i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
relações internacionais

Governador da Flórida assina lei que penaliza empresas com negócios com Cuba

A assinatura ocorreu em uma cerimônia com a presença de legisladores de origem cubana, representantes de exilados

  • PorEFE
  • 01/05/2012 14:54
Rick Scott assinou o contrato cercado por exilados cubanos | AFP
Rick Scott assinou o contrato cercado por exilados cubanos| Foto: AFP

O governador da Flórida, Rick Scott, assinou nesta terça-feira (1º) uma lei que proíbe organismos públicos do estado americano de fecharem contratos com empresas que negociem com Cuba e Síria.

A assinatura ocorreu em uma cerimônia com a presença de legisladores de origem cubana, representantes de exilados, assim como René García e Michael Bileca, que promoveram a iniciativa.

"Os Governos de Cuba e Síria são vistos pelos Estados Unidos como impulsionadores do terrorismo, portanto, os fundos dos contribuintes da Flórida não deveriam incentivá-los", disse Scott ao assinar a lei.

O ato, celebrado na Torre da Liberdade de Miami, foi carregado de simbolismo. O prédio é considerado como um monumento à imigração cubana, já que no local foram recebidos os primeiros exilados fugidos da ilha.

"O histórico vergonhoso dos Governos dos irmãos Castro e de Bashar al-Assad é inegável: oprimem brutalmente o povo, apoiam o terrorismo internacional e pretendem prejudicar os interesses dos Estados Unidos", argumentou Scott.

Na opinião do governador, a nova lei, que entrará em vigor em 1º de julho, pretende evitar que contribuintes financiem sem querer ditaduras. "É imprescindível que a Flórida e Estados Unidos sigam fazendo pressão econômica sobre eles", insistiu o Scott, convencido que a norma demonstra o "compromisso" com a liberdade econômica e política em Cuba e na Síria.

O texto foi proposto em fevereiro e aprovado pelo poder legislativo da Flórida com apoio praticamente unânime. No entanto, recebeu diversas críticas de autoridades do Canadá e Brasil.

A lei também estabelece medidas que prevêem ruptura de contratos vigentes se for descoberto que a empresa tenha operações comerciais com Cuba ou Síria.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.