforça. Para o diretor, o crescente abandono de equipamentos obsoletos ou mal regulados por consumidores e, principalmente, pela indústria, já incentivado por programas governamentais, também contribuem com a redução do problema.

Consumidor paga pelo desperdício, mas a maior parte da conta fica com as elétricas

Consumidores e distribuidoras acabam dividindo o prejuízo causado pelas perdas de energia. Parte expressiva do problema acaba assumida pelas concessionárias. Segundo a Eletrobras, em 2015, o índice de perdas comerciais acumuladas pelas empresas nacionais foi de 15,12% do total da energia produzida, acima do resultado de 2014 – 14,11%. As falhas técnicas tiveram índices menores: no ano passado, 9,51% da produção das concessionárias foi comprometida por problemas operacionais durante a distribuição. Em 2014, foram 9,57%.

De acordo com a Eletrobras, contribuíram para o aumentos dos índices a elevação dos custos das tarifas e as condições desfavoráveis da economia nacional. Em todo o país, de 2014 para 2015, ocorreu um crescimento de 6% na quantidade de energia consumida e não paga. Os furtos de energia, também conhecidos por “gatos”, violações nos lacres e desvios nos medidores são os maiores responsáveis por esta condição.

“Gatos” em áreas nobres

A Light, distribuidora de energia da cidade do Rio de Janeiro e de outros 30 municípios fluminenses, é a que mais sofre com a ilegalidade. Do total da eletricidade fornecida pela companhia, 23,9% são furtados. A porção equivale a 6 mil GWh por ano, o que atenderia a demanda anual de um estado como o Espírito Santo, por exemplo.

Só no Rio, 1,2 milhão dos 3 milhões de clientes da concessionária furtam energia e 55% do volume vêm de bairros com maior poder aquisitivo, como Barra da Tijuca, Recreio, Jacarepaguá, Ilha do Governador e Copacabana. A ocorrência aumenta em 15% a conta de luz do carioca. Só neste ano, a Light deve investir R$ 268 milhões para combater a prática.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]