Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE

racismo

Alunos chamam professora de “preta galinha” e desenham suástica

Praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça é crime, com pena de reclusão de um a três anos e multa

  • Da Redação com Folhapress
A professora Odara Dèle. A Secretaria da Educação de São Paulo informou  ter chamado os responsáveis pelos alunos que fizeram a ofensa para que tomassem conhecimento do fato | YouTube/Reprodução
A professora Odara Dèle. A Secretaria da Educação de São Paulo informou ter chamado os responsáveis pelos alunos que fizeram a ofensa para que tomassem conhecimento do fato YouTube/Reprodução
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Estudantes do ensino médio em São Paulo desenharam na porta da sala de aula de uma professora negra uma suástica com a inscrição “preta galinha do c+”. A ofensa ocorreu na Escola Rui Barbosa Conselheiro, na Zona Norte de São Paulo.

Leia também: Apologia ao nazismo em universidade: crime ou liberdade de expressão?

Logo após o ocorrido, a instituição aconselhou a professora de Sociologia Odara Dèlé a fazer um boletim de ocorrência na Delegacia de Repressão aos Crimes Raciais e de Delitos de Intolerância. A delegacia, que faz parte do Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP), informou que investiga o caso e que a vítima e testemunhas serão ouvidas nos próximos dias.

De acordo com o boletim de ocorrência, no mesmo dia em que a professora foi informada sobre a pichação houve uma reunião entre a diretora da escola, o coordenador, a professora e todos os alunos sobre o caso.

Ainda na terça, segundo o boletim de ocorrência, três estudantes procuraram a coordenação e informaram que outros três alunos, com idades de 16 a 17 anos, eram os autores das inscrições racistas. Um dos envolvidos confirmou a versão.

Praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional é crime, com pena de reclusão de um a três anos e multa, segundo o artigo 20 da Lei 7.716, de 5 de janeiro de 1989.

Leia também: Professor é ameaçado por estudantes de esquerda em exibição de filme

Em nota, a Secretaria de Educação de São Paulo informou que “repudia todo e qualquer ato de preconceito e discriminação”. Leia na íntegra:

“A Secretaria da Educação de São Paulo repudia todo e qualquer ato de preconceito e discriminação. O respeito e a inclusão são princípios básicos trabalhados constantemente na rede estadual. Nas escolas são desenvolvidos trabalhos exemplares, como o da professora Odara Dèlé, responsável pela criação de um aplicativo para abordar a cultura afro-brasileira em sala de aula.

Uma reunião com os responsáveis pelos alunos foi realizada para que tomassem conhecimento do fato, uma vez que a Educação se faz com participação da família e da sociedade. A Diretoria Regional Norte 2 está à disposição da professora para tudo o que for necessário.”

Leia também: Professor é vítima de ofensas racistas: “seu lugar não é na sala de aula”

o que você achou?

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Educação

PUBLICIDADE