Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Mundo
  3. Alan García vence segundo turno da eleição presidencial

Peru

Alan García vence segundo turno da eleição presidencial

  • Agências internacionais/Globo Online
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O ex-presidente peruano Alan García venceu o segundo turno da eleição presidencial peruana, realizado neste domingo, derrotando o candidato nacionalista Ollanta Humala, de acordo com dados oficiais. García obteve 55,45% dos votos contra 44,54% de Humala, com 77,33% das urnas apuradas. Espera-se que a totalidade dos votos seja apurada até a noite de segunda-feira.

Duas pesquisas de boca-de-urna das empresas Apoyo e Datum anteciparam que García seria o líder do governo peruano durante os próximos cinco anos, dando-lhe entre 52,7% e 55,4% dos votos, respectivamente.

O social-democrata Alan García agradeceu o apoio de seus compatriotas nas eleições presidenciais peruanas logo após a divulgação de pesquisa de boca-de-urna que dava a vitória a ele e afirmou que exercerá um governo de coalizão. "Os peruanos rejeitaram de modo contundente a tentativa de penetração e dominação que o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, tentou realizar através do candidato nacionalista Ollanta Humala", afirmou García.

O candidato nacionalista Ollanta Humala admitiu a derrota. "Reconhecemos os resultados da Oficina Nacional de Processos Eleitorais (Onpe) com 77% dos votos apurados e saudamos as forças que competiram conosco, as do senhor García", disse Humala a jornalistas. Humala, um militar da reserva de 43 anos, era temido pelos investidores devido ao seu plano de uma maior intervenção estatal na economia.

O presidente Alejandro Toledo entregará a faixa presidencial a seu sucessor em 28 de julho, dia em que se comemora a independência do Peru. A vitória de García, deixando para trás a lembrança do mandato de 1985 a 1990 que colocou o Peru na sua pior crise econômica, é resultado de uma disputada campanha em que teve que enfrentar o apoio do presidente venezuelano, Hugo Chávez, ao concorrente Humala.

Visto por muitos peruanos como sendo "dos males, o menor" porque promete defender a democracia e garantir o crescimento econômico, o social-democrata Alan García deixou o governo há uma década sob acusações de corrupção e no auge da guerrilha maoísta do Sendero Luminoso. "García não tem um cheque em branco, tem que trabalhar agora de maneira dramaticamente diferente", disse o diretor do jornal Peru.21, Augusto Alvarez, ao comentar o resultado.

Na sua primeira aparição desde que foram divulgados os resultados não-oficiais, García saudou os simpatizantes em frente a sua casa com os braços ao alto e o tradicional lenço branco na mão. O partido Aprista, de García, já festejava. "Chávez, escuta: Alan é presidente", repetiam aos gritos os simpatizantes de García.

"Hoje o Peru ganhou, ganhou o voto contra o autoritarismo, contra o intervencionismo", afirmou o trabalhador do setor têxtil José Luis Munoz, 47 anos. O candidato nacionalista era considerado uma ameaça para as classes alta e média por causa do discurso autoritário e o plano de aumentar a intervenção estatal na economia.

As seções eleitorais peruanas encerraram seu funcionamento às 18h deste domingo (16h em Lima), após oito horas de votação para eleger o próximo presidente do país. Estima-se que 16,4 milhões de peruanos tenham ido às urnas escolher entre o candidato nacionalista Ollanta Humala e o social-democrata Alan García.

Segundo o chefe interino da missão de observadores da Organização dos Estados Americanos (OEA), o ex-chanceler argentino Rafael Bielsa, nenhum incidente relevante foi registrado. "O processo eleitoral transcorreu com toda normalidade, nada além de pequenas questões relativas a violações da lei eleitoral e atraso na constituição de alguma mesa eleitoral", disse Bielsa à rádio CPN.

A campanha para o segundo turno foi caracterizada por ataques pessoais duros entre García e Humala, com referências à constante intervenção do presidente venezuelano, Hugo Chávez, no processo, o que provocou o pior momento da relação diplomática entre Caracas e Lima, depois da retirada de embaixadores.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE