i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Retorno

Governo de facto de Honduras pede que Brasil entregue Zelaya

Zelaya diz que não sabe quando vai sair da embaixada do Brasil

  • PorReuters e Agência Estado
  • 21/09/2009 17:34

O presidente de facto de Honduras, Roberto Micheletti, pediu nesta segunda-feira que o Brasil entregue ao seu governo o presidente deposto, Manuel Zelaya, que se refugiou na embaixada brasileira na capital hondurenha, Tegucigalpa.

"Faço um pedido ao governo do Brasil para que respeite a ordem judicial ditada contra o senhor Zelaya entregando-o às autoridades competentes de Honduras", disse Micheletti em uma mensagem transmitida pela televisão.

Zelaya diz que não sabe quando vai sair da embaixada do Brasil

O presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, disse nesta segunda-feira (21) à TV Brasil, por telefone, que ainda é cedo para saber quando deve sair da Embaixada Brasileira na capital de Honduras, Tegucigalpa. Ele chegou embaixada no começo da tarde, sem o conhecimento do governo golpista, após 86 dias longe do país. É muito cedo para falar quando eu vou ficar aqui na embaixada do Brasil. Agora, vamos iniciar o diálogo, afirmou.

Zelaya disse que viajou por 15 horas até chegar capital. Segundo ele, a viagem foi tensa. Ele teria passado por várias cidades, a pé ou de carro, e ultrapassado inúmeros bloqueios militares. Usei diferentes transportes e passei por diferentes cidades para chegar são e salvo capital. Há muita repressão pelo caminho, conta, em entrevista exclusiva ao telejornal Repórter Brasil, que vai ao ar s 21h na TV Brasil.

Em julho passado, o presidente deposto fez duas tentativas frustradas de retornar ao poder. Na primeira, em 5 de julho, chegou a sobrevoar a capital, mas foi impedido de aterrissar por bloqueios militares na pista do aeroporto. Houve confronto entre a polícia e apoiadores de Zelaya. Uma pessoa morreu.

No dia 24 de julho, Zelaya fez uma nova tentativa. Desta vez, tentou entrar no país pela fronteira com a Nicarágua. Ficou menos de uma hora em solo hondurenho e teve que voltar para a Nicarágua, sob pena de ser preso pelo governo interino.

Nesta segunda-feira, Zelaya fez um apelo pelo diálogo para evitar um derramamento de sangue. Segundo ele, chegou a hora de o governo interino de Roberto Michelleti corrigir os erros cometidos durante o golpe.

Honduras merece um acordo pacífico, sem violência, sem derramamento de sangue. O povo está indefeso, não tem armas... e seria muito lamentável se, mesmo diante da comunidade internacional, o governo reprimir o povo. Creio que o senhor Michelletti deve corrigir rapidamente os erros que cometeu e evitar um derramamento de sangue.

Zelaya também agradeceu ao governo brasileiro por ter aberto a Embaixada, mesmo sob riscos de protestos. Queria agradecer o presidente Lula, o chanceler [Celso] Amorim e o [assessor da Presidência] Marco Aurélio Garcia que abriram as portas para iniciar o diálogo. Que a luta pela democracia em Honduras sirva para a América latina e para o continente.

Hillary pede diálogo e calma após volta de Zelaya a Honduras

A secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, disse nesta segunda-feira que o presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, e o governo de facto do país devem encontrar uma maneira para dialogar e evitar a violência após o retorno de Zelaya à nação da América Central.

O presidente da Costa Rica, Oscar Arias, disse a repórteres após encontro com Hillary que está disposto a ir a Honduras para atuar como mediador se ambas as partes quiserem.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.