i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Acusação

EUA culpam Venezuela por problema de drogas na Europa

  • PorReuters/G1
  • 08/05/2007 16:47

O diretor da política de controle de drogas dos Estados Unidos culpou na terça-feira a Venezuela por um aumento nos carregamentos de cocaína para a Europa, e pediu aos governos da União Européia que apliquem pressão diplomática sobre o país latino-americano para combater o problema.

John Walters disse que a Venezuela se tornou a principal rota para as drogas ilegais entre a vizinha Colômbia -- o maior produtor mundial de cocaína -- e o cada vez mais atraente mercado europeu.

Os comentários de Walters ocorrem num cenário de relações persistentemente sensíveis entre Washington e Caracas.

Walters acusou o governo venezuelano de não ter lidado suficientemente com a questão das drogas e pediu aos políticos da União Européia que "usem sua influência" para convencer o presidente Hugo Chávez a conter os traficantes.

"Este é um crescente problema, vimos movimento por ar saindo da Venezuela usando pistas conhecidas, não pistas aéreas clandestinas... também movimentos por mar, com alguma regularidade aumentada, também saindo dos portos marítimos venezuelanos", disse Walters a jornalistas durante visita a Bruxelas, onde encontrou autoridades da UE.

"O consumo em queda nos Estados Unidos e os preços mais altos na Europa estão incentivando os traficantes a exportarem através do Atlântico."

"Sei que algumas nações européias têm cooperação mais extensa com o governo venezuelano, e esperamos que possamos usar isso para tentar cortar algo disso", afirmou Walters.

Walters acrescentou que muitas áreas na Venezuela estão sendo usadas para "preparação segura", e disse que os carregamentos através do país latino-americano para a Europa e os EUA aumentaram "dez vezes nos últimos cinco a dez anos".

Em fevereiro, a Reuters revelou que oito governos da UE planejavam juntar forças para impedir que drogas ilegais -- particularmente cocaína e heroína -- chegassem às ruas européias vindo da América Latina via portos na África Ocidental.

Mas os comentários de Walters ocorrem um dia depois de o ministro da Justiça da Venezuela, Pedro Carreño, dizer que não vai permitir que agentes dos EUA realizem operações antidrogas no país e acusar a DEA (órgão de combate às drogas dos EUA) de ser um "novo cartel".

Isso é parte de uma guerra de palavras entre Washington e Caracas, que fez as relações entre os dois governos se deteriorar rapidamente nos últimos anos.

Após quase um ano de acaloradas negociações, a Venezuela se recusou a assinar um acordo antidrogas com os EUA em março, enquanto em 2005 o quinto maior produtor de petróleo do mundo encerrou a cooperação com a DEA.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.