i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
europa

O sabor de um queijo pode ter direitos autorais? Tribunal decide que não

Na decisão, os juízes entenderam que o sabor é uma “ideia” e não a expressão de uma criação intelectual original

    • The Washington Post
    • 15/11/2018 09:34
    Empresa pedia direitos autorais para queijo feito de requeijão, salsa, alho e alho-poró | Reprodução /YouTube
    Empresa pedia direitos autorais para queijo feito de requeijão, salsa, alho e alho-poró| Foto: Reprodução /YouTube

    Um sabor pode ter direitos autorais?

    Esta foi a questão a qual se depararam os juízes do Tribunal de Justiça da União Europeia ao avaliar ação em que uma empresa de produtos holandeses pedia direitos autorais para o sabor e a distribuição de um determinado queijo.

    A resposta dos magistrados foi um retumbante “não”.

    Sabor é “uma ideia”, decidiu o tribunal. Não é a “expressão de uma criação intelectual original” e, portanto, não pode ser protegida pela lei.

    Leia também: Homem de 69 anos aciona Justiça para ser considerado 20 anos mais novo

    O caso foi trazido há cinco anos pela empresa holandesa Levola. Levola vende, desde 2001, o Heks’nkaas (que significa “queijo das bruxas”), um queijo branco sedoso. É uma mistura de requeijão, salsa, alho e alho-poró. Em 2013, a empresa rival Smilde começou a distribuir um produto parecido, chamado de Witte Wievenkaas, que também faz referência a bruxas. O produto incluía a maioria dos ingredientes utilizada no Heks’nkaas.

    Levola disse que algo não “cheirava bem” e acusou a Smilde de copiar seu produto.

    Mas o Tribunal de Justiça não se convenceu e optou por entender que apenas uma “criação intelectual original” é passível de direito autoral.

    “O objeto protegido por direitos autorais deve ser expresso de uma maneira que o torne identificável com precisão e objetividade suficientes”, disse o tribunal, como um livro, um programa de televisão ou uma obra de arte. “Sendo assim, o Tribunal considera que o sabor de um produto alimentício não pode ser identificado com precisão e objetividade”.

    Leia também: Por que a Suprema Corte decidiu que tomates são legumes

    O tribunal disse que o gosto é subjetivo e que pessoas diferentes experimentam alimentos de forma diferente. Portanto, um gosto não é a mesma coisa que um filme ou livro, que são objetos imutáveis. Os gostos “dependem, entre outras coisas, de fatores específicos para a pessoa que provou o produto em questão, como idade, preferências alimentares e hábitos de consumo, bem como sobre o ambiente ou contexto em que o produto é consumido”, disse a corte.

    O processo não é tão inusitado quanto parece. Em 2006, os tribunais holandeses decidiram que a Lancome é proprietária dos direitos autorais em relação aos odores de seus perfumes. (Em 2013, os tribunais franceses acharam o contrário).

    O advogado europeu de propriedade intelectual, Joshua Marshall, disse ao New York Times que a decisão sobre o queijo faz sentido. “Os direitos autorais não devem ser usados para impedir a disseminação e o uso de ideias”, disse ele. “O sabor de um queijo de alho-poró é realmente uma ideia.”

    Leia também: Se eu morrer, quem paga minhas dívidas?

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.