Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Justiça
  3. Depois de 13 anos, neonazistas são condenados por ataque no RS

júri popular

Depois de 13 anos, neonazistas são condenados por ataque no RS

Em 2005, três jovens judeus foram brutalmente agredidos na região central da capital gaúcha. Um deles perdeu um rim e 80% do pulmão esquerdo

  • Porto Alegre
  • Estadão Conteúdo
Imagem ilustrativa. | Reprodução/Falcon Photography/Flickr
Imagem ilustrativa. Reprodução/Falcon Photography/Flickr
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Três acusados de atacar um grupo de judeus na região central de Porto Alegre (RS), em 2005, receberam suas condenações na noite de quarta-feira (19). Thiago Araújo da Silva e Laureano Vieira Toscani receberam pena de 13 anos de prisão em regime fechado. Já Fábio Roberto Sturm terá de cumprir 12 anos e 8 meses de detenção. O crime aconteceu em frente a um bar no bairro boêmio Cidade Baixa. Silva e Sturm poderão recorrer da decisão em liberdade.

Leia também: Grupos nazistas ou supremacistas podem se manifestar no Brasil? O que diz a lei

O julgamento teve início na manhã de terça-feira (18), no Foro Central de Porto Alegre, e durou cerca de 22 horas. A sentença foi lida no fim da noite do dia seguinte, pela juíza Cristiane Busatto Zardo.

Na ocasião do crime, as vítimas, identificadas como Rodrigo Fontella Matheus, Edson Nieves Santanna e Alan Floyd Gipsztejn, passeavam pela Cidade Baixa, na capital gaúcha, usando quipás (espécie de boina que os homens judeus usam para cobrir a cabeça). Quando passaram em frente a um bar da região, foram brutalmente agredidas com socos, pontapés e facadas por um grupo de skinheads que estava dentro do bar. Um dos jovens perdeu um rim e 80% do pulmão esquerdo.

Confira: Seis provas irrefutáveis de que o Holocausto aconteceu

O material apreendido durante as investigações policiais foi exposto em frente ao júri. Entre os pertences estavam facas, livros, CDs e bandeiras de apologia neonazista.

"Se isto aqui não é nazismo, eu não sei mais o que dizer. Tenho até nojo de segurar isso", disse a promotora Andrea de Almeida Machado enquanto mostrava em uma das mãos o livro “Minha Luta”, escrito por Adolf Hitler, aos jurados.

De acordo com denúncia do Ministério Público, os réus fariam parte de um grupo denominado Carecas do Brasil, que faz apologia ao nazismo e ao antissemitismo.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE