i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Ensino Médio e Técnico

Sorteio para ingresso em institutos federais gera questionamentos

  • Por Gabriel Rodrigo Sestrem
  • 28/10/2020 20:29
Modelo determinado pelo Conselho Superior do IFMT já é utilizado por outros institutos federais. IFB adota a medida desde 2008
Modelo determinado pelo Conselho Superior do IFMT já é utilizado por outros institutos federais. IFB adota a medida desde 2008| Foto: Jonathan Campos / Arquivo Gazeta do Povo

Uma recente mudança no formato de admissão de alunos para o ensino médio integrado com cursos profissionalizantes e o ensino técnico subsequente do Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT) tem recebido críticas por parte de alunos que almejam ingressar na instituição. Eles alegam que a medida reduz o incentivo aos estudos.

Como oficialmente não havia a possibilidade de ingresso por sorteio no IFMT – atualmente a seleção pode ser feita por meio de prova de conhecimentos, análise de histórico escolar e entrevistas –, o Conselho Superior da instituição autorizou o novo formato por meio da Resolução 62, publicada em 7 de outubro.

De acordo com o documento, tanto os curso técnicos integrados ao ensino médio quanto os subsequentes - no qual o estudante já deve ter concluído o ensino médio para ingressar - terão admissão feita exclusivamente por sorteio para o próximo ano letivo. Já a seleção para os cursos superiores de graduação levará em conta a nota geral do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de anos anteriores (2015 a 2019) para 70% das vagas, enquanto para os 30% restantes, a seleção será feita por meio de análise do histórico escolar do ensino médio.

Dois dias após a determinação do IFMT ser publicada, a União Estadual Dos Estudantes de Mato Grosso, entidade filiada à União Nacional dos Estudantes (UNE), divulgou uma nota questionando a medida: “O destino dos estudantes não pode ficar a mercê de algo tão aleatório quanto um sorteio. Por isso indicamos que a única postura razoável diante deste quadro é o adiamento do processo seletivo”, afirmou a entidade estudantil.

Paralelamente, um grupo de estudantes criou o movimento “IF Sem Sorteio”, com o objetivo de questionar a medida, e convidou alunos do IFMT a divulgarem em suas redes sociais publicações com a frase “Minha vaga não foi sorte”, acompanhada de hashtags solicitando o adiamento do exame em vez da admissão por sorteio.

Motivos alegados pelo IFMT

Quanto à implantação da medida - que é exclusiva para a seleção no ano letivo de 2021 -, o Conselho Superior do instituto destaca que o principal motivo é a impossibilidade econômica de realizar provas presenciais em conformidade com todas as medidas de segurança necessárias para evitar transmissão da Covid-19. De acordo com o conselho, o formato evita colocar a saúde de estudantes, candidatos, servidores e familiares em risco.

Outro motivo apontado como determinante para a decisão foi o fato de a modalidade ser mais democrática e justa de “avaliar todos os contextos, especialmente no momento de isolamento social em decorrência do coronavírus”.

Por meio da resolução, o conselho informa, ainda, que outros institutos federais também optaram pelo processo seletivo dos cursos técnicos integrados e subsequentes para ingresso em 2021 por meio de sorteio, como IFB, IFAC, IFSC, IFC, IFSul de Minas e IFTM. O modelo de ingresso por sorteio também é utilizado em escolas cívico-militares de Goiás, que estão entre as melhores instituições de ensino médio do país.

Segundo uma fonte do IFMT - que preferiu não se identificar -, o formato de sorteio é mais inclusivo, uma vez que oferece igualdade de condições para todos os participantes, não cobra taxas dos candidatos e preserva a destinação de vagas para cotistas. “Vejo esses questionamentos como desnecessários, já que o formato é um método consolidado em vários outros institutos federais e oferece maior inclusão e igualdade de participação”, afirma.

Ingresso por sorteio oferece mais inclusão, mas traz desafios a serem superados

No Instituto Federal de Brasília (IFB), o formato de sorteio é utilizado desde sua fundação, em 2008, para os cursos técnicos integrados e subsequentes, os cursos do Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos (Proeja) e a Formação Inicial e Continuada (FIC). Quanto ao nível superior, o ingresso ocorre a partir das notas do Enem por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu).

De acordo com Luciana Massukado, reitora do IFB, o formato de sorteio preserva a democratização do acesso, já que há condições iguais para todos os candidatos. “Nem todo estudante tem as mesmas condições quanto ao ensino fundamental. Existem até mesmo cursinhos para passar em provas dos institutos federais, e dessa forma aqueles que têm menores condições socioeconômicas ficam com menos chances de acessar o ensino técnico. Com o sorteio conseguimos dar condições iguais de quem teve melhor condição de estudo e quem não teve”, observa.

Segundo a reitora, após vários anos com o modelo de sorteio vigorando, atualmente 67% dos estudantes matriculados no IFB possuem renda per capita inferior a 1,5 salário mínimo. “Com o ingresso por sorteio, acaba havendo a inclusão e o encontro de realidades bem diferentes entre os alunos. O processo seletivo vem como uma barreira, e muita gente não presta a prova porque acha que não vai conseguir passar”, declara, admitindo que o modelo de sorteio ainda é pouco comum. “São 38 institutos federais no Brasil, e na maioria o normal é o processo seletivo”, ressalta.

O Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) também recorre ao modelo. Desde 2017, o ingresso em todos os cursos técnicos subsequentes e concomitantes (em que o estudante cursa as disciplinas de formação técnica no instituto federal enquanto faz o Ensino Médio em outra instituição) ocorre exclusivamente por meio de sorteio. Quanto aos cursos técnicos integrados ao Ensino Médio, alguns campi do IFSC já adotavam a medida em anos anteriores, porém em decorrência da pandemia todas as unidades irão utilizar o formato de sorteio eletrônico na seleção de alunos dos cursos técnicos e de qualificação profissional referentes ao próximo ano letivo.

“O sistema de sorteio eletrônico oferece baixo custo para os institutos, o que beneficia também os candidatos, já que não é cobrada taxa de inscrição”, afirma o pró-reitor de ensino do IFSC, Luiz Otávio Cabral. Para ele, o formato também permite que pessoas com baixo desempenho acadêmico, que não teriam condições de passar nos exames de classificação, tenham acesso aos cursos. “Avaliamos que essas pessoas, sobretudo aquelas que trabalham e que estão afastadas há muito tempo do ambiente escolar, sentem-se mais motivadas a participar em uma forma de admissão por sorteio do que por prova”, avalia.

O doutor em Educação e professor da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP), Ocimar Munhoz Alavarse, também é favorável ao ingresso nos institutos federais por sorteio. Para ele, a grande vantagem do modelo é a garantia de que diferentes estratos da população terão acesso ao ensino de qualidade.

“O processo seletivo por prova é um modelo em que os melhores entram. Porém, é preciso levar em conta as condições de cada um. Não se pode dar as vagas só para quem nasce em ‘berço de ouro’. Não é justo que apenas uma camada social tenha acesso a esses cursos. O sorteio traz uma proposta mais radical, mas estamos discutindo a questão da democratização; é uma questão de justiça”, avalia.

O professor reconhece, no entanto, que o modelo traz limitações, como é o caso do sorteio chamado “universal”, que pode admitir alunos sem condições para a continuidade nos estudos. “Como alternativa é preciso pensar no sorteio qualificado, em que se avalia o aluno quanto a um patamar mínimo de conhecimentos indispensáveis para ingressar naquele curso. Essa é uma maneira de atenuar alguns efeitos negativos do sorteio universal”.

Por outro lado, Alavarse também destaca que a ampliação do formato de sorteio pode trazer junto um desinteresse por parte de alguns alunos com relação a determinados conhecimentos, uma vez que sem uma prova seletiva, esses conteúdos não seriam cobrados. “Muitos jovens não vão estudar aquilo que ‘não cai’ no vestibular. Isso escancara a verdadeira razão pela qual alguns estudam e significa que as pessoas têm uma visão muito utilitarista do ensino”, aponta.

Apesar dos aspectos positivos do ponto de vista socioeconômico apontados relacionados ao ingresso por sorteio em institutos federais, Alavarse avalia que alguns institutos adotaram o modelo de sorteio pela falta de dinheiro para realizar as provas de acordo com os critérios para evitar contaminações pela Covid-19 e não apenas pelo desejo de democratizar o acesso.

Debate pode impulsionar modelo de sorteio, afirma reitora do IFB

Quanto à polêmica que a decisão do IFMT de implementar o formato de sorteio gerou, a reitora do IFB avalia que o peso que o assunto vem ganhando pode contribuir para um aumento da utilização do modelo nos próximos anos. “Essa polêmica traz à discussão uma mudança de paradigma. A visão da democratização do acesso, de dar condições iguais para quem não teve as mesmas condições, pode ser o futuro do processos seletivo. Muitos paradigmas estão mudando com essa pandemia, e torço para que mais institutos venham a adotar o sorteio como forma de ingresso nos cursos técnicos”, reforça.

A Gazeta do Povo solicitou ao Ministério da Educação (MEC) a avaliação quanto à efetividade do modelo de admissão por sorteio, porém o MEC informou apenas que os institutos federais têm autonomia administrativa, orçamentária e didático pedagógica, o que inclui os métodos de admissão.

4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 4 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • E

    Eire Emilio Zimmermann

    ± 4 horas

    Me parece que há um erro grosseiro adotar-se sorteio para o ingresso em cursos técnicos. Se de um lado o ensino básico (infantil, fundamental e médio) é um direito fundamental importantíssimo com foco em cada um dos cidadãos, de outro lado o ensino técnico NÃO é um direito fundamental e NÃO é obrigatório, além de apresentar certa complexidade e ser direcionado a necessidades da Sociedade. De forma mais ampla, os cidadãos devem dispor de serviços técnicos de qualidade, executados por pessoas que tenham perfil e formação adequados, e não por um capricho com rótulo de "mais democrático". Este argumento bizarro, me parece, deve ser desmascarado o quanto antes.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • D

      Dario de Araújo Dafico

      ± 8 horas

      Já que é assim tão democrátrico podíamos usá-lo como critério de seleção dos diretores dos institutos. Melhor ainda, podíamos utilizar o sorteio para eleger deputados, senadores, juízes, promotores, presidente da república e tudo mais. A gente transforma de vez o país na Loteria Federativa do Brasil.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • G

        Gustavo

        ± 9 horas

        Talvez uma nota de corte precedido de um sorteio seria mais justo, Certamente somente sorteio é uma ideia estapafurdia.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • E

          Eduardo Weber

          ± 12 horas

          O que chamam, demagogicamente, de democratizar é nivelamento por baixo. Creio que não estejam preocupados com a formação do jovem, apenas formar massa de manobra mais facilmente. Meritocracia agora é crime.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          Fim dos comentários.