Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

Nas últimas semanas o Brasil presenciou um nível quase inédito de interferência da Justiça em outros poderes da República. O ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes suspendeu a nomeação de Alexandre Ramagem para a diretoria-geral da Polícia Federal após um pedido do PDT, partido de Ciro Gomes. Outro ministro do STF, Celso de Mello, também reduziu o prazo para o depoimento de Sergio Moro à PF. Além disso, o STF também anulou a expulsão de diplomatas venezuelanos.

Marco Aurélio de Mello enviou um pedido a Dias Tofolli pedindo que decisões que interfiram em atos de outros poderes sejam submetidas ao plenário, com os 11 ministros, e não sejam mais tomadas de forma individual.

Não bastasse a interferência, há também o ativismo judicial gritante não somente no STF, mas em outras instância da justiça brasileira. Mas o STF, que deveria ser a corte mais isenta do país e protetora da Constituição, tomou decisões com claro viés progressista, como a criminalização da homofobia, e retomou a votação do aborto em casos de infecção por zika vírus em um momento que a sociedade está lutando contra outro vírus, o Sars-Cov 2.

Os colunistas da Gazeta do Povo Rodrigo Constantino e Guilherme Fiuza comentam a face ativista do STF e a tendência da Justiça de passar por cima das decisões de outros poderes.

Conteúdo editado por:Jones Rossi
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]