i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Eleição contestada

Por que Trump não reconheceu a derrota, se perdeu no Colégio Eleitoral

  • 15/12/2020 18:35
Mesmo após a votação do Colégio Eleitoral, Donald Trump continua a contestar as eleições.
Mesmo após a votação do Colégio Eleitoral, Donald Trump continua a contestar as eleições.| Foto: Brendan Smialowski and JIM WATSON / AFP

Nesta segunda-feira (14), o democrata Joe Biden ultrapassou na votação do Colégio Eleitoral a quantidade de 270 votos necessários para ser considerado vencedor. Apesar de a contagem e a confirmação oficial dos votos se dar janeiro do ano que vem, Biden já pode ser considerado presidente eleito.

O próprio líder republicano no Senado, Mitch McConnell, reconheceu e parabenizou nesta terça-feira (15) Biden como presidente eleito.

Porém, o presidente Donald Trump não reconheceu a derrota. Ainda nesta terça-feira ele tuitou que há “provas tremendas aparecendo sobre a fraude eleitoral. Nunca houve nada parecido em nosso país!”. O republicano, contudo, não foi capaz de provar em um tribunal o que alardeia nas redes sociais.

Trump praticamente não tem mais chances de uma virada institucional. Mas como os votos serão contados oficialmente no Congresso em 6 de janeiro do ano que vem, o presidente americano quer tentar uma última cartada. E espera que senadores e deputados republicanos apresentem objeções aos votos do Colégio Eleitoral nesta sessão.

Breve histórico

O processo para invalidar os votos que Biden recebeu nos swing states, contudo, não vai ser nada fácil, dado que, na história americana, apenas Rutherford B. Hayes foi declarado presidente em uma situação semelhante, em 1877. E mesmo assim as circunstâncias era muito diferentes.

Entretanto, objeções de membros da Câmara tornaram-se quase rotineiras, no últimos anos, quando os presidentes republicanos foram eleitos. Isso aconteceu após as eleições de George W. Bush em 2000 e 2004. E também na eleição de Trump em 2016.

Nesta última ocasião, a deputada democrata Maxine Waters, pediu que um senador se juntasse ao desafio contra a certificação dos resultados (um membro de cada casa é necessário para que o processo de votação da moção seja aberto). Porém não houve um senador democrata sequer que aceitou colocar o pleito em questão. Na época o processo de contagem na sessão conjunta do Congresso foi presidido pelo então vice-presidente Joe Biden.

Na presente disputa, ao menos dois senadores republicanos (Ron Johnson de Wisconsin e Rand Paul de Kentucky) indicaram que vão apoiar uma provável moção de um deputado republicano sobre as eleições de Wisconsin, Geórgia, Nevada, Michigan, Pensilvânia e Arizona.

O que também vai ser diferente neste ano, em relação às contestações anteriores, é que o perdedor da votação do Colégio Eleitoral não concedeu a eleição.

Como funciona o processo?

Como Biden fez há quatro anos, o vice-presidente Mike Pence, em sua função de presidente do Senado, presidirá a contagem em janeiro.

O procedimento de objeções é baseado em uma lei aprovada em 1887. Segundo levantamento do Daily Signal, uma objeção deve ser declarada por escrito por um membro da Câmara e assinada por pelo menos um senador de qualquer estado em particular como uma tentativa de impedir a certificação.

Se uma objeção for apresentada com o apoio de pelo menos um membro de cada câmara, o processo será interrompido e a Câmara e o Senado serão obrigados a debater a objeção por duas horas. Um Senado controlado pelos republicanos e uma Câmara controlada pelos democratas teriam que concordar em desconsiderar um estado.

Embora isso pareça altamente improvável agora, a equipe jurídica da campanha de Trump terá mais tempo para produzir evidências da suposta fraude eleitoral, seja uma fraude eleitoral real ou se uma jurisdição falhou em obedecer às leis relativas à condução das eleições.

Se a Câmara e o Senado concordarem em remover votos eleitorais suficientes para reduzir a contagem de Biden abaixo do limite de 270 votos necessários para vencer, a eleição presidencial poderia então ser decidida na Câmara dos Representantes pela primeira vez desde 1824, com cada estado tendo direito a um voto.

No entanto, com uma Câmara de maioria democrata as chances de Trump invalidar os votos dos estados contestados são muito baixas. O mais provável é que Pence declare o vencedor da eleição após a contagem final dos votos, e muito debate entre republicanos e democratas.

9 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 9 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • T

    Thiago

    ± 0 minutos

    O resultado mais provável parece ser um governo JB. É justo reconhecer isso, tanto quanto é justo lembrar que o litigio judicial está em curso e "mais provável" ñ é "garantido" menos ainda "consumado". Mas tenho (quase) certesa que os gringos terão um país mais violento e instável nos próximos anos, com um Presidente considerado ilegítimo e criminoso por grande parte do povo e milícias Antifa praticando extermínio dos apoiadores de Trump, com ou sem a conivência implícita do Executivo Federal. A demonização das ações policiais só vai aumentar, a grande mídia e o Judiciário em geral continuarão "empurrando" a mesma pauta radical feminista. E nesse sentido, quase cabe dizer que DT já perdeu.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • T

      tamotsu kashino

      ± 9 horas

      Porque os noticiarios não diz nada sobre assunto mais importantes no momento desta eleição, e a grande cartada do trump nas proximas semanas, é a Lei de Emergencia ou de Segurança Nacional, cuja a Constituição americana dão estes poderes ao presidente em exercicio, no EUA esta possibilidade e considerado uma certesa entre Republicanos e os povos que apoiam Trump, conforme manifestações da semena passada que juntaran mais de 100 milhões , Trump tem apoio total dos militares e das Forças Armadas, que apoiam estas medidas, atitude do Trump nos ultimos dias, indicam claramente estas intensões.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • E

        Eduardo Prestes

        ± 23 horas

        Trump não reconheceu porque houve fraude generalizada através dos votos por correio, entre outras irregularidades. O Partido Democrata pode até ganhar de forma ilegal, mas exigir a anuência de quem sabe que foi roubado é demais... O Trump vai morrer denunciando a fraude eleitoral que ocorreu nesta eleição, os criminosos não podem exigir a colaboração da vítima.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • T

          TIAGO SILVA

          16/12/2020 5:29:04

          Loser.....

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • S

            salcutrim

            16/12/2020 2:22:30

            O sistema americano é realmente muito bacana. La se pode contestar, pedir recontagem, ir ao senado, etc. Ja aqui, ninguem sabe se o que colocam naquela urna é realmente o real e nao tem como contestar....parabens aos americanos que construíram um sistema muito bacana

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            1 Respostas
            • C

              Clóvis José Lucena de Medeiros

              ± 18 horas

              Concordo plenamente! Nós, o povo, precisamos pressionar e derrubar essa "sacanagem" à brasileira.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

          • J

            Jared280

            16/12/2020 1:45:35

            Ainda essa história. "Pelamor"... Já deu, né Gazetinha?

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            • S

              Stanislau Surek

              16/12/2020 0:14:00

              Quer mudar o foco das 300.000 mortes de covid sob sua administração.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              1 Respostas
              • E

                Eduardo Prestes

                ± 23 horas

                O vírus é uma força da natureza, atingiu dezenas de países. Os óbitos não são culpa dos governantes, a destruição da economia é que deve ser creditada às autoridades, em especial aquelas que impediram as pessoas de trabalhar. Seria interessante pesquisar o que deu certo nos países menos afetados, que foram os africanos. Sem lockdown, sem quarentena, sem máscaras e com baixíssimo número de óbitos...

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

            Fim dos comentários.